Dia a dia na Coréia do Norte – Como era o nosso

Algo que eu tenho certeza que atiça a curiosidade das pessoas é o de como nos sentíamos viajando pela Coréia. Como já disse, eles fazem o máximo para transparecer a você que há uma normalidade gigantesca na Coréia, o que acaba por infligir como nós mesmo nos sentimos.
Bem, uma das principais coisas que eu sentia falta era a de escolher a minha comida. Pô, dependendo do dia você quer comer uma coisa ou outra.  Como pagamos tudo incluso já, café, almoço e janta, a comida que nós vamos comer já é certa. O problema é que, apesar de haver uma certa variedade, não temos muita escolha do que comer naquele momento. No quinto dia que estive por lá, foi a primeira vez que podemos fazer uma escolha, pudemos escolher o sabor da pizza que íamos comer, pode parecer pouca coisa, mas é muito depois de uma semana sem escolha alguma. Outra coisa que eu sentia muita falta era de gelo, que eu adoro! Bebida pra mim, pode tá congelando, mas tem que ter gelo. O problema é que a água de lá, não sendo mineral, era bem pouco confiável, o gelo menos ainda. Uma semana sem gelo foi muito pra mim…
Essa tartaruga teve uma história engraçada. Um dos nossos amigos quis saber se era possível comprar uma e levar para cozinha em algum restaurante. Os caras falaram que sim. Ele ficou escolhendo uma por uma, olhou nos olhos de todas e no final escolheu a que achava mais bonitinha e levou para o quarto do hotel dele. Encheu a banheira, colocou uma rolha, deixou ela dois dias nadando na banheira, tomava banho com ela e tudo. No final ela acabou virando sopa. Esse cara era frio, ele praticamente comeu um grande amigo…
Diz a lenda coreana que o sangue da tartaruga tem poderes afrodisíacos. Antes de matá-la, eles cortam a cabeça, pegam o sangue que escorre e jogam no vinho e dão para a galera beber. Eu, lógico, não ia perder uma oportunidade dessas. Se bem que ficar tomando essas coisas afrodisíacas em um grupo com um bando de homens deixou todo mundo preocupado comigo…
Rolou também um churrasco para gente em um parque coreano. Esse aí de óculos é o David, o dono da agência de turismo, engraçado demais! Umas das coreanas veio perto dele e perguntou em inglês: “Amigos?”. Sabe o que ele respondeu? “Clientes! Cli-en-tes! Eu não gosto deles! Gosto apenas do dinheiro deles!”. Lógico que morremos de dar risada…

A GENTE NÃO QUER SÓ COMIDA, A GENTE QUER BEBIDA…

Apetitoso, não
Sim, eu comi carne de cachorro. Foi em uma sopa. A carne era meio borrachuda, mas não tão ruim quanto eu pensava
Sobre comida, apesar de não podermos escolher, a quantidade era sempre gigantesca. Eles botavam a gente pra comer que nem um bicho para que não pensássemos que o pais inteiro esta morrendo de fome. A Coréia do Norte tem uma história bem peculiar. Durante muitos anos eles foram mantidos artificialmente pela União Soviética, que vendia a eles petróleo bem abaixo do preço de mercado (e em qualquer economia, petróleo é a base da escala de produção). Eles realmente começaram a ter problemas depois que a União Soviética se desfez, pois a gasolina e outros produtos básicos a preços subsidiados simplesmente deixaram de ser fornecidos. Apenas imagine toda uma cadeia produtiva baseada em um tipo de matéria-prima barata tendo que se adaptar aos preços internacionais de petróleo. É lógico que a economia ruiu e milhões de norte-coreanos vieram a morrer de inanição.
Sim, fomos assistir a uma apresentação de golfinhos. Acredita?
Sendo observados com curiosidade no meio de um espetáculo

O tour era bem legal, com várias atrações, mas só tinha um problema. Cara, ele acaba colocando tanta coisa pra fazermos, que acaba que no final dormirmos bem pouco. Por três dias fomos tendo que ser acordados cada dia mais cedo. O dono da agencia brincava que a meta dele era no ultimo dia acordarmos cinco da manhã. Acabam que os programas ficam bem apertados e durante uma ou outra apresentação, a gente acabando desabando no sono, como ocorreu comigo. Teve uma apresentação de crianças SUPER da hora, mas eu acabei dormindo. Dormi tanto que um amigo me acordou porque disse que eu tava roncando e alto no meio da apresentação. Porra, havia acabado de chegar no Oriente, cara. Meu corpo ainda estava se acostumando com 11 horas de diferença de fuso. Dormindo pouco, ai é que caía no sono mesmo. Todo dia entre as quatro e cinco da tarde, dava um sono gigantesco, pois era o que seria quatro ou cinco horas da manhã no Brasil.

Versão coreana para Dona Flor e seus Dois Maridos
Depois de um tempo você se sentia mais como se estivesse trabalhando do que viajando em si. Isso acabava também por influenciar em nossa própria liberdade. A parte boa de viajar é você sair por aí, sem lenço nem documento, escolhendo o que ver e fazer em determinado momento. Isso na Coréia do Norte é inexistente. Sentimos a falta de liberdade também quando viajamos. Como somos vigiados o tempo inteiro, exploramos o que está a nosso alcance, ainda que vez o outra fosse o hotel, ou até mesmo ficássemos dando voltas dentro do bar ou de um restaurante. É engraçado como as vezes parecemos crianças. Sabe quando você é menino, tá em um restaurante com seus pais e você pede para ele para dar uma volta? Aí eles falam, pode, mas vai só até aquela mesa, não sai daqui de dentro? Pois é, a gente se sentia mais ou menos. Não raro você via gente do nosso grupo andando em círculos…
Vou falar com mais detalhes em um outro post, mas o dono da empresa de turismo que nos trouxe para Coréia do Norte também estava com a gente. O nome dele é David, ele é de Londres e é um cara incrivelmente gente boa. Ele geralmente acompanha os tours que a empresa dele organiza para ver se tá tudo certo e também transmitir um pouco de confiabilidade ao grupo. Apesar de tudo, com o passaporte retido, ele também era prisioneiro como nós.
No meio dos diversos lugares que fomos visitar, lógico, não podia faltar uma visita a “Escola das Crianças” de Kim Il Sung. Apesar de parecer ser algo legal, com um nome bonito, o que nos pareceu basicamente foi apenas uma fábrica para suprir a ânsia do culto a personalidade dos Kims. Lá crianças são treinadas desde a mais tenra idade para dançar, cantar, tocar algum instrumento… Posteriormente elas serão o corpo de frente de alguma apresentação a algum Kim e demonstrar a “superioridade do regime comunista coreano”.
Cara, isso era algo que me deixava agoniado, esse sorriso forçado que as crianças mantinham no rosto enquanto dançavam. Rapaz, era algo assustador, MUITO agoniante! Imagina que balé é um dança que causa muita dor, elas passam horas na ponta do pé. Imagina a dor que essa criança não tá sentido e sendo obrigada a sorrir desse jeito. Que agonia.
Sim, nós tocamos sanfona! TOCA GONZAGÃO!
Foto bacana para você sair no meio do mural da escola, né, amigão?
Versão coreana de South Park
Quem souber ler em inglês, vai dar risada
Sabe aqueles filmes de prisão onde os carcereiros selecionam um dentre os presos para ser o responsável pela intermediação? Pois é, esse era o David! Ele tinha algumas “regalias” que nós não, como poder sair sem o grupo para dar umas bandas por ai, negociar nos restaurantes, jogando os preços para baixo, basicamente tinha uma certa liberdade para trabalhar. Ele é o único estrangeiro que tem, veja você, um celular! Se nos morros o chefe do tráfico se diferencia dos outros soldadinhos por portar um AR-15, o símbolo de status do David era o celular! Ah sim, ele podia sair sem a gente, mas, claro, sempre com um guia a tiracolo. Ele dizia que era engraçado quando ele dava umas voltas e perguntava: – “Qual a especialidade deste restaurante? Massas, saladas, cartas de vinho?” e maioria das respostas era: – “Galinha!” ou “Carne!” ou “Porco!”. E quando a gente chegava no restaurante só tinha um tipo de prato mesmo. Como disse, essas era uma das poucas horas que, com perspicácia, podíamos quebrar a “bolha de normalidade” que eles tentavam nos deixar presos e nos lembrar que estávamos em um país tão pobre quanto o Congo.
Nas refeições não existe muito essa nossa cultura de bebermos sucos. Na verdade, não deve haver é disponibilidade de frutas a preços não exorbitantes! Por isso, no final, não bebemos muito sucos e, essa eu não sei porque, também não bebemos muito refrigerante! O que a gente bebe nas refeições? Cerveja!!! AAAHHHH!! Mermão, é no almoço, é no jantar, e quando voltamos pro hotel a noite para ao menos dar um soninho, né? Deus meu, como bebíamos cerveja lá. Toda refeição eles socavam cerveja na nossa goela. Depois de um tempo eu simplesmente começava a beber água mineral mesmo porque senão passava o dia com sono.
Como ficávamos o dia inteiro presos dentro dos ônibus para cima e para baixo, tentávamos de qualquer forma nos relacionar, ainda que a distância, dos populares que conseguíamos ver nas ruas. E como havia gente nas ruas!
A gente passava o dia inteiro sorrindo e acenando para as pessoas, principalmente crianças, e, como erámos novidade em um país prisão como aquele, todos ficavam felizes em acenar de volta para gente.
Tudo bem que a Coréia do Norte sofreu uma das maiores enchentes de sua história, mas sair para passear vestindo um colete salva-vidas já é pouco de precaução demais, né?
Todo mundo em fila esperando a hora de saudar as estátuas gigantescas dos Kims
Além disso, também batíamos fotos de toda e qualquer coisa. Queria ver a senha para todo mundo sair batendo foto? Era só o David ou um dos guias falar: “Gente, não batam foto neste local!”. Mas era só eles terminarem de falar essa frase para gente ouvir “Plec, plec, plec!”, as máquinas disparando! Me sentia às vezes meio estranho de saber que fazíamos algo como um safári com seres humanos, dentro de um ônibus lacrado por ar-condicionado, batíamos fotos de pessoas fazendo as coisas mais simples do cotidiano. Meio que um prazer sádico de saber como aquelas pessoas eram! Na verdade também me sentia as vezes como um animal dentro de um jaula, tamanha a curiosidade das pessoas em ficar nos observando quando passávamos por eles. Era como se presos dentro daquele ônibus, duas realidades diferentes encontravam-se separadas por um muro gigantesco.
Ás vezes pode ser meio estranho saber que está sendo fotografado, não?
Mais um nobre coreano contribuindo para a Revolução
Outra coisa estranha é que, apesar do que imaginávamos, havia turistas por TODOS os lados. Todos monumentos que chegávamos estavam lotados de ocidentais.  Alguns bem estranhos. Devia ser por causa das apresentações do Arirang…
Sapato legal você escolheu para vir para a Coréia do Norte, né amigo? Sem falar no calção de pijama!
Não nos era autorizado ter dinheiro norte-coreano. Até porque não precisávamos tanto, afinal, tudo já estava pago. Dinheiro mesmo só era necessário para comprar lembrancinhas. O que teoricamente não seria tanto dinheiro. Ênfase no “teoricamente”. Sim, cara, quando chegávamos nas lojinhas, parecíamos um bando de loucos querendo comprar tudo. Pombas, quanto vale um cartão postal, um biografia de Kim Jong Il, um cartaz de propaganda? Pior que não era caro! Erámos turistas, mas eles não enfiavam a faca na gente! Um cartaz conclamando as pessoas a guerra? 10 reais? Bicho, como diria aquela propaganda da Mastercard, aquilo “não tem preço”! O problema é que compra cartões postais, chaveiros, cartazes, camisas, uma hora ou outra o “não tem preço” começava a tornar-se bem carinho.Vamos comprar o país inteiro
A história desse guardinha foi bem engraçada. Todo lugar que íamos bater fotos, sempre havia um ou outro guardinha com a gente para “nossa segurança”. Acontece que esse, não sei porque, resolveu se mutucar no meio das árvores para nos “espionar”. Ih, rapaz, quando acharam esse cara, foi engraçado. Todo mundo ficou apontando para ele “olha um guardinha escondido na mata” e plec plec plec, todo mundo saiu batendo foto do coitado. Era engraçado que ele virava para um lado do árvore tentando se esconder, a gente virava, ele voltava, a gente voltava. Ficou aquele negócio, um cara se movendo e um turbilhão de gente se movendo ao mesmo tempo com ele. Parecia cena do desenho do Pica-Pau

Bem, mas se eu pudesse resumir em poucas palavras como foi a viagem por lá o que mais me incomodava, com a desculpa da redundância, era realmente o fato de ser um prisioneiro. De não poder ter o meu horário, de não decidir pra onde eu vou ou o que eu quero comer. Por um lado é mais fácil porque você não se preocupa com nada, por outro é MUITO chato porque nem toda hora você esta na vibe de sair, as vezes eu só quero ficar escrevendo no IPAD mas eu não posso. Não sei como as pessoas conseguem viajar de excursão, é muito chato.

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

3 comentários em “Dia a dia na Coréia do Norte – Como era o nosso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s