Chegamos à capital do Irã – Teerã

A última cidade do Irã que visitei acabou sendo Teerã. Ao contrário das outras cidades persas que tem milhares de anos, Teerã é relativamente nova. Demorou tanto a ganhar importância, que inclusive nem chegou a ser murada (a maior parte das grandes cidades medievais eram muradas para evitar invasões).

Teerã é uma metrópole com sete milhões de habitantes e principal centro financeiro e político persa. A gente acha que vai chegar no Irã e encontrar várzea, mas se impressiona quando chega a Teerã. A cidade tem parques para todos os lados e é bem parecida com São Paulo. E, assim como São Paulo, tem um trânsito caótico! Para andar de carro em Teerã, só com o Waze (é engraçado e irônico que um aplicativo de celular israelense nos salvava por lá).

20161021_110439
Parques em Teerã

20161021_11154620161021_132101A Torre Azadi é o principal símbolo da cidade. Ela combina elementos arquitetônicos persas e islâmicos. Tem 45 m de altura e é inteiramente revestida por 25.000 placas de mármore branco. Símbolo de Teerã, foi construída para comemorar os 2.500 anos do Império Persa. Foi um dos principais palcos dos protestos a favor da Revolução Islâmica e daí vem o seu nome Azadi, que, em farsi, significa “liberdade”.20161022_150152Por último, Teerã também tem um museu muito bacana e muito completo sobre a Guerra Irã-Iraque. Uma coisa é você saber a Guerra em números, outra é você vendo as ambientações dentro do museu. Tinha, por exemplo, um simulador de como era um bombardeio contra a população civil que tremia até o chão!

Salas com temperatura controlada para você ver como seria uma trincheira em caso de estar no deserto, o calor pela manhã e o frio a noite.

20161020_093735
Placas de milhares de ruas que foram renomeadas para homenagear os mortos na Guerra

20161020_093411

20161020_090617
Diferentes povos do Irão que lutaram junto aos persas

20161020_081028

20161020_084131
Modelo de escola bombardeada
20161020_090414
Sala climatizada

Por último, o que mais me chocou, um ambiente de uma escola bombardeada, inclusive com o barulho das crianças agonizando. Cara, é o que eu falei, a gente sabe que em guerras escolas são bombardeadas, mas ver e ouvir mais ou menos o que seria uma é bem chocante.

20161019_105419
Baazar em Teerã
20161021_123501
Rua Brasil em Teerã
20161021_130146
“Escadaria Selaron” iraniana que achei caminhando pelas ruas de lá. Compare com a do Rio de Janeiro abaixo e veja se não é igualzinha!

download20161021_15085020161022_180040

20161022_204447
Cristo Redentor sendo vendido em um Baazar iraniano
Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Road trip pelo Irã- Depois de Esfahan, fomos a Abyaneh e Kashan

Depois de Esfahan seguimos para Abyaneh. Era uma cidade escondida no meio das montanhas e, de tão isolada, falava um persa muito arcaico, semelhante ao falado no começo do milênio. A cidade era bem charmosa, mas passamos só uma noite lá.20161017_061631

20161017_062154
Ciro em frente a placa de mais um Mártir da Revolução Islâmica

20161017_06300720161017_06341220161017_064721

20161017_064917
Os iranianos gostam bastante de acampar. O que no Brasil seria uma farofa, lá é uma importante fonte de entretenimento.

20161017_06553220161017_06585720161017_07082620161017_080106img_3777img_3776

Depois seguimos para Kashan, uma cidade bem interessante e que, por um curto período de tempo, foi capital do Irã sob a dinastia dos Qazars, reis de origem azari (do Azerbaijão). Sim, assim como a China foi governada um tempo pelos mongóis, os persas também foram governados por estrangeiros. O mais interessante em Kashan (além dos palácios) era um esconderijo subterrâneo que foi construído para se proteger das invasões mongóis.20161017_10234520161017_10263020161017_11220420161017_11255820161017_12082420161017_12133120161017_12253720161017_12272920161018_054528020161018_05584920161018_060202Esse esconderijo foi feito porque à época das invasões dos mongóis, o bagulho era feio mesmo. Não existia meio termo, se ganhassem a batalha, matavam todos os homens, estupravam as mulheres (e as transformavam em escravas sexuais) e escravizavam as crianças. E a gente hoje se achando porque faz textão no Facebook reclamando do governo! Devido a isso, o povo de Kashan fez meio que uma cidade subterrânea para se esconder quando os mongóis passassem. É a cidade subterrânea de  Nooshabad. Mano, o lugar era engenhoso demais!

20161018_072056
Qnat para abastecimento de água
20161018_072810
À esquerda era um “quarto” para uma família de até cinco pessoas

Lá dentro passava um qnat (não lembra o que é qnat? Clica aqui) para abastecimento de água. Túneis que levavam até o topo garantiam ventilação. E, assim, o lugar parecia que tinha sido planejado para um filme do Indiana Jones, porque era um labirinto e com várias armadilhas. Apesar de estar a dezena de metros do chão, não fazia tanto calor e havia um clima fresco lá dentro, até um pouco de frio, tamanha a engenhosidade do sistema de ventilação do lugar.

sem-titulo
Imagem de um monarca iraniano com roupas turcas, típica da dinastia dos Qazars

img_3834img_3828img_3822img_3809img_3801

20161018_090500
O Zigurate de quase 10.000 anos atrás que expliquei mais neste post
Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Esfahan – a joia do Irã

Depois de Parságada, seguimos para Esfahan. Ela já foi capital do Irã e hoje é o principal destino turístico do país. Destaca-se a sua praça principal, a segunda maior do mundo (a primeira é a Tiananmen, na China, que é bem mais sem graça). Ao chegar ao Irã, imaginava que, devido a má fama do país pelas nossas bandas, quase não haveria turistas por lá. Ledo engano. Cara, tem hordas e hordas de turistas por todos os cantos nas cidades iranianas que visitei. Nem em cidades brasileiras vi tanto gringo. E não faltam lugares para visitar, pois, com mais de 4.000 anos de história, a civilização persa rivaliza com a chinesa e a indiana em matéria de antiguidade. Esfahan era cheia deles.

Veja a impressionante acústica das mesquitas de lá. Parece que o cara tá cantando com alto falante

Continue reading “Esfahan – a joia do Irã”

Viajando pelo Irã – De Yazd, por terra, para Shiraz, passando por Abarkuh

De Yazd seguimos para Shiraz, cidade mais ao sul do Irã, mas antes passamos por Abarkuh.

Em Abarkuh não há muita coisa a se ver, porém a única atração vale a parada na cidade. Lá é possível ver a Cipreste de Abarkuh, uma árvore gigantesca e que é símbolo do Irã. Acredita-se que ela tenha 4.000 anos de vida e seja o segundo ser vivo mais velho de toda a Ásia. Mano, ela é gigantesca, tem 25 metros de altura por 18 metros de circunferência. É grande, mas ainda é menor que o Cajueiro de Natal =)

img_3476
Um Basij, polícia religiosa, em Abarkuh
img_3479
A Cipreste de Abarkuh
maior_cajueiro_do_mundo_3
O cajueiro de Natal

Continue reading “Viajando pelo Irã – De Yazd, por terra, para Shiraz, passando por Abarkuh”

Na mais tradicional celebração religiosa do Irã – Conhecendo a Ashura

Em Yazd, acabamos vendo tudo numa pressa danada porque no outro dia era Ashura, um dos dias mais importantes para os muçulmanos xiitas. Nesse dia eles comemoram o martírio do Iman Houssein (para saber mais a história dele, clique aqui). São dez dias de comemoração e quanto mais vai chegando perto da data da morte (que ocorreu em 1580), maiores e mais fortes vão ficando as celebrações. Durante a Ashura, o Irã inteiro para, pois fica celebrando o martírio e tudo fecha. Não chegar a ser um Shabat, que quase fez eu dormir na rua em Eilat, Israel (leia sobre a minha agonia no Shabat em Israel clicando aqui).

Ashura pela noite, Ashura pela manhã

Porém, depois de passar pelo lugar dos pombos malditos, ainda tínhamos que procurar algum lugar para ficar. O problema é que Yazd estava lotada e nada de a gente conseguir uma hospedagem. Depois de alguma luta, conseguimos um quarto de hotel (que acabou sendo o quarto mais caro que pagamos em toda a viagem), deixamos nossas coisas por lá e fomos conhecer a cidade. Como o dia era de celebração religiosa, fomos abordados algumas vezes por Basijs, a polícia religiosa, e toda vez eu ficava preocupado (apesar de não estar fazendo nada de errado, polícia sempre me deixa nervoso).

DE REPENTE, RECEBEMOS UM TELEFONEMA DO GOVERNO DO IRÃ!

Continue reading “Na mais tradicional celebração religiosa do Irã – Conhecendo a Ashura”

Irã – Em Yazd, dormindo em uma hospedaria da histórica Rota da Seda

Seguimos para Yazd que, conforme falei, é a cidade principal para os Zoroastras. Primeiro iríamos dar uma volta nela e depois acompanhar a celebração da Ashura, que vou explicar em outro post. Ciro tinha, de alguma forma, conseguido reservar um apartamento para gente. Quando chegamos o lugar era super agradável, só que não era só para gente. Iríamos ter que dividir. COM POMBOS! Rapaz, aquilo não era um apartamento, aquilo era um viveiro de pombo! Eu nunca tinha visto aquilo! Era pombo para todo lado. Pombo na janela. Pombo na sala. Pombo na varanda. Pombo na cama. Pombo na cozinha. Pombo em cima de pombo… Lugar sujo, sério, troço ruim mesmo.img_336320161010_093612img_3271img_3365

Não tínhamos muita escolha. A cidade tava apinhada de gente, hotéis lotados e eu realmente comecei a considerar ficar por lá. Até a hora que o Ciro foi na sacada e viu um CADÁVER de um POMBO se decompondo e começou a surtar. É, aí já era um pouco demais. Cemitério de Pombo também não! Pegamos nossas coisas e acabamos indo embora. Continue reading “Irã – Em Yazd, dormindo em uma hospedaria da histórica Rota da Seda”

Irã – No caminho de Yazd, paramos em Meyboud

A primeira cidade que visitamos no Irã foi Meyboud. Fomos ao Castelo Narin, feito de lama e palha há 2000 anos atrás. Pode parecer algo primitivo ou precário, mas bicho, as paredes eram duras como pedra e, de alguma forma, absorviam o calor de fora, deixando uma temperatura fresca e agradável dentro do castelo. Já foi um bom começo para entender como seria o Irã…

Continue reading “Irã – No caminho de Yazd, paramos em Meyboud”

De Brasília até o Irã: três conexões, 29 horas de viagem e muitas aventuras com uma galerinha do barulho aprontando altas confusões

Sabia que os voos não iriam ser moleza! São muitas horas de viagem. Mas quando a viagem já começa a ter história antes mesmo de você chegar, é um bom sinal! Vamos lá, a saga até chegar no primeiro destino do Irã!

No primeiro voo, do meu lado, um cara de batina!

Aconteceu algo inusitado no meu voo de Brasília para Lisboa. Do meu lado foi sentado um padre. De batina e tudo. Era europeu e vivia no Brasil há mais de 14 anos. Fiquei conversando com ele quase umas duas horas e ele foi me contando o trabalho que fazia de proteção a famílias que foram expulsas de suas casas devido aos bandidos locais. Ele trabalhava para protegê-las e até mesmo acolhia algumas em sua casa. Atormentava ao máximo ministros, juízes, qualquer autoridade possível para pedir ajuda a essas centenas de famílias! Dizia que devido a isso, mandaram a seu whatsapp fotos da porta da sua casa e de sua paróquia, o ameaçando de morte. Na hora lembrei da missionária católica americana Dorothy Stang que foi assassinada no interior do Pará devido ao seu trabalho de proteção de trabalhadores rurais expulsos de suas terras pela grilagem.

Porém, o que mais me impressionou foi que, mesmo sendo ameaçado de morte, mesmo com os bandidos mandando fotos de pessoas esquartejadas (para o padre ver o que acontece com quem se opõe a eles), mesmo com medo, ele não transmitia sensação alguma de ódio, sequer de raiva. As suas palavras eram de paz, eram de pena, era a preocupação de como salvá-los da vida transgressora. Isso é muito doido, ainda mais lembrando que hoje em dia você quer matar alguém só porque pensa diferente de você e ele ali, tendo compaixão de seus carrascos. Continue reading “De Brasília até o Irã: três conexões, 29 horas de viagem e muitas aventuras com uma galerinha do barulho aprontando altas confusões”

Promoção do Ebook “O mundo numa mochila” na Amazon por R$ 2,10

Prezados,

Devido ao Black Friday, a Amazon está com promoção de ebooks e o meu está entre os selecionados. O preço baixou de R$ 10,oo para R$ 2,10, portanto uma ótima oportunidade para quem não adquiriu ainda.

https://www.amazon.com.br/mundo-numa-mochila-Presepadas-mochileiro-ebook/dp/B00MX1QAQM/ref=sr_1_1?s=digital-text&ie=UTF8&qid=1479841117&sr=1-1&keywords=claudiomar

Se ainda não tem conhecimento, segue o prefácio:

“Era para ser apenas mais uma viagem de intercâmbio. Acreditou que a vida seria fácil, mas vivenciou todas a dificuldade e agruras de um imigrante em um país estranho. Lavou carros sob os gritos da máfia eslovena, viu sangue jorrar de suas mãos em uma cozinha de de beira de esquina, descarregou sofás em armazéns, lavou pratos, caminhou kms com mais de 10 kgs de panfletos nas costas, fez entregas, carregou placas de gesso com brutamontes ensandecidos, descarregou carretas e carretas, se desesperou devido ao aluguel e até pulou de janelas à la Seu Madruga para fugir do pagamento… Tudo em um espaço de seis meses. As presepadas, que suplantaram em muito suas pequenas vitórias, são narradas com um humor ácido próprio, com o desespero de um jovem de 21 anos, sozinho, a 13 horas de distância de qualquer conhecido e que se apegava às palavras para esquecer os problemas de uma realidade que lhe levou a viver, literalmente, um dia de cada vez. Apanhou, sofreu, quase foi preso algumas vezes, curtiu, riu, e, acima de tudo, teve uma experiência de vida inesquecível. Coloque o seu mundo também em uma mochila!”

Agora corre que a promoção só vai até o dia 29 de novembro!!!

Se adquirir o livro na Amazon, não deixa de fazer uma avaliação bacana lá na Amazon para dar uma força! Leva menos de um minuto!

Caso tenha interesse em obtê-lo impresso, pode falar diretamente comigo no claudiounb@gmail.com que conversamos sobre o envio.