Mergulho e cenotes – México

O México tem um dos mais famosos pontos de mergulho no mundo: a Ilha de Cozumel. Costumava ser só uma ilha de pescadores, mas depois que Jacques Costeau visitou a ilha e fez um documentário sobre os seus recifes, ela virou um ponto de mergulho mundial. O mergulho é efetivamente bem bonito, apesar de eu não ter visto tanto peixe como em Arraial do Cabo e Los Roques. Na verdade, o snorkel que fiz em Akumal foi mais legal (caraca, vi quatro arraias e nove tartarugas!!!), mas a transparência da água em Cozumel impressiona.
Apenas uma dica que eu dou. Se você está indo a Cozumel, não pegue, DE FORMA ALGUMA, nenhum snorkel tour. Cara, eu sei que snorkel tour não é aquela maravilha, mas em Cozumel foi o mais próximo de inferno que eu pude presenciar na minha vida. É gente para todo lado, eles te deixam quase nada no lugar para snorkel e você quase não consegue ver os peixes, já que o barco e o bando de tias gordas os espanta.
Porém, existe outro tipo de mergulho no México que eu não conhecia e que eu sugiro a todo e qualquer ser humano ir, ainda que só snorkel: os Cenotes.

 

Coco Bongo em Cancún. Umas das melhores baladas do mundo
Acredita que no banheiro do albergue tinha uma banheira?
O mergulho dentro deles é mais ou menos como mergulhando dentro de uma caverna, porém  é interessante porque em vários momentos há infiltração de água salgada que quando se mistura com a água doce faz um efeito  na água, mais ou menos como se tudo ficasse embaçado do nada, além de que a água é muito limpa!
Mas o que mais me encantou no cenote, foi um mergulho que fizemos em um lugar chamado Angelita. Sabe o encontro do Rio Negro com Solimões? Onde você vê a água de dois rios bem separadas? Pois é, nessa caverna há um desses, porém a quarenta metros de profundidade. Nas fotos fica parecendo o chão, mas na verdade aquilo é uma nuvem dentro d´água. O instrutor falou para gente que iríamos descer todos juntos, ia ficar um pouco escuro, mas depois iríamos nos encontrar lá embaixo, pois a nuvem só tinha dois metros e abaixo dela era tudo límpido. Quando entrei na nuvem, foi aquele breu! Não consegui ver ninguém e comecei a ficar desesperado. Parecia que eu só descia e nada acontecia. Só quando chequei a minha profundidade, que vi que estava nadando na mesma altura sempre, tamanha a minha confusão e a falta de um referencial. Fiquei parado, fui descendo e quando vi tava todo mundo lá embaixo. Nunca tive tanto medo para descer dois metros.
Cenote
Entrada dos Cenotes

 

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
 
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
 
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
 
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s