Jordânia – Viajando por Petra

Como havia falado, de início, a Jordânia não estava nos meus planos pra ser visitada. Pra mim parecia um lugar muito distante e inóspito pra ser alcançado. Eu até pensava em ir a Amã, capital, mas estava lá embaixo na minha escala de prioridades. Tudo mudou depois que as pessoas começaram a me falar de Petra.

Why not?

Pra quem não sabe o que é Petra. Lá é um dos lugares mais impressionantes já construídos pelo o homem. Petra significa “rocha” em grego e é isso mesmo que ela é: uma cidade incrustada nas rochas. Deixe-me ser mais claro. O povo Nabateu, uma tribo árabe, ao chegar ao local, encontraram uma região repleta de rochas, cânions e gargantas por todos os lados. Lá resolveram edificar a sua cidade e viver. Como o que não faltavam eram paredes de rochas e cavernas eles pensaram “Hum, porque não facilitar o trabalho?” e simplesmente começaram a esculpir as suas construções nas pedras. Não, eles não arrancavam a pedra, esculpiam e depois levantavam as edificações. Eles simplesmente iam nas paredes de pedra e, literalmente, iam fazendo um buraco nelas. Cara, isso era muito louco! Durante centenas de anos a cidade prosperou como uma importante rota comercial chegando a ter uma população de quase 20 mil pessoas.

Olha a riqueza de detalhes da coluna…

Enfim, eu acho meio difícil expressar em palavras o que é realmente andar por entre aquelas muralhas naturais de Petra. Em ter a sensação de estar no meio do de um deserto e do nada um dos mais extraordinários trabalhos humanos surgindo diante dos seus olhos.

Os Estados Unidos possuem duas atrações turísticas semelhantes e que são famosas no mundo inteiro: os rostos de quatro presidentes americanos esculpidos no Monte Rushmore e o Grand Canyon. Petra é quase que uma fusão dos dois, com a diferença que foi esculpida nas rochas há milênios sem a utilização de dinamites ou engenharia avançada, só de picaretas!

Grand Canyon e, abaixo, o Monte Rushmore

E da mesma maneira misteriosa que foi construída, Petra foi misteriosamente desocupada. As conclusões mais aceitas propõem que os habitantes da cidade simplesmente fugiram de lá depois que dois sucessivos terremotos destruíram quase que toda a cidade. Temendo que outros pudessem estar por vir e com a perda de importância da rota comercial que passava por lá, os habitantes remanescentes decidiram desocupar a cidade.

Após o abandono, Petra ficou esquecida durante centenas de anos. Durante todo esse tempo, o Ocidente imaginava que fosse uma lenda e que realmente nunca existira, mais ou menos como Atlântida ou a cidade de Tróia. Em 1812, porém, um explorador suíço “redescobriu” a cidade e hoje Petra é um dos principais pontos turísticos de todo o mundo. Ficou ainda mais famosa quando foi o cenário das aventuras do filme “Indiana Jones e a Última Cruzada”. Até novela da Globo já foi filmada lá.

Não tenho muitas histórias de Petra. Só passei um dia por lá e ainda assim fiquei só batendo fotos e passeando entre as ruínas. De qualquer maneira, faltaram presepadas, mas sobraram histórias e saudades de um dos lugares mais impressionantes desse planeta! Petra é SHOW!

Depois de Petra, a Helena voltou para a Palestina e eu resolvi atravessar por barco o Mar Vermelho pra assim chegar logo ao Egito e evitar todo o trabalho e rotina de entrevistas para passar pela fronteira de Israel. Entrei no Egito por mar. Era chegada a hora de se preparar para voltar para a Europa. Suíça!

Cara, se liga em um dos beduínos que trabalhavam por lá. Diz aí se ele não é IGUALZINHO o Jack Sparrow em “Piratas do Caribe”?

Claudiomar Sansão

Estávamos andando no meio do deserto e olha o que achamos no meio do NADA. Esse simpático gatinho que todo mundo que passava, passava a mão na cabeça dele. Me lembrou um gato semelhante que achei em Istambul