Tira-teima nas Blues Mountains de Sidney

Galera, eu vi que muita gente aí ficou duvidando da minha masculinidade devido o post passado onde saí pra acampar com a Gosia (leia a história clicando aqui). Como já estou determinado a provar que sou maranhense e não frouxo, vou postar uma história ainda do tempo da Austrália que eu não me lembrava que ainda tinha aqui no meu computador.
Quem lê o meu blog desde os tempos da Austrália, já deve estar ciente que não censuro algumas coisas, como chego a censurar da minha volta ao mundo. Quer um exemplo? Leia aqui.
O post abaixo, por ser da Austrália, inédito, e ainda dos tempos em que eu não omitia algumas coisas servirá de base pra vocês vão tirarem suas conclusões se eu sou cabra-macho ou não!!
Post longo, mas prometo que a história vale MUITO a pena!

Blue Mountains
A história que vou contar ocorreu quando um grande amigo meu que morava do outro lado da Austrália (infelizmente terei que omitir o nome dele), foi me visitar em Sidney, local na Austrália onde morei por sete meses, onde aprendi a falar inglês e onde começou o meu blog. A vinda desse meu brother, que vou chamar de Mário, coincidiu diretamente com um programa que eu já tinha marcado anteriormente. Fiquei numa situação complicada, porque estávamos combinando há muito tempo essa vinda dele e assim que o cara chegou, eu iria viajar.
Mas mesmo assim. Nem por decreto eu iria desmarcar o outro programa que eu já tinha marcado com uma amiga minha.Que programa era esse? Prestem atenção na história abaixo.

Missão Polaca

Tudo começou duas semanas antes da chegada de Mário em um dia que eu conversava com a Karolina (a polonesa que sujei o vestido com café) e ela tinha me falado que estava indo para as Blue Mountains na segunda feira passar dois dias por lá. Perguntei por que ela estava indo sozinha e ela me falou que era porque fazia tempo que ela queria ir lá e nunca ninguém pilhava de ir com ela. Cheguei pra ela, como quem não quer nada, que nem gato comendo feijão quente, mordendo pelos cantos, e perguntei se ela não poderia adiar mais uns dias a sua viagem porque eu poderia chamar uns amigos e assim poderíamos ir juntos.Na hora ela abriu um sorrizão do tamanho do mundo e falou que adoraria descer pras Blue Mountains comigo. Ah, meu amigo, mas isso não ia dar certo…
Fazia um tempo já que eu tava percebendo que ela tava dando um molezinho pra cima de mim, que ela tava cheio de nove horas pros meus lados. E ah, muleque, se tem uma coisa que a gente aprende desde pequenino de onde eu venho é a sempre levar o lema “Meu nome é Ricardão, eu vim do Maranhão, sou garanhão, caiu na minha boléia não tem PERDÃO!!!” a sério. Ela com essas frescurinhas pra cima de mim ia acabar aprendendo cedo um pouco da “cultura maranhense”.
Nnuuussss!! Eu fiquei mais feliz que mosquito em manga podre.
A caminho de Blue Mountains
Antes de continuar escrevendo, é necessário que eu explique um pouco o que é a Blue Mountais. A Blue Mountains é uma cadeia de montanhas e um dos locais mais visitados por casais de Sydney que procuram um lugar onde possam fazer um passeio mais a dois, mais “romantiquinho”. É um local bem legal pra se acampar, pois é bem afastado (100 km do centro de Sydney), bem friozinho, bem cheio de árvores, bem aconchegante, ou seja, “bem tudo” para você acampar e gastar uma noite de amor ou de sexo selvagem.Comecei a traçar miraculosamente o plano que eu iria fazer pra poder “laçar” a polonesa e quem eu poderia chamar para ir com a gente. Na verdade eu comecei foi a pensar como eu poderia fazer pra convencê-la a ir sozinha comigo pra lá, já que tinha o receio de assustar a presa logo de cara. Se eu propusesse irmos sozinhos ela poderia sacar as minhas segundas intenções. Mas de qualquer maneira eu precisava inventar uma desculpa que a convencesse a ir sozinha comigo e não com amigos como havia dito anteriormente. Quem diabos eu iria convidar pra poder ir com a gente para o meu desejado abate? Foi aí que entrou o Mário.O Mário chegaria EXATAMENTE no final de semana que eu e a polonesa marcamos para poder ir para Blue Mountains e, o que é melhor, ele viria com uma coreana que ele já tava junto há algum tempo. Ele seria perfeito para o meu plano, já que quando você tem terceiras intenções como as minhas, é muito melhor viajar com um casal (pois você sabe de antemão que em algum momento eles vão, digamos, “prestar mais atenção um no outro”) do que descer com uma cambada de amigos (que no final ainda vão querer acochar a mulher que você tá mirando).Como não queria dar muito na cara as minhas intenções, combinei com o Mário de que, quando ele conhecesse a polonesa e falasse com ela sobre a viagem, ele propusesse que nós acampássemos por lá, ao invés de ficarmos em um hotel.
Um dia depois de confirmar tudo com o Mário, falei com a polonesa e disse pra ela que já estava tudo certo. A gente iria no fim de semana às Blue Mountains com mais um casal de amigos. Notei que ela ficou um tanto quanto alegre com a notícia, mas sabe quando você não vê aquuueeeelle entusiasmo no rosto da pessoa? Vi que ela ficou um pouco menos entusiasmada do que quando a convidei pela primeira vez para viajarmos. Na verdade, na verdade, deu a entender que ela queria mesmo era ir pra Blue Mountains SOZINHA COMIGO!!!
Depois do fato relatado acima, resolvi apostar alto, dar um “fatality”, um “all win”, resolvi gastar todas as minhas fichas. Quem não arrisca não petisca – já diria o poeta! Resolvi dar um jeito de dar um chega pra lá no nosso casal de amigos e convidar mesmo era a mulher pra descer sozinha comigo pras Blue Mountains.
Voltei pra casa pra contar pra galera o que eu iria fazer, sorrindo mais que professor de aeróbica. A galera sem entender nada resolveu me perguntar o que diabos tinha acontecido. Contei pra galera o meu plano maléfico e de cara já cortei o nosso casal de amigos da viagem. Eles ficaram meio que chateados, mas acabaram entendendo a situação.

“Flawless victory”

No outro dia fui à escola e Karol se encontrava na sala da internet, formosa, linda, perfumada, lendo os e-mails. Cheguei de boa e inventei uma história cabeludíssima pra cima dela… Falei que os nossos amigos tiveram um problema, que não tinham grana, que não iriam mais e pá pá pá…
– Quer dizer que a gente não vai mais poder ir pra Blue Mountains? – ela perguntou
– Não necessariamente, isso quer dizer que os meus amigos não poderão mais com a gente, logo, se você ainda quiser ir, teremos que ir só nós dois.
(Tensão)
– Quer dizer então que iremos só nós dois pras Blue Mountains, sem mais ninguém com a gente?
– Er… Sim?
(Tensão maior ainda)
– Mas veja pelo lado bom, podemos acampar por lá – disse a ela querendo quebrar o gelo…
– Só eu e você? Sozinhos? Sem mais ninguém? Numa barraca?
(Foi isso mesmo, brother!! Mandei logo na lata! Comigo não tem meia hora!)
(Pam, pam, pam pam!!! Estão preparados pra ver o que ela respondeu? Tirem cardíacos e hipertensos de perto do computador!! Esse é o momento crucial da nossa história, o clímax está chegando..)
A mina olhou nos meus olhos e mandou um:
– PERFECT!!!
NNNooossaaaaaaa… Na hora eu quase pirei, quase fui a loucura, pra falar a verdade eu quase desmaiei. A mulher não falou um “sim desconfiado”, não foi um “sim muxoxo”, ela simplesmente mandou um ostentoso PERFECT!!!! AAAhhh!!! Velho, eu só faltei ficar louco nessa hora. Eu acho que a última vez que eu tinha ficado tão feliz como quando eu ouvi essas sete letrinhas foi quando o glorioso Sampaio Côrrea (Bolívia querida do meu maranhão) foi campeão brasileiro da terceira divisão no inesquecível ano de 1997!!! Desci pra casa correndo e já fui contando a novidade pro Mário e pro Jonas. Cara, mas vocês não tinham noção do quanto eu pulava no caminho, pulava mais que calango no sol quente!
Depois de contar a novidade para os nossos amigos, resolvi começar todos os preparativos para a nossa “viagem a dois”. Separei a minha fiel barraquinha Marmita (Sim, o nome da minha barraca era Marmita, “pois quem entra é comida”! Inclusive eu a tinha trago llllláááááá do Brasil e só agora achava alguma utilidade), algumas roupas, mochila, máquina digital e, claro, uns quarenta pacotes de condom ( <!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:10.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman"; mso-ansi-language:PT-BR;} @page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:72.0pt 90.0pt 72.0pt 90.0pt; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;}

–>Fica o exercício para o leitor descobrir o que significa esta palavra em português. Quer uma dica? Consulte a história da japonesa) pro Claudiomarzinho não passar frio à noite.
Tenho inveja de sua felicidade, Claudiomar!
Marcamos tudo certinho e no outro dia acordei cedo pra não chegar atrasado à estação de trem e não estragar o dia que tinha tudo pra ser perfeito. Pra ilustrar a nossa história fica o comentário do nosso amigo Jonas, minutos antes de eu sair pra ir pegar o trem:

– Cara, eu tou com inveja de você. Não por você estar indo sair com a polonesa, mas sim pela felicidade que você tá tendo agora.
Desci voado pra pegar o trem pra Blue Mountains. Como todo bom brasileiro, claro, acabei chegando atrasado e tivemos que esperar quase uma hora pelo próximo trem. Mas nada me abalaria naquele dia, nada me tiraria a animação de um dia que tinha tudo para ser perfeito. Cheguei à estação e lá estava ela a nossa presa… digo… a nossa amiga polonesa, bonita e sorridente. Percebi que ela estava meio chateada pelo bolo de quase dez minutos que dei nela e também pelo fato de termos perdido o trem por minha culpa.

Começamos a conversar e a combinar sobre nossa viagem, sobre como acamparíamos e etc… Quando ela já tinha esquecido do nosso trem perdido, resolvi tirar o coelho da cartola, a cartada da manga, a jogada mágica que eu já tinha pensado em fazer para poder deixar a polonesa mais empolgadinha ainda. Tirei um par de havaianas da mochila e “presenteie ” a polonesa.

Essa foi a sandália que eu acabei tendo que usar…


Eita menino, mas na hora que a mina viu aquele par de sandálias azuis… Eita, mas que festa!! Ixi, mas ela fez um auê IMENSO!! Mas agradecia, mas pulava, mas dizia que adorou que não sei o que! Que eu era um cara muito legal!! Que ela me adorava!! Que tava pra ela conhecer alguém tão massa que nem eu!! Resumindo, a menina ficou mais alegre que mosca em tampa de xarope!! Pulava mais que paquita no cio ( <!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:10.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman"; mso-ansi-language:PT-BR;} span.MsoFootnoteReference {mso-style-noshow:yes; vertical-align:super;} @page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:72.0pt 90.0pt 72.0pt 90.0pt; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;}
–>Apesar da gente desdenhar das Havaianas aqui no Brasil, aqui na Austrália elas fazem um sucesso danado chegando ao cúmulo de serem levadas como sinônimo de status. Isso, status Sim, as pessoas descem pra balada de Havaianas assim como descemos de tênis Nike no Brasil!!!). Ela lá, toda feliz, me agradecendo e eu olhando pra mesma como na figura abaixo:Cachoeira e “Três irmãs”

Pegamos nosso trem e seguimos em direção às “Montanhas Azuis”. Lá chegando, procuramos logo por uma zona de camping, armamos a barraca (olha a mente poluída, rapaz!) e começamos a pegar nossas coisas pra poder sair e dar um rolê. Pegamos um guia que havia por lá e começamos a ler o que poderíamos fazer. Depois de algum tempo de pesquisa, vimos que havia uma cachoeira da hora pra poder visitarmos, a formação rochosa símbolo do parque chamada de “Três Irmãs” e também vermos diversas montanhas de tonalidades levemente azuis.

Como no caminho iríamos encontrar uma cachoeira, separei vários apetrechos importantes dentro da mochila e que provavelmente seriam úteis tais quais: outra muda de roupa pra mim e pra ela, um par de tênis caso minha sandálias não agüentassem o tranco e um par de toalhas pra nós dois. Resumindo, minha mochila ficou mais pesada do que eu imaginaria.

Andamos e no caminho fomos tirando várias fotos.Depois de mais ou menos umas duas horas caminhando e a mochila pesando mais que sono de surdo, enfim era chegada a hora de auferirmos nossa recompensa. Era chegada a hora de conhecer a cachoeira das Blue Mountains!!!

Não, a foto acima é meramente ilustrativa, essa cachoeira fica a uns trinta quilômetros de Brasília e chama-se Poço Azul. Tente achar o Claudiomarzinho na foto… 


Eu no caminho, fui imaginando que essa maldita e famosa cachoeira seria algo como umas cataratas do Iguaçu ou algo parecido!! NAAADAAA!!! A lazarenta da cachoeira era a coisa mais MEDÍOCRE que eu já vira na minha vida!!! Pra tomar um simples banho nela, era necessário colocar as mãos em forma de concha na água, esperar uns cinco minutos pra poder encher e só depois jogar na cabeça!! Ridícula!!
Eu, acostumado com as cachoeiras do Planalto Central, fique revoltado!!!! Pombas, tinha caminhado umas duas horas, com peso nas costas, com um “kit-banho feliz” completo na mochila pra só depois descobrir que não serviria de nada aquilo!! A Karol, claro, parecia uma criança batendo fotos e achando a coisa mais linda! Parecia até a austríaca que conheci em Fiji (leia a história aqui)
Mas enfim, eu não fiquei muito bravo porque, pra falar a verdade, eu tava era me lixando pra cachoeira, montanha, passarinho, canguru, crise mundial ou o caramba!! Eu queria mesmo é que anoitecesse logo que o bicho ia era pegar dentro daquela barraca!! Hahahheuahha. Ow diasinho que demorou pra escurecer, viu?Saímos da cachoeira e continuamos caminhando, dessa vez em direção às “três irmãs”. Ao chegarmos, batemos algumas fotos e ficamos descansando um pouco.
Algo que tenho na minha cabeça até hoje e que foi um dos momentos mais antológicos de toda essa viagem à Blue Mountains foi quando Karol bateu uma foto minha e me mostrou a seguinte foto abaixo dizendo:
– Nossa, olha só que rapaz bonito nessa foto!! Além de ser um cara muito lindo, ainda por cima é super gente boa e inteligente. Eu facilmente casaria com um figura como esse!Pronto!! Se minha auto-estima já estava alta, imagina como não ficou depois desse “direta, diretíssima” que a polaca deu na minha cara!! “Eu não merecia isso tudo, senhor” – era o que eu pensava comigo mesmo.Depois que saímos de lá, enfim a noite caiu e fomos voltando em direção ao nosso camping. No caminho ainda passamos pra comprar uma pizza e comprar umas cervejas pra tomar na barraca. Mas isso é assunto pros próximos capítulos…Pra galera que eu tenho certeza que vai ficar especulando, vai uma foto que tirei de dentro da barraca pra vocês já irem imaginando o que ocorreu…
Obs: Galera, acho que seria massa se a gente fizesse algo. Na parte dos comentários postem e digam como vocês acham que essa história acabou!! Boto fé que ia ser engraçado ver as versões mais malucas possíveis e a galera ia se divertir à beça. Usem as suas imaginações!! Vou deixar pra postar o final dessa história só daqui a dois ou três dias que é pra dar tempo pra galera ir pensando no que aconteceu. Só digo uma coisa, ocorreu algo muito, mas MUITO improvável e, o mais importante, MUITO engraçado no final!!
Obs2: A primeira tentativa de adivinhar o que ocorreu já foi feita. O Luis Maceio deu o palpite dele na sessão de comentários. Na opinião dele a mulher é lésbica. Hahahaha. Pode ser… Enfim, usem as suas imaginações!!
Obs3: O palpite “O maranhense broxou” já pode ser antecipadamente descartado…

abraços maranhenses

26 comentários em “Tira-teima nas Blues Mountains de Sidney

  1. Acho que vocês compraram um monte de cerveja, beberam demais e dormiram… ahahahaahahaha

    Maranhão, que bobagem você preocupado em provar coisa pros outros… E ainda chamando a moça de “presa”! Que horrô. 😛

    Curtir

  2. cara, o que aconteceu eu não sei, mas eu juro pra você que eu li o post todo, desde a primeira palavra pensando assim “ele se fudeu no final, eu sei que ele se fudeu no final… seja lá o que aconteça ele se fudeu no final…!”

    hahahaha

    Pô, juro que não é torcida contra, mas eu tenho certeza!

    Curtir

  3. juro pra você que eu li o post todo, desde a primeira palavra pensando assim “ele se fudeu no final, eu sei que ele se fudeu no final… seja lá o que aconteça ele se fudeu no final…!” [2]

    maranhão ,deus não é comediante rapaz,

    e Taize n merece isso

    e vc não é tão sortudamente FDP assim 😛

    UIAHUIAHUIA vc NÃO pegou essa polaca fogosa , NÃO pegou

    Deus não pode injustiçar-nos assim !! =D

    uihauishsuihsauias “maranhense broux” é foda IUHAiuhAIUHAi

    Curtir

  4. “ele se fudeu no final, eu sei que ele se fudeu no final… seja lá o que aconteça ele se fudeu no final…!”[3]
    uhauhauahuah
    eu li o post tbm pensando a mesma coisa, e pelo visto foi o q aconteceu.

    Curtir

  5. O que mão medíocre e babaca vc consegue ser?

    A T A Í Z E não merece isso…

    Vc é um imbecil de marca maior e escreveu isso numa tentativa furtiva de tentar acreditar que é o maioral, ela é muito superior a você e, se escutar metade das coisas que falei para ela ontem (quando liguei ontem para CONTAR do outro blog que era bm menos BAIXO) ela te enfia um pé-na-bunda.

    A Íza não merece seu tratamento grosseiro e muito menos isso aqui e tomara que vc encontre uma pessoa tão idiota quanto vc para te fazer metade das coisas que vc faz com ela.

    Amiga da Taíze!

    Curtir

  6. Você não tem o menor respeito pela sua namorada. Aliás, pela maneira como você escreve, você não tem respeito por mulher nenhuma. Fala da polonesa como se fosse um objeto… Isso não é atitude de um homem de verdade. Você pode até pensar que é alguma coisa pq comeu uma europeia e sai alardeando isso por aí, mas esse tipo de atitude não te torna melhor do que ninguém, muito pelo contrário. Você é ridículo…

    Curtir

  7. Eu acho que vc esqueceu o pacote de camisinhas e como vc tem juízo teve que ficar só na brincdeira e qdo vcs voltaram a minna sumiu e vc num conseguiu finalizar o serviço.

    P.S. – Num liga pra eses comentários ofendidos das mulheres… vc tá só fazendo um fiel relato do que passa na cabeça de um homem numa hora como essa…rs!!

    Curtir

  8. Putz maranhão, manda pra bosta esses comentários..

    Eu nao achei nada demais o teu post, e olha que eu odeio caras machistas.

    Manda pra bosta \õ

    Curtir

  9. Hahahahahahh

    Gente, mas o IBOPE do blog hoje chega tá cheio…

    hahuaehuehehaeuea

    Pombas, a mina ligou até pra Taíze pra contar pra ela!!! HUAHAEUHAEUHAEUHAEUHAEUHAEUEA

    Manda ver, brother!!

    Segunda feira você volta aqui pra contar o resto da história pra ela.. HAHAHAHHAHA

    abraços maranhenses

    Curtir

  10. E num é rapá??

    Não é que ela voltou???

    Ow Big Sister, fala aí, você quer mais é que eu largue da Taíze pra te dar uns pegas, não é?? Sério, só pode ser isso, porque, POMBAS, essa mina é uma das maiores fãs do meu blog!!! Vou te dizer!! Só pode ser carência…

    Sério, se você tá achando que eu vou te dar uns coças, pode sentar num balde de gelo porque eu só pego polonesa!!!

    abraços maranhenses

    P.s: UUhhhuuuu!! É baixaria!!!

    Curtir

  11. “cara, o que aconteceu eu não sei, mas eu juro pra você que eu li o post todo, desde a primeira palavra pensando assim “ele se fudeu no final, eu sei que ele se fudeu no final… seja lá o que aconteça ele se fudeu no final…!” [N]

    Curtir

  12. Eras, Claudiomar… escreves tão bem, não precisas ser tão indelicado nos termos pra seres engraçado e estiloso.
    Ainda, que eu, como toda a rapaziada que acompanha teu blog, saiba que deu tudo errado, hahahahaha….
    Bjus.

    Curtir

  13. Galera vcs observaram que a polaca da Australia ele até que tentou, tava sempre agarradinha a ela. Já na Polonia o maranhão tá só de longe.
    Explicação: até a Autralia ele ainda tava no armario, mas depois de a mina te dado todo esse mole, ele roeu a corda e saiu do armario

    Curtir

  14. Que ele se lascou no final não precisa nem falar.

    Ele deve ter levado uma marmita de carne seca com farinha e na hora H soltou aquele peido de 10 segundos. A polaca se assustou e saiu correndo.

    Curtir

  15. as feiosas brasileiras ficaram com inveja…

    ah..mulher comenta com as amigas de tudo que faz na cama. Nessas horas vocês não faltam com respeitam, né.

    Mulheres, o tão dia sonhado de vcs chegou: igualdade nos direitos e deveres em ambos os sexos.

    Curtir

  16. Cara doido d++ esse post!!

    Mas acho que vc não pego!!

    Se pego, demoro pra pega hahha

    ou omitiu fatos

    porque depois daquela indireta da foto… matadora!!!

    O poloca gata d+!!!

    parabéns pelo blog!! é um dos mais engraçados !!

    ps:

    não liga pra esse povo q não ter o q fazer da vida e vem cuidar da vida dos outros!!

    abraçãoo velho!!

    Curtir

  17. “Que ele se lascou no final não precisa nem falar.

    Ele deve ter levado uma marmita de carne seca com farinha e na hora H soltou aquele peido de 10 segundos. A polaca se assustou e saiu correndo.”
    Será? Ainda não li o final da história, mas este comentário me fez rir por uns 10 minutos tentando imaginar a cena!

    Bicho, sou fã do seu blog há tempos, até coloquei um link pra ele no meu blog… E não liga prá estes comentários – a Internet é um campo livre! Se as pessoas se ofendem, pq continuam lendo? Acho que pela puta inveja que elas tem da sua vida. Se sentem diminuídas pela sua grandeza, e tentam se reafirmar te esculachando. Na verdade, elas não conseguem viver sem teu blog!

    E sou mulher e não me ofendo nem um pouco com suas palavras… Manda as feministas de plantão arranjarem algo mais interessante prá fazer…

    Agora vou ler o final da história!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s