Budapeste

Obs: Como no post passado não deu pra eu postar imagens (já que não as havia salvo no Pen Drive), esse post vai vir com um “pouquinho” a mais de fotos… 😛
Cara, Budapeste é uma cidade impressionante. Desde o primeiro dia até o último a cidade vai lhe encantando. Até hoje nutro o desejo de voltar lá pelo menos uma outra vez.

Plaquinha em amigável frente ao túnel (Tradução: O ar do túnel é poluído! Passagem de pedestres não é recomendada!). Sim, eu o atravessei e sobrevivi!! Sou invencível!

Fiquei em um couch de uma húngara que sabia falar português e era apaixonada pelo Brasil. Ela havia passado um ano por aqui por um intercâmbio do Rotary Club e foi super gente boa comigo, ficando mais do que agradecida quando a presenteie com alguns discos de MPB que eu ainda tinha comigo.

As duas principais “atrações”, se é que podemos dizer assim, pra mim em Budapeste foram o Parlamento Húngaro e o Castelo de Buda.

O Parlamento Húngaro é hoje o segundo maior Parlamento europeu e segundo eu li em alguns lugares, o maior edifício da Hungria (o que eu acho que é lenda, porque até São Luís, que não pode ter prédios altos por causa de uma legislação local, tem prédios de mais de 10 andares. Não é possível que na Hungria inteira não tenha algo maior que isso). Em frente ao Parlamento Húngaro há também uma homenagem aos mártires húngaros que morreram durante a Revolução Húngara de 1956. Nessa singela homenagem, há uma placa explicitando um pouco da opinião dos húngaros acerca do comunismo. Vale a pena dar uma lidinha, pra quem sabe um pouquinho de inglês…

Falando em comunismo, em Budapeste também visitei um Museu do Genocídio, com alguns instrumentos de tortura dos tempos de Stálin, inclusive aquele velho banquinho que eu havia descrito quando escrevia sobre a Lituânia… Incrível como esses comunistas não tinham muita criatividade…

Além do Parlamento Húngaro, há também o Castelo de Buda. Como não expliquei no post passado, acho melhor explicar o porquê desse nome do castelo. O nome Budapeste provém de uma fusão de dois nomes diferentes, Buda e Peste, que eram duas cidades separadas. No século XIX, elas duas se fundiram e deram origem hoje à cidade que leva o nome de Budapeste. O Castelo de Buda fica na parte onde era a cidade de Buda e por muitos séculos foi a residência oficial da realeza húngara.

Castelo de Buda


Saindo em Budapeste

Como nem tudo na vida de quem viaja são passeios históricos, era chegada a hora de sair. Na primeira noite, o Hugo (o francês que havia conhecido em Bratislava) havia chamado uma galera pra sair e tomar uma cerveja em algum pub da cidade. Detalhe, isso era SEGUNDA FEIRA. Eu fiquei meio que no receio, achava que ninguém ia aparecer. Que nada, brother!! Qual não foi a minha surpresa quando umas dez pessoas chegaram a passar por lá pra poder tomar uma cerveja com a gente.

Quando foi no outro dia, marcamos de sair com uma galera e fomos para uma baladinha que tocava salsa. Quando descobriram que eu era brasileiro, todo mundo ficou empolgado e ficou esperando que eu desse aquele show. Só esqueceram de contar para eles que a Salsa é uma dança que nasceu no Caribe, não no Brasil. Mas enfim, pra esse povo, Caribe, Argentina e América do Sul é tudo a mesma coisa. Lógico que eu não dei aquele show que estavam esperando, até porque eu aprendi a dançar salsa viajando, mas como não tinha nenhum expert na dança, acabou que eu saí como “o dançador de salsa” da noite. Engraçado eu dançando e a galera tentando seguir os meus passos…

Claudiomar, “o dançador de salsa” do Brasil…

Na outra noite fomos para um boteco encontrar com uma galera do couchsurfing de Budapeste. Tinha algumas mesas de totó e um som underground rolando que era bem legal. A única coisa que me chamou a atenção durante a balada foi que teve uma hora que eu tava tomando uma cerveja com um galera e senti uma coisa peluda roçando na minha perna. Isso dentro de uma balada. Fiquei meio curioso e quando fui ver era um CACHORRO (ou melhor, uma cachorra, como depois fui descobrir) debaixo da minha cadeira. Depois de um tempo observando que eu fui descobrir que ela era de um português que tava por lá. Rapaz, o cara gostava tanto dessa cachorra que andava com ela pra cima e pra baixo o dia inteiro. Pra onde ele ia, ele levava essa cachorra, nem que fosse pra uma balada. O bicho era gente boa demais e foi legal encontrar alguém pra poder falar um pouco de português.

No outro dia foi só arrumar as coisas e seguir de volta pra Viena.

Hungria

A Hungria é um país europeu situado na Europa Central e que faz fronteira com diversos países tais como Áustria, Eslováquia, Romênia, Ucrânia, Sérvia, Croácia e Eslovênia. Possui uma área de mais ou menos o tamanho do estado de Santa Catarina e uma população de 10 milhões de habitantes.

Durantes alguns anos, a Hungria foi um dos mais importantes e poderosos países europeus. Por um tempo compôs com a Áustria o gigantesco Império Austro-Húngaro e dominou grande parte da Europa Central e os Bálcãs. Mas, como nem todo mundo sempre faz escolhas certas, com a Hungria não poderia ser diferente. Duas guerras mundiais lutando do lado dos que foram posteriormente derrotados, fizeram com que um Império, que se extendia por toda a Europa, no final virasse um país do tamanho do Estado de Santa Catarina. Certa vez, conversando com um húngaro, quando viajava pela Tailândia, o bicho me falou que nunca tinha visto país tão azarado ou imbecil como a Hungria, já que todo país entra numa guerra pra sair melhor, só a Hungria que conseguia perder quase que 80% do território em menos de 40 anos.

Pois é. A Hungria foi do céu ao inferno depois das grandes guerras mundiais. De país imperialista com países satélites e coisas assim, a Hungria passou a país dominado e colônia de fato da União Soviética. Durante a dominação comunista, os húngaros puderam sentir o “sabor” de viver sobre o regime de Stálin e até tentaram lutar por alguma liberdade depois da morte do grande tirano, mas infelizmente foram massacrados. Depois de 1991, com o esfacelamento da União Soviética, tornou-se um país independente de fato e em 2004 ingressou formalmente na União Européia, apesar de ainda não possuir o Euro como moeda oficial.

Entre os húngaros ilustres que posso lembrar, acho que o mais famoso hoje em dia é o George Soros , mega-investidor (ou mega-especulador, como preferir) húngaro, voz atuante nos fóruns econômicos mundiais e a perfeita personificação do diabo para a esquerda. Além de Soros, é húngaro também o inventor da caneta esferográfica e o inventor do cubo mágico ou cubo de Rubik.

A Hungria durante o começo do século XX foi considerada uma potência no futebol em grande parte devido ao maior herói húngaro, o falecido jogador de futebol Ferenc Puskás, um dos melhores jogadores de futebol que já existiram. A Hungria detém o recorde de medalhas de ouro olímpico no futebol (Foi campeã três vezes: 1952, 1964 e 1968. O Brasil nunca ganhou uma medalha de ouro em Olimpíadas, bom lembrar) e o recorde das duas maiores goleadas em Copas do Mundo (10X0 sobre El Salvador e 9X0 sobre a Coréia do Sul). A Hungria é famosa também por ser uma potência no pólo aquático, Deus sabe porque, já que lá faz um frio miserável. Eu não sei quem é o louco que gosta de treinar em uma piscina por lá.

A sua capital é Budapeste e foi, sem sombra de dúvidas, a cidade mais bonita que eu visitei quando estive na Europa. Budapeste foi amor a primeira vista. Cara, como eu tinha prazer em ficar caminhando por aquelas ruas da cidade. Passei lá três dias e foram três saindo cedo de casa e só voltando a noite. Eu ficava passeando pela cidade sem fazer nada. Só admirando as suas vielas e as suas construções. Cara, que experiência agradável, viu? Até hoje nutro a vontade de voltar pra lá nem que seja pra poder só ficar zanzando de um lado pra outro novamente. Budapeste é também famosa devido à novela homônima de Chico Buarque, livro que até virou um filme. Se eu vi o filme? Vi sim! O que achei? Bem, acho que Chico Buarque compõe músicas muito bem. É o máximo que posso falar…