Museu das Malvinas – Buenos Aires

Esse Museu Espacio Memoria y Derechos Humanos é um complexo imenso com vários prédios, porém só alguns estão abertos a visitação. Dentro de um desses prédios, funciona o Museu das Malvinas.

Cara, a história das Malvinas é basicamente a seguinte. Os espanhóis da região que hoje viria a ser a Argentina, montaram um assentamento em 1764 e fundaram uma cidade. Os ingleses montaram um assentamento mais ou menos à mesma época, mas depois abandonaram as ilhas. Lá havia um clima bem hostil, de forma que só espanhóis/argentinos ficaram por lá, ainda que os ingleses sempre tenham reivindicado a soberania sobre as ilhas. Em 1832 eles retomaram as ilhas Malvinas, as rebatizaram de Falkland mantendo o seu domínio até os dias atuais.

Até onde eu sabia da história de lá, em 1982, a Argentina vivia sob um governo militar extremamente impopular. Foi quando o ditador pensou “e se eu começasse uma guerra pelas Malvinas? Será se o pessoal não iria esquecer os seus problemas um pouco? ”. Então tentou retomar as ilhas a força dos britânicos. No começo até houve uma comoção nacional, mas no final a realidade foi mais forte. Os argentinos pegaram um bando de pobre coitado (dos 14.189 homens que foram lutar, 70% deles eram conscritos, ou seja, recrutas na faixa dos seus 18 e 19 anos, sem experiência alguma) e jogou lá para combater as tropas britânicas. É óbvio que eles levaram um pau e a ditadura até caiu depois disso.

Tudo bem. Eu aprendi essa história no colégio e sempre imaginei que essa história de Malvinas foi criada devido a um ditador maluco que precisava que a galera esquecesse do governo por uns dias. Que naaadaa, cara! Mano, essa questão das Malvinas tem sido uma questão forte da identificação argentina por séculos! Desde que a Inglaterra invadiu, no começo do século XIX, já rolou sequestro de avião para lá, resolução da ONU para devolução das Malvinas à Argentina, eles veneram o primeiro piloto que fez um voo por lá e coisas do tipo. Realmente não é o que eu imaginava!

f20170615_174002f20170616_153852(0)f20170616_170909f20170616_170916ffIMG_4400fIMG_4231fIMG_4236fIMG_4245IMG_4242IMG_4265IMG_4311IMG_4326IMG_4331IMG_4378IMG_4379IMG_4380

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
 
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
 
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
 
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Museu Espacio Memoria y Derechos Humanos, Museu da Ditadura, Buenos Aires e Tigres – Imperdíveis

Um lugar que todo mundo falava que era imperdível era visitarmos o Museu Espacio Memoria y Derechos Humanos. No local funcionava a Escola Superior de Mecânica da Armada – ESMA, uma unidade da Marinha da Argentina destinada à formação de suboficiais especialistas em mecânica e engenharia de navegação. Mas, na verdade, na parte da Escola destinada aos oficiais, funcionou um dos centros de tortura mais selvagens da Argentina. Os presos políticos eram levados para lá para serem torturados e interrogados e, acredita-se, 90% deles foram mortos. O passeio para esse museu é meio fora de mão com os conhecidos passeios de Buenos Aires, até porque, bem, um centro de tortura não iria funcionar no meio da cidade, né? Dá uns 30km do centro de Buenos Aires, mas é super de boa de chegar. Basta pegar um metrô até a estação de trem e de lá pegar o trem que vai até a estação Tigres. Chega super fácil.f20170617_120110

A entrada é franca e lá dentro também tem o museu das Malvinas, que vou explicar posteriormente.f20170617_135320

Assim que você entra, o clima já é bem pesado. Me senti mais ou menos com o clima quando visitei Auschwitz na Polônia.

Lá dentro você passa pelos locais onde a galera era presa, armazenada e torturada. Os prisioneiros passavam o dia encapuzados, sentados dentro de caixas minúsculas com meio metro de altura e com luzes ligadas o dia inteiro para que elas não tivessem noção do tempo, uma terrível tortura psicológica. “O tempo parecia ser eterno” – disse um dos sobreviventes dessa prisão. Lá dentro tinha até um local para onde eram levadas as prisioneiras grávidas quando estavam próximas a dar a luz. Eles faziam o parto, matavam a mãe e davam o filho para adoção. Sim, o negócio era feio mesmo. Inclusive as avós dessas crianças até hoje lutam para encontrar onde estão os seus netos que foram para orfanatos como órfãos e alguns deles não tem a mínima noção do fim que levou suas mães e que eles mesmo são parte da ditadura argentina. Cresceram apenas imaginando que foram abandonados no parto e não que nasceram em um centro de detenção do governo. 

IMG_4266
Avós e Mães da Praça de Maio

IMG_4387

No final, você passa pelo lugar onde as pessoas eram sedadas para serem encaminhadas aos famosos voos da morte. Basicamente eles sedavam a pessoa, as embarcavam, e depois arremessavam elas ainda vivas no meio do oceano. Uma parada super sinistra, até porque, assim, as famílias nunca poderiam ter acesso ao corpo e continuam sofrendo à busca de uma filha/o desaparecido.

No caminho para lá tava rolando um protesto e não nos deixaram pagar o tíquete, nós simplesmente fomos entrando. Beleza, o problema é que eu suava frio, já que já fui multado três vezes em três países diferentes devido a não andar com tíquete. Enfim, no final deu tudo certo e ainda fomos para um lugar chamado Tigres que era como a Veneza Argentina e de onde saem os barcos para o Uruguai. O lugar até que era bem bonito e resolvi colocar a foto no topo para ilustrar para deixar o tópico menos pesado. Abaixo, vão as fotos de Tigres.

IMG_4390IMG_4395IMG_4401IMG_4403IMG_4409IMG_4413IMG_4417IMG_4420

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.

 Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
 
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
 
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Visitando o Cemitério da Recoleta em Buenos Aires

Um dos passeios imperdíveis por Buenos Aires é visitar o cemitério da Recoleta. Ele foi fundado em 1822 e é um dos três cemitérios mais visitados do mundo. Lá estão enterrados 21 presidentes e 2 dos 5 prêmios Nobel argentinos. Lá também tem o famoso mausoléu de Evita Perón. Todo mundo fica falando desse mausoléu. Você chega lá achando que o mausoléu da mulher é uma pirâmide do Egito e nada mais é do que um lugar muito simples.

IMG_4375.JPG
O mausoléu da Evita é esse negocinho de nada

Quem é trouxa pode pagar um guia para fazer uma visita guiada, quem não é, pode ir em alguns horários predeterminados que tem guias de graça, pelo que entendi, pagos pelo governo municipal.ffIMG_4337.JPG

A guia explicou para a gente que como os imigrantes vinham para a Argentina sem quase nada na carteira, para eles fazia todo o sentido ter uma certa opulência no lugar onde seriam enterrados. Resumindo, ninguém queria a expressão “não ter onde cair morto” para si. Devido a isso, quem tinha um pouquinho de dinheiro, construía um mausoléu. Era um tema cultural e os melhores artistas da cidade eram convidados para construção dos cantinhos no cemitério. Depois da construção da casa, a construção do seu jazigo era a maior preocupação dos argentinos. Hoje em dia, não é mais possível criar mais espaços no cemitério e para ser enterrado lá, ou a sua família tem que já ter um espaço, ou você precisa comprar de alguém (desde que não seja um jazigo histórico), o que faz o cemitério ter hoje o metro quadrado mais caro de toda Buenos Aires. É um passeio super legal, apesar de não ser tão legal quanto o cemitério de Havana.

20170615_121605
Enterro de alguém bem importante do jornal Clarín que estava ocorrendo enquanto visitávamos o cemitério

f20170615_164024f20170616_120419fIMG_4201fIMG_4202fIMG_4203fIMG_4211fIMG_4225IMG_4338IMG_4355

IMG_4356
Mausoléu de um combatente da Irlanda que lutou pela independência da Argentina

IMG_4360

 

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
 
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
 
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
 
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Primeiro passo em Buenos Aires: Como trocar dinheiro?

Alugamos um Airbnb bem bacana e, depois de deixar nossas coisas, fomos fazer o mais importante em qualquer viagem, trocar dinheiro. Rapaz, quem disse que a gente trocava? Bicho, era um inferno achar uma casa de câmbio em Buenos Aires. Faça um exercício, se você mora em uma cidade grande, tente imaginar onde há uma casa de câmbio. Não sabe? Nem eu em Brasília. Também não sabíamos em Buenos Aires. Anda daqui, anda de lá, anda de cá, depois de duas horas conseguimos achar uma casa de câmbio dentro de um shopping com uma cotação terrível.

Beleza, depois que trocamos dinheiro que fomos ver como Buenos Aires é uma cidade caríssima. Na verdade, pesquisando pela internet, vi que a moeda argentina é uma das mais valorizadas artificialmente da América do Sul. Tá doido, nosso dinheiro não valia quase nada lá. Uma garrafa d´água de 1,5L DENTRO DO SUPERMERCADO era 6 reais. Uma lata de coca em um restaurante barato, 12 reais. No final acabamos trocando, com um câmbio um pouco mais favorável, em um tio que tinha uma alfaiataria, de nada, dentro de uma galeria. Começamos trocando 100 reais com ele, depois 200, depois 500. O véi sempre tinha dinheiro. Queria chegar lá com 100.000 reais que era capaz de ele trazer em um carrinho de mão.

20170615_161601
Casa Rosada, principal ponto turístico de Buenos Aires
f20170615_200734
El Ateneo, Livraria DENTRO de um teatro!

f20170615_200930f20170615_201108fIMG_4246IMG_4207IMG_4253IMG_4285

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
 
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
 
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
 
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Viajando por Buenos Aires

Chegamos a Buenos Aires devido a uma promoção da TAM por meio de um voo direto de Brasília. Horário bacana, saindo tarde da noite de Brasília e voltando alguns dias cedo da manhã em Brasília. Dependendo de como você anda cheio da grana, dá para passar até um fim de semana por lá. Para fechar tudo, conseguimos um ótimo apartamento pelo Airbnb no bairro da Recoleta (o qual vou explicar com mais detalhes posteriormente)

Ao chegar em Buenos Aires, minha primeira preocupação foi de como sair do aeroporto, já que os taxistas têm fama de serem bem desonestos (mais até que o normal) e, além de te roubarem na corrida, costumam te dar notas falsas. Isso se resolveu com o proprietário do apartamento marcando com um taxista para nos buscar que cobrou o mesmo preço que seria se pegássemos um táxi pelo aeroporto, 630 pesos (algo como uns 140 reais. Vai se acostumando que as coisas por lá são bem caras).

COMO É BUENOS AIRES

Buenos aires é a principal cidade da Argentina. Centro político e econômico do país. Uma das primeiras coisas que me impressionou quando cheguei à cidade é que, cara, achei a cidade MUITO parecida com Nova York. Os prédios de concreto, altos, delimitando as ruas me fizeram lembrar muito Manhattan. Porém, eu já esperava isso. Ao contrário das cidades brasileiras que tiveram um desenvolvimento recente e foram sendo construídas de qualquer jeito, Buenos Aires por um bom tempo foi uma cidade bastante rica. Na verdade, no começo do século XX, a Argentina era um dos países mais ricos do planeta, com uma renda per capita maior que a Alemanha, por exemplo. Existe uma frase célebre que é atribuída a Simon Kuznets onde se dizia que em matéria de desenvolvimento existem quatro tipos de países, os que se desenvolveram, os que não se desenvolveram, o Japão e a Argentina. Isso reflete o tanto que os Hermanos eram ricos no passado e o tanto que eles se estreparam no século anterior. Não vou entrar em detalhes de como ocorreu essa derrocada, mas isso serve bem para ilustrar o ocorrido.

Me fizeram um terrorismo danado de que lá estaria frio que só a moléstia, levei um aparato de roupa para sobreviver ao Alasca e quando cheguei tava tão frio quanto aqui em Brasília ¬¬

O bairro mais famoso de Buenos Aires com certeza é a Boca. É lá que fica o famoso Estádio La Bombonera do Boca Juniors. Você anda por lá e é tudo colorido. Depois que eu fui descobrir que é colorido porque a Boca era um bairro de imigrantes italianos e espanhóis que trabalhavam no porto. Daí eles aproveitavam os baldes de tinta que sobravam do porto e iam pintando as paredes com as cores que tinham. Uma hora ia de verde, outra de vermelho e por aí vai.

Tem um bairro super chique que vale a pena dar uma volta. Chama Puerto Madero e é um dos bairros mais novos de Buenos Aires. Antigamente era uma zona abandonada, com vários galpões abandonados. Eles simplesmente derrubaram tudo e fizeram um bairro super moderno. Nós alugamos um Airbnb em um bairro chamado Recoleta, um dos bairros mais centrais da cidade e que foi construído depois de um surto de febre amarela quando Buenos Aires foi praticamente mudada de lugar. É lá que fica um dos principais pontos turísticos da Argentina, o cemitério da Recoleta que eu vou explicar em um post posterior.

20170615_121425
Recoleta

20170615_125004

20170615_170636
Puerto Madero

IMG_4207IMG_4221IMG_4227IMG_4237IMG_4253IMG_4285IMG_4302IMG_4389

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
 
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
 
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
 
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

 

Bate e volta de Brasília – A apenas 85 km, um alambique para lá de interessante – Alambique Cambeba

Decidi investir um pouco de tempo pesquisando sobre atrações que podem ser encontradas próximas a Brasília. Viagens que possam ser realizadas em um fim de semana ou um bate e volta de domingo. E não é que Brasília tem um bando de lugar legal para ser visitado?

Pesquisando pela internet me chamou a atenção um alambique que se propunha a ser a “Toscana Brasileira”. Ele ficava em Alexânia, Goiás (cidade de localização estratégica por se situar quase que no meio do caminho entre Brasília e Goiânia, as duas maiores cidades do Cerrado Brasileiro) e se chamava Cambeba. Bem, alambique é um lugar onde se produz cachaça, né? Então, inicialmente pensei que fosse um lugar esculhambado e todo caindo aos pedaços.

Mas, não, esse é um alambique muito do metido a besta. Na verdade, é o tipo de lugar onde você esperaria que fosse uma vinícola italiana ou francesa. E não para por aí. Ainda havia um restaurante de comida refinada. E ainda havia um passeio guiado por entre as etapas de produção para que a gente pudesse entender como funciona a produção de cachaça no lugar.

PEGANDO A ESTRADA

Eu e Bruna saímos do Plano Piloto de Brasília em uma viagem que fui super tranquila. A pista é duplicada por todo o trajeto e os 85 km de Brasília levam entre uma hora e uma hora e meia, dependendo do quanto você gosta de chinelar. Eu como sou pé leve, levei uma hora e meia. É fácil chegar, o lugar é colado na Outlet Premium Brasília e não há necessidade de pagamento de pedágio.

Acabamos esquecendo que, assim, sei lá, talvez fosse uma boa ideia pesquisar sobre os melhores horários para se chegar por lá. Só marcamos o lugar do Alambique no Waze e fomos seguindo o GPS (se colocar “Alambique Cambeba” no GPS aparece fácil). Tivemos sorte, pois havia apenas duas visitas guiadas no dia (uma ao meio dia e a outra às 15h, parece que todo sábado e domingo. Tem que marcar antes, mas se você estiver sozinho ou em casal, dá para ir entrando nos passeios que já tão saindo. Sugiro ligar antes). Nós chegamos às 11h30. IMG_4048IMG_4047IMG_4050.JPG

BISTRÔ NO ALAMBIQUE

Como saímos de casa morrendo de fome, resolvemos pedir alguma coisa para comer enquanto aguardávamos a hora de começar o tour de meio dia. Acessamos o prédio e descobrimos que havia um bistrô lá dentro. Não, não é um restaurante, é um bistrô mesmo. Sentamos e pedimos algumas coisas para merendar.

No restaurant… digo, bistrô, há uma linda vistão do cerrado. Um vale onde muita gente diz que lembra a Toscana. Eu nunca fui nessa tal de Toscana que todo mundo fala, no máximo fui a Florença (para ler sobre a viagem a Florença, clique aqui), mas para mim a Toscana deve lembrar bastante o cerrado goiano. Vale uma visita inicial ao local só pelas mesinhas charmosas e o clima gostoso do lugar.

20170528_132909
Cardápio para que todos possam ter noção do preço
IMG_4009
É óbvio que, em um alambique, a gente iria ter que provar um drinque. Se pedir o drinque com vodca leva um espancamento sumário.

IMG_4010_phixr

IMG_4004
E não é que recebemos visita enquanto comíamos?

TOUR ETÍLICO – DANDO UMA VOLTA PELO ALAMBIQUE

Depois de um tempo comendo, foi dado início ao tour. Fomos recepcionados pelos engenheiro agrônomo do lugar cujo nome não guardei. Ele explicou que faz parte da oitava geração de produtores de cachaça e segue com a tradição da família. OITAVA GERAÇÃO! Eles já produziam cachaça há 200 anos!

A família inicialmente produzia cachaça no Ceará, mas há 15 anos mudou-se para essas bandas e escolheu Alexânia devido a sua localização estratégica.

O processo de produção era todo industrial e fomos convidados a visitar os diversos setores de produção.IMG_4020

IMG_4015
Passeio guiado por entre as caldeiras

IMG_4016IMG_4018IMG_4019

Depois de passar por todos os setores produtivos, vinha a parte mais interessante do alambique, a visita a adega subterrânea onde ficam os barris de carvalho. Sim, eles produzem toda a cachaça e posteriormente as armazenam em barris de carvalho por 3, 5, 7, 10, 12 anos! Cara, o negócio é legal demais! O cheiro também é muito legal.IMG_4045IMG_4022IMG_4026IMG_4033IMG_4037IMG_4038IMG_4041

Os barris são importados direto dos Estados Unidos. Isso não impede que pesquisas de envelhecimento de cachaça em madeiras tropicais estejam sendo desenvolvidas para que eles possam posteriormente envelhecê-las com madeiras brasileiras.

IMG_4036
Pesquisa sendo realizada em parceria com a Universidade Federal de Goiás

No final de um tour como esse, obviamente, todo mundo tem direito a fazer uma degustação da cachaça deles. Começando com a cachaça normal, depois elevando para as envelhecidas de 3, 5, 7 até a de 12 anos. Infelizmente eu não pude degustar todas, já que tava dirigindo (primeira dica, aquele seu amigo que não bebe vale ouro em um momento como esses).IMG_4051

Depois do tour, aproveitamos para ainda almoçar no local e, rapaz, essa história de bistrô faz uma comida boa, viu?20170528_131642

20170528_130737
Um dos usos a que foi dado a um barril já usado. Ficou legal essa caixa de som, diz aí?

VOLTA PARA CASA

Infelizmente, como estávamos apenas em dois e eu estava dirigindo, acabamos não ficamos muito por lá. Fiquei conversando com o pessoal lá do Alambique Cambeba e eles me disseram que acontece do pessoal alugar van de Brasília ou de Goiânia e passar o dia bebendo por lá. Diz que o pessoal volta se arrastando para a van distribuindo abraços e “eu te amo” para todo mundo.

20170528_135901
Na volta ainda dá para dar uma volta na Outlet Premium, apesar de eu não ter achado lá muita vantagem os preços

Saindo do alambique pensei como a gente às vezes é besta e não dá valor ao que é produzido no Brasil. Como falei, quando fui visitar, nunca imaginei que um alambique pudesse ser tão fino. A produção dos caras é realmente bem refinada e mais de 90% da produção deles é exportada. Conceitos e preconceitos que caíram durante uma visita.

Realmente fiquei com essa ideia de voltar lá novamente, porém dessa vez com algum corno dirigindo para poder passar a tarde lá tomando os drinques e chopp, porque, mano, vai por mim. O lugar é MUITO agradável. O melhor dia para se fazer isso é sábado, já que eles abrem de tarde e de noite e você pode ir ficando, só a cozinha que fecha e as meninas dos drinques dão uma parada, mas o chopp é servido o tempo inteiro.

Ainda volto lá para ficar naquelas mesinhas tomando uma cachaça chique, chopp de qualidade e vendo o sol se por atrás daquele cerradão.

Toscana o caramba, sou mais o Cambeba!

Dados sobre o lugar:

Alambique Cambéba (clique no nome para visitar o site)

BR 060 – Km 21, Serra do Ouro, Fazenda Brioso, Alexânia, Goiás.

Telefone: (62) 3336-2220 (61) 9981-5868

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

10 verdades e uma mentira

Entrando na brincadeira de 10 verdades e 1 mentira. Vamos ver se alguém consegue acertar a mentira 🙂

1.Brincando com leões na África do Sul tive pedaços de pele e carne arrancados do braço e das mãoes

2.Em Barcelona, uma russa me trocou por um espanhol só porque ele era mais legal, mais bonito, mais alto e mais gente boa que eu. Eles deram perdido na galera e, como não queria estragar minha noite, entrei em uma balada aleatória. Acabei escolhendo justamente a que eles estavam. Foi demais para meu coração. Como bom corno, afoguei minhas mágoas bebendo cachaça 51 ao custo de 5 euros a dose. Terminei a noite conversando com uma prostituta ganesa e seu atravessador indiano tentando os convencer a visitar o Brasil.

3.Assisti a uma final da Eurocopa em um posto militar no Vietnã com soldados se apoiando nos seus rifles AK-47 por não ter conseguido achar um bar em Ho Chi Minh.

4.Viajando, já trabalhei como lavador de carros, descarregador de caminhão, lavador de prato, assistente de cozinha, vigia de hotel, vendedor de cerveja em estádio e sonhava em ser limpador de uma peixaria perto da minha casa. Em um desses, o dono era um mafioso que fugiu da Eslovênia com dinheiro da máfia.

5.Tenho medo de viajar de avião.

6.Uma das coisas mais assustadoras que já fiz foi pular de bungee jumping na Nova Zelândia.

7.Na Austrália, já pulei pela janela, à la Seu Madruga, para não pagar o aluguel quando o Seu Barriga, digo, o dono do apt., chegou para me cobrar.

8.No mundo inteiro, nunca encontrei uma cidade tão bonita quanto o Rio de Janeiro. O lugar mais horrível que já viajei foi a Guiana. Os lugares que mais tenho vontade viajar hoje são Zanzibar, Bósnia, Uzbequistão, Turcomenistão e Rússia.

9.Quase saí na porrada, às margens do rio Ganges, na cidade mais sagrada da Índia por conta de R$ 1,50.

10.Uma vez achei que ia ter problemas ao ser confundido com um espião em uma passeata do Hezbollah na Palestina. Depois descobri que não tinha nada de Hezbollah, o povo na rua só comemorava o aniversário de Yasser Arafat.

11.A Coreia do Norte foi o país onde mais bebi cerveja na vida.

P.s: Originalmente postado na página do facebook do blog em http://www.facebook.com/omundonumamochila. A foto foi tirada na Jordânia

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

 

Capoeira pelo mundo. Capoeira na Romênia

Continuando o trabalho de documentação dos capoeiras espalhados pelo mundo, entrei em contato com um capoeira que dava aulas em Bucareste. Ele se chamava Minhoca e marcamos um horário na academia dele.

Chequei lá e comecei a ouvir a sua história. Como grande parte dos primeiros capoeiristas que, durante a década de 70, chegaram à  Europa, ele também chegou: por meio de companhias de acrobratas que contratavam capoieras para fazer shows devido ao exotismo daquela arte marcial tão singular, que mistura floreios, dança, ritmo e música. Diz ele que um dia estava jogando em Goiás Velho, cidade do interior e que já foi capital de Goiás (quem nunca visitou, vá, lá é bonito demais), quando alguns caras de uma dessas companhias viram ele jogando e fizeram uma proposta a ele de seguir para a Bulgária.

No começo da história do Minhoca já há algumas particularidades. Primeiro que os caras costumavam contratar os capoeiras de cidades grandes, haja vista que é mais fácil ter acesso aos grupos e também às cidades e segundo que eles preferiam os capoeiras de aspecto bem negro, devido ao exotismo. Minhoca é branco, mas ainda assim resolveram o contratar devido ao seu forte carisma, que encantou os caras. Ele me disse que teve sorte, que os caras faziam audiências com capoeiras do Brasil inteiros e pouco passavam, mas ele foi escolhido no dedo, pois o bicho também já tinha sua competência, tinha 17 anos de capoeira. Em pouco tempo Minhoca tava no meio da Bulgária.

Chegou lá sem saber falar uma palavra de inglês, russo, búlgaro, língua do P ou qualquer coisa que não português. Porém, já tinha na cabeça que não queria mais voltar ao Brasil e começou a estudar forte o inglês, que pegou bem rápido. Também ficou craque em show com fogos.

Depois de um tempo, o contrato dele começou a ser finalizado e um investidor romeno ofereceu uma proposta para ele. Juntar o talento do Minhoca com os recursos financeiros do cara para assim abrirem uma academia de Capoeira em Bucareste. Como Minhoca não tinha muito a perder, levou berimbau e cuia para Bucareste. Chegou lá, o cara simplesmente sumiu. Tomou um cano. Por meio de amizades que havia feito, conseguiu alugar um apartamento e começou a dar aula em uma academia de Bucareste.

Como eu parece ser uma constante nas histórias dos Capoeiras que conheci viajando, o começo foi difícil, tratado a pão com ovo, literalmente. Porém, depois de um tempo, ele conseguiu enfim abrir a sua academia. E, sei lá, começar a comer pão com carne. Também teve a sorte de conhecer um produtor de uma cantora super famosa na Romênia, que o convidou para participar de um videoclipe dela. Depois de aparecer no videoclipe ele explodiu. Hoje o trabalho do Minhoca está disseminado por academias em quatro lugares da Europa: Bucareste, Treviso (Itália) e duas cidades da Moldávia. Ele conta com quase 200 alunos. Trabalha forte disseminando a cultura brasileira e a nossa língua, já que seus alunos de mais tempo tem aulas em português, o que acabam por começar a falar português também.

Conversando com o Minhoca eu via a paixão em tudo que ele falava e descrevia sobre o trabalho dele “Claudiomar, você tá aqui dentro do meu sonho”, ele me falava apontando para a Academia dele. Como bom Capoeira, Minhoca trabalha com a disseminação da cultura e da lingua e tem ideia de fazer um centro cultural brasileiro em sua academia. Tem uns projetos sociais também de Capoeira com crianças ciganas visando a auto-afirmação delas, que sofrem bastante preconceito na Romênia.

Histórias da Capoeira. Histórias do Brasil.

P.s: Abaixo, fotos aleatórias da Romênia

20161026_11192720161025_14032520161025_14051820161026_12342120161025_14132720161025_17182420161026_13061820161025_18115720161026_15404820161026_154301

20161027_175646
A caminho da academia de capoeira do professor Minhoca

20161027_17570020161027_18383720161028_14294820161028_14315120161028_14491020161028_17422920161028_175513

20161028_183747
Se liga no que eu achei na geladeira do albergue

20161029_12171120161029_125247

20161029_131643
Isso sim é uma refeição balanceada
Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Romênia, o país do conde Drácula e o quanto eles lucram com isso hoje!

Para quem não sabe, Transilvânia é uma região da Romênia. Lá viveu o simpático rapaz que o escritor Bram Stocker se inspirou para criar o conde Drácula.

Assim como o Cazaquistão lucrou com bastante em ter sido escolhido aleatoriamente como o país do Borat (se você vive em outro mundo e não sabe quem é o personagem Borat, clique aqui https://pt.wikipedia.org/wiki/Borat), a Romênia o fez com o Drácula. Para começar, Bram Stocker não era romeno, era irlandês e, veja você, NUNCA visitou a Europa Oriental. Ele já escrevia contos sobrenaturais e teve a primeira inspiração em escrever algo sobre vampiros durante uma pescaria em Yorkshire.

Não há um consenso de porquê Bram Stocker escolheu a Romênia para ambientar o seu mais famoso livro de terror (e um dos livros mais vendidos da história). Uns dizem que foi porque ele tinha amigos romenos. Outros dizem que ele teve contato com ciganos que narravam as histórias de crueldade do Príncipe da Valáquia (outra região da Romênia). Outros que ele quis escolher uma região mística, longínqua, desconhecida dos Britânicos (mais ou menos como a gente que quando quer falar alguma coisa muito doida fala “rapaz, mas isso aconteceu lá na Cochinchina, região que existe de fato e fica abaixo da China) e assim resolveu o ambientar na Transilvânia.

Não há o consenso. Continuar lendo “Romênia, o país do conde Drácula e o quanto eles lucram com isso hoje!”

Nicolae Ceaușescu, política de descontrole populacional romeno e seu parlamento

Como todo país da Europa Oriental, a Romênia também teve o seu malvado favorito: Nicolae Ceaușescu.

Só para vocês terem noção de como era o figura, certo dia acordou de manhã e teve um pensamento que julgou fenomenal. Pensou: “- Bem, todos os países mais poderosos do mundo (Rússia, Estados Unidos, China…) o são porque têm grandes populações. Então, quem sabe se eu não conseguir aumentar a população da Romênia, se a Romênia também não vira uma potência? ”.

Sim, baseado nessa lógica bovina e binária, Ceaușescu resolveu que todo mundo na Romênia teria que ter vários filhos. Foram proibidos os abortos, camisinhas, métodos contraceptivos e todo mundo que tivesse filho ganhava um bônus do Estado por cada rebento. Se você fosse adulto e ainda não tivesse filhos teria descontado parte do seu salário sobre o pretexto de que não estava lutando pela nação assim como todo mundo (imagina, você chega na mina e fala “E aí, vamos trabalhar pelo país? Bom que a gente perde o desconto no salário! ” Já era uma, né?)

E assim a Romênia teve um boom em sua população que, obviamente, a empobreceu ainda mais.

Além dessa genialidade, Ceaușescu também teve outra ideia genial. Um dia foi visitar um dos seus melhores amigos, o ditador Kim Jong Ill da Coréia do Norte (sim, o cara só tinha amigo bacana) e vendo alguns dos projetos megalomaníacos que os Kims adoravam fazer (maior torre de mármore do mundo, maior estádio do mundo, maior apresentação coreografada do mundo… se quiser saber mais sobre os projetos malucos da Coreia do Norte, confira meu post sobre a Coreia do Norte clicando aqui), ele pensou “Rapaz, vou fazer o maior parlamento do mundo!” e lá se danou tio Ceaușescu a construir uma baita estrutura no meio de Bucareste. A ideia é que todos os órgãos governamentais pudessem se concentrar em apenas um prédio (hoje só o Parlamento e a Primeira Corte ficam por lá). Dois andares inclusive poderiam ser usados como abrigos antibombas. Gente para levantar as paredes não devia faltar, já que os romenos começaram a proliferar como coelhos depois da política baby boom romena! Continuar lendo “Nicolae Ceaușescu, política de descontrole populacional romeno e seu parlamento”