Passeando por Daca, capital de Bangladesh

Em tudo que eu lia sobre Bangladesh era consenso que a principal atração turística era uma só: O lugar não ser turístico. Pela surpresa das pessoas nas ruas, você tem a sensação de ser o único turista em uma cidade do tamanho de São Paulo. Cara, é tão engraçado, que até o rapaz da imigração ficou encucado querendo saber o que diabos eu tinha ido fazer em Daca. Por mais que eu falasse que tinha ido a turismo, ele não acreditava.

Agora imagina uma população da cidade de São Paulo só que empilhada em uma cidade sem metrô e sem nenhuma avenida de três pistas? Pois então, o lugar é um caos, muito pior que São Paulo ou Teerã (a cidade com pior trânsito que eu já vira até o momento). Para piorar, todo mundo dirige com a mão na buzina.

Cheguei ao aeroporto, e, seguindo orientação, fui pegar um Uber. Mas quem disse que eu conseguia? No Uber aparecia a placa do rapaz bonitinha, AC135643. Porém, em Bangladesh, o alfabeto é diferente. Inclusive os números. Então, mano, era simplesmente impossível saber qual carro eu deveria entrar. O negócio foi ficar em pé com o celular na mão e ficar observando os carros que iam chegando. Depois de uma meia hora, e três Ubers cancelados depois, consegui pegar um Uber. Isso porque, veja você, uns taxistas ficaram querendo entender o que eu tava fazendo e, quando viram que eu tava tentando pegar um Uber, eles me ajudaram. Os caras são tão amigáveis no país que até os taxistas te ajudam a pegar Uber, dá para acreditar?

Passeei por alguns pontos turísticos de Daca, visitei um palácio lá que até era importante para a história deles, mas nada demais. A única parte legal mesmo foi descobrir uma Igreja Cristã Armênia no meio de Daca. Era da comunidade armênia que existia em Bangladesh, hoje quase inexistente, já que grande parte dessa galera foi embora do país. Porém, tinha um cemitério com algumas tumbas do começo dos anos 1800. Muito legal.

Lá pela área da igreja morava um cara que veio bater um papo comigo, gente boa demais. Foi o único bengali que eu consegui entender perfeitamente o inglês, já que todos os outros se enrolavam todo para falar inglês. Na hora que eu fui assinar o livro de visitas, uma surpresa, havia a assinatura de uma brasileira, e, ainda por cima, de Brasília. Depois ele foi me explicar que ela que trabalhava na Embaixada Brasileira em Daca.

Ainda passei por um palácio que havia sido importante para eles, partes importantes de acordos e celebrações de Bangladesh haviam sido assinadas por lá. A única questão era que o lugar ainda estava caindo aos pedaços. A noite ainda comi uma parada bacana. Um tal de um frango piri-piri, nome de uma cidade do Piauí e que, depois fui ver, tem origem na culinária portuguesa.

Depois é só se preparar para visitar a capital, Dacca, cidade com o maior número de riquixás (carrocinhas puxadas por bicicletas) no planeta. De longe o seu principal meio de transporte

IMG_4500IMG_4507

IMG_4535
Olha o tanto de riquixá…

IMG_4539IMG_4558

IMG_4559
Brasileiros já passaram por aqui…

IMG_4560

IMG_4563
Cemitério armênio

IMG_4577

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
 
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
 
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
 
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Sobre Bangladesh, a ex-Índia muçulmana.

Cara, é complicado a gente ouvir falar de Bangladesh no Brasil. Diga aí, o que vem a sua cabeça quando alguém fala Bangladesh? Nada, né? A única coisa que eu lembro de Bangladesh é uma música que chama Bangladesh e que tocou bastante lá em São Luís quando eu era criança.

Além disso, me vem a cabeça Muhammad Yunus.  Esse cara é um banqueiro de Bangladesh que ganhou um Nobel da Paz. Sim, um banqueiro, a raça mais odiada de todo o mundo. Mas por que então deram um Nobel para o cara? Então, porque o banco dele era especializado em microcrédito. Isso meio que revolucionou Bangladesh. Mas assim, quando se fala em microcrédito, é micro mesmo. Começou quando ele emprestou do bolso dele 27 dólares. Para uma pessoa? Não, para 42 MULHERES (ou seja, 62 centavos por mulher), que conseguiram iniciar um negócio com essa graninha e ainda pagaram a ele depois. Com juros. A questão é que em zonas muitos pobres, por mais baixo que possa ser você emprestar uma quantia, isso pode ser o suficiente para que a pessoa possa deslanchar alguma coisa. Tem até um site na internet onde você pode emprestar pequenas quantias em dólares para pessoas do mundo inteiro: https://www.kiva.org/. Vi gente lá na Libéria que pedia, sei lá, 10 dólares para comprar sabão e começar a poder lavar roupas para fazer um dinheiro. A taxa de inadimplência é baixíssima. Vale a pena dar uma olhada no site https://www.kiva.org/

Mas Bangladesh é mais que isso. Começa que o é o país com maior densidade populacional do mundo (bem, tem umas cidades-estados e arquipélagos que tem maior densidade, mas nenhuma delas chega sequer a um milhão de pessoas). Pensa que Bangladesh tem quase a população do Brasil em um território de METADE do tamanho do Maranhão.

Durante sua história ele foi meio que ligado a Índia, inclusive era parte do India Raj, a imensa colônia que a Inglaterra fez na Índia. Com a independência da Índia, os muçulmanos ficaram com medo de ficar vivendo em um país de maioria hindu, então convencionou-se criar um país independente onde os muçulmanos seriam maioria. Como as maiorias muçulmanas eram nos dois extremos, acabou-se por criar uma Índia imensa no meio e dois países muçulmanos nas pontas.

A questão é que a única coisa que ligava os bengalis aos paquistaneses era a religião, de resto eles não eram nada parecidos. Mais ou menos como comparar portugueses com russos. O Urdu, língua oficial do Paquistão, era a língua oficial do novo país e, obviamente, o povo de Bangladesh não gostou nada disso. O país já iniciou mal das pernas e, como o Paquistão detinha o poder, sugava recursos da parte Leste, onde hoje é Bangladesh, que já era uma região ferrada. Com essa sugada, então, se ferrava mais ainda.

Não demorou alguns anos e a parte Leste começou a lutar pela independência separando o país em Paquistão e Bangladesh. Como Índia e Paquistão sempre estiveram em pé de guerra, a Índia começou a apoiar a independência de Bangladesh.

Apesar de depois da independência da Inglaterra o pau não ter quebrado em Bangladesh como quebrou entre Índia e Paquistão, a coisa ficou feia quando Bangladesh quis ficar independente do Paquistão. O Paquistão bombardeou civis com Napalm, destruiu universidades matando estudantes e intelectuais. Lideranças políticas bengalis começaram a ser presas e fuziladas pelos paquistaneses. Teve um general paquistanês que ficou famoso por sair pelas cidades e vilas mandando que os homens tirassem a roupa. Se fossem circuncisados, portanto muçulmanos, eram interrogados, se não fossem, portanto hindus, eram mortos no ato. Mais de 10 milhões de pessoas fugiram para campos de refugiados na Índia durante a guerra de independência.

No final, depois da independência ficou um país destruído, pobre e miserável. Pelo menos sem um outro país para parasitar as suas reservas.IMG_4471IMG_4474IMG_4484

IMG_4486
Bandeira do Brasil pintada, lá atrás, no meio das ruas de Bangladesh

IMG_4518IMG_4525IMG_4529IMG_4532IMG_4537IMG_4548IMG_4570IMG_4589IMG_4591IMG_4597

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
 
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
 
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
 
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

A caminho de Bangladesh, viajando pela Ethiopian Airlines de São Paulo a Délhi

Como a Ethiopian Airlines estava com uma passagem com um bom preço para Delhi, acabei comprando por eles. Não sugiro que você faça nem para o seu pior inimigo. Ok, o avião dos caras é bem confortável e a tripulação é bem solícita. O problema é que você faz uma escala em Lomé, no Togo, em que você fica uma hora e meia mofando dentro do avião, e depois ainda faz uma conexão na Etiópia, o que aí sim, é complicado.

O aeroporto de Addis Abeba é um INFERNO! Não só pelo calor (que faz o lugar quase ser um inferno literalmente), mas porque o aeroporto é uma casa da Mãe Joana. É tudo zoneado e sujo. Porém, PORÉM, a pérola é eles acharem que, bem, entendo que eles já passaram por checagem de máquinas de raio-X umas duas vezes, mas, por que não fazer de novo?

Até aí tudo bem, o problema é que o aeroporto está querendo ser um novo hub da África, competindo com a África do Sul e o Egito, então é APINHADO de gente. E só há DUAS MÁQUINAS DE RAIO-X. Mano, quando você desce do avião, você vê uma fila que não acredita do tanto de gente afunilando para poder passar nessa MALDITA máquina de raio-X. Daí fica todo mundo lá em pé e vez ou outra passa um carinha gritando “DUBAI”. Aí todo mundo que vai para Dubai fura a fila. Dali a outro passa outro que grita “NAIRÓBI” aí todo mundo que vai para Nairóbi fura a fila. Como toda hora passa alguém gritando um voo para furar fila, o aeroporto fica parecendo uma feira.

Fiquei uma hora em pé, já que ninguém andava porque toda hora um grupo tinha que furar fila para poder pegar o voo, até a hora que gritaram “DELHI” e lá fui eu furar a fila também. Acaba que aquilo não é uma fila, é simplesmente uma zona de espera, só que em pé. Se você for e fila estiver imensa, sugiro pegar um chopp e ficar no bar tomando uma e de olho no rapaizinho que sai gritando o nome dos voos. Quando ele chamar o seu, você vira o copo de chopp e segue para furar a fila. Foi o que uns brasileiros que conheci no avião (malandros, já tinha feito conexão nesse aeroporto) fizeram e ainda passaram me dando tchauzinho enquanto furaram a minha frente, já que meu voo era depois dos deles.

Pelo menos o aeroporto tem WI-FI, mas, cargas d´água não sei por quê, o whatsapp parece que é bloqueado na Etiópia, ou pelo menos no aeroporto.

Então, chefe, se tiver viajando para Ásia ou tenha qualquer outra escolha, evite viajar de Ethiopian Airlines, as outras opções nunca são tão mais caras, mas compensam cada centavo a mais.

IMG_4512IMG_4530IMG_4591IMG_4597

20170915_004805
Você se toca que está em uma empresa africana de aviação quando o vídeo de instrução de segurança possui negros. Foi a primeira vez que vi isso, na maioria são pessoas brancas de olhos azuis
20170915_162054
Fila interminável no aeroporto

20170917_11173020170917_112019IMG_4500

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
 
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
 
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
 
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Bangladesh, como tudo começou!

Como estava indo para uma viagem à Índia, comecei a analisar a região e ver quais países ainda não tinha visitado. Fui checando o mapa e vi que, fazendo umas conexões malucas, não seria tão difícil viajar à Bangladesh, Maldivas e Sri Lanka. Depois, já na Índia, ainda daria para cruzar a pé o Paquistão. Pensei, por que não? Estava começando a minha viagem para Bangladesh.IMG_4596IMG_4602

COMO VIAJAR A BANGLADESH E COMO CONSEGUIR O VISTO

Obviamente não existem passagens promocionais do Brasil para Bangladesh, menos ainda voos que vão para lá. Acaba que a forma mais simples de chegar ao país é pegando uma passagem promocional para Índia, Tailândia, Malásia ou Cingapura (sempre tem, é só acompanhar no site do Melhores Destinos) e depois pegar um voo pra Bangladesh. Eu peguei um voo de Délhi.IMG_4605

O visto para lá é simples. Como existe uma embaixada de Bangladesh aqui no Brasil, foi só ir lá e levar meu passaporte, a passagem Délhi – Dacca e Dacca – Maldivas, uma reserva de hotel que fiz pelo site do booking.com (imprimi a reserva e depois cancelei) e pagar uns 40 reais. Em três dias o visto estava pronto. Super tranquilo. Ainda assim, quando cheguei à Dacca, tinha um guichê para poder tirar visto no aeroporto mesmo, mas tinha uma fila IMENSA esperando, então sugiro, se possível, fazer tudo pelo Brasil mesmo.IMG_4599

IMG_4458
Exemplo de transporte público em Bangladesh

IMG_4465IMG_4489IMG_4532

IMG_4537
Criançada na escola

IMG_4547

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
 
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
 
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
 
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Dez curiosidades que aprendi viajando por Bangladesh (a 7ª e a 10ª são as minhas preferidas)

1 – Bangladesh é o país com maior densidade populacional do mundo. Imagine amontoar quase a população do Brasil inteiro em um espaço de metade do tamanho do Maranhão.
2 – Como é Daca, capital de Bangladesh? Imagina uma cidade com a população de São Paulo, só que sem uma única avenida de 3 pistas, sem metrô e com todo mundo dirigindo loucamente. Com 40º do lado de fora. Imaginou? Pois então, é ainda pior do que isso presencialmente;
3 – Todos os Uber em que andei eram automáticos. Imagino que isso deva ser um pré-requisito, já que eles andam com uma mão no volante e a outra ENFIADA na buzina. Não teria como ter uma terceira para passar a marcha;
4 – Eles tem a maior população de riquixás (ou charretes) a pedal do mundo. São onipresentes e aparentemente o principal meio de transporte no caótico trânsito;
5 – Toda vez que você precisa atravessar a rua passa um filme da sua vida em frente a seus olhos. Passar de uma calçada a outra (quando há calçada) uma experiência de vida ou morte. Quase fui atropelado 3 vezes (em 2 delas por charretes desembestadas);
6 – Nas ruas só se vêem homens andando, sempre com pressa, em todos os sentidos, aparentemente sem destino algum. A maioria das poucas mulheres na rua ficam esmolando com os filhos. É bem triste;
7 – Imagine descer de uma espaçonave com uma melancia como chapéu. Era como me sentia caminhando por Daca. As pessoas paravam o que estavam fazendo e ficavam me encarando como se eu fosse um bicho de outro planeta. Arregalavam os olhos e me observavam de boca aberta. Chega eu conseguia ver a pupila delas me seguindo. Algumas sorriam e acenavam. As poucas que sabiam falar algum inglês me atravessavam e começavam a conversar comigo. Uma vez chamei um Uber e, sem perceber, estava em frente a uma universidade. Rapaz, para que? Me cercaram! Parecia que a universidade INTEIRA tinha PARADO para ir lá falar comigo;
8 – Na imigração, tanto na ida quanto na volta, os oficiais ficaram curiosos para saber porque diabos eu estava a turismo para lá. Acabou que a principal atração turística de Daca foi a sensação de ser o único turista em uma cidade com uma população de mais de 10 milhões de pessoas.
9 – Apesar do críquete ser o esporte nacional, várias bengalis gostavam bastante de futebol. Fiquei surpreso ao conversar com um que me disse que às vezes acordava de madrugada para ver jogo do Santos (sim, o cara era fã do Santos!). Todos eles me falavam que na Copa do Mundo houve uma cisão no país entre os fãs do Brasil e os fãs da Argentina. Teve um que me disse a seleção inteira do Brasil de 2002 e 2014!
10 – Muitos países por onde viajei tinham população amigável. Acaba que Bangladesh, por ser um país com poucos turistas, as pessoas são mais do que amigáveis. Elas são amorosas. Todas com quem conversei eram muito gentis e muito curiosas sobre o Brasil. E, obviamente, todo mundo vinha me dizer que torceu para o Brasil na Copa. Na hora do “vamo ver”, não encontrei nenhum fã da Argentina =)

Originalmente postado em www.instagram.com/omundonumamochila

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
 
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
 
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
 
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila