Companheiros em Deli

<!–[if !mso]> st1\:*{behavior:url(#ieooui) } <![endif]–> <!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";} @page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:72.0pt 90.0pt 72.0pt 90.0pt; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;}

–>

Além de Avinash e sua família mais outros dois caras ficaram hospedados com a gente. Dois couchsurfers, um irlandês e um austríaco, acabaram ficando lá por casa. No começo eles pareceram ate ser gente boa, mas no final acabei não me dando muito bem com eles. Não que eu tenha brigado ou algo assim, mas acho que nossas personalidades apenas não era compatíveis.
Mike, o austríaco

O interessante dos dois é que eles eram dois nômades. Sim, nômades! Eles não tinham casa! A vida dos caras é viajar, viajar, viajar e ficar hospedados em casas pelo couchsurfing. Eles sao aquilo que eu acho de “neohippies”. Eles trabalham um pouco (geralmente ensinando alemão ou inglês) pelos lugares que passam, juntam uma grana e saem viajando. E vão desse jeito! Juntou grana, vai embora pra outro país. A grana encurtou? Ou volta pra Europa pra trabalhar ou começa a dar aula no pais em que se encontra. Junta grana, vai embora… E assim vão indo! Achei isso muito interessante! Imagina que vida louca, cara? Sério, depois eu fiquei pensando, se der algo errado na minha vida, meu plano B vai ser esse! E o pior que eles nem foram os primeiros nômades que conheci.
Tecla PAUSE
Pra quem leu a matéria do Imparcial que falava sobre a minha viagem, eu cheguei a falar do primeiro neohippie que conheci na vida. Um dia eu tava em Brasília na internet e alguém mandou uma mensagem pro yahoogroups do couchsurfing de Brasília falando que tinha um cara, Daniel, que precisava de um lugar pra ficar. Na mesma hora ofereci o meu apartamento e três horas depois o figura tava lá em casa. Quando fui falar com ele, perguntei quanto tempo ele queria ficar. Ele só respondeu:
– Ué, o máximo que puder!
Rapaz, na hora eu ri demais, cara! Falei pro bicho que ele podia ficar lá em casa o tempo que quisesse. E o cara foi ficando, ficando, ficando… Ele era nômade também que nem os figuras acima. O cara ficou quase um mês e meio lá em casa até que um dia ele encheu o saco de Brasília (e até agüentou muito, bicho! Um mês e meio e não encher o saco de Brasília, o cara tem que ser herói!) e foi embora pra Bolívia. Simples assim. Pirei tanto com essa experiência que acabei metendo o pé no mundo também! O Dani foi um dos caras que inspiraram essa minha viagem inclusive.
Tecla PLAY
O que era mais interessante era que os dois, por estarem há algum tempo na Índia, já estavam mais do que acostumados às particularidades da cultura indiana, leia-se, comer com as mãos.
Sim, gente, aquela parada que falam pra gente sobre os indianos, comer com a mão direita e “se limpar” com a mão esquerda realmente ainda existe. Só pra vocês terem uma idéia, em quase todos os banheiros que fui na Índia, ou pelo menos os que eu prestei atenção, há uma famigerada torneirinha próxima ao vaso sanitário. Os indianos geralmente não utilizam papel higiênico em si. Eles passam os dedos da mão esquerda no, digamos, “vão”, e depois limpam a mão na torneirinha!!! Pense nisso na próxima vez que oferecer a sua mão esquerda pra cumprimentar um indiano.
Cara, esse com certeza foi o maior choque cultural que tive na Índia. Sério, sou um cara super-sussa com diferenças culturais e sempre, no máximo possível, tento me adaptar à situação sem ser “aquele moleque chato do Ocidente”. Já “obrei” de cócoras por diversas vezes na Indonésia, comi gafanhoto na Tailândia e o caramba! Mas comer com as mãos é algo que me transcende, cara! Não dá mesmo! Alguns indianos chegavam até a ficar meio chateados quando a gente ia no restaurante e eu pedia pra alguém buscar uma colher pra mim, mas eu explicava:
– Cara, vocês quererem que eu coma com as mãos porque eu estou na Índia é o mesmo que eu querer que vocês comam picanha porque estão no Brasil. Não dá!
O irlandês em si era uma figura a parte! O cara andava com um porrete na mão! Sim, um porrete! Pra onde quer que ele fosse ele carregava aquele porrete dele. E era um senhor porrete, meu amigo! Depois de alguns dias, não agüentando mais de curiosidade, fui lá e perguntei pra ele:
– Oh, meu amigo! Pra que diabos você anda com esse porrete na mão pra cima e pra baixo?
– Porque eu gosto!
– Uai, mas só porque você gosta? Não tem outro motivo?
– Porque você anda com esse colar imenso no pescoço? – ele me perguntou
– Er.. hum.. é porque… Uai, é porque eu gosto de andar com ele.
– Sem mais perguntas – ele respondeu.
Sutil como um tanque de guerra numa descida esse menino.
Spyro e seu porrete…

22 comentários em “Companheiros em Deli

  1. Rapaz!Tu é um cara de sorte, viu! Viajar o mundo assim, bem “de boa” mesmo, igual vc tá fazendo realmente é para aqueles que têm sorte! Mto bom mesmo!Que engraçado… Eu estava a navegar sem maiores pretensões no orkut quando descobri o teu blog! Hahahahah! Que achado! Virei fã! Já li um monte de post e posso até dizer q já estou meio que viajando com vc! \o/ Adorei, ainda, o modo casual como escreve! Sabe ser conciso, o que prende a atenção dos seus leitores! Sugiro até que vc compile tudo isso em um livro quando acabar a viagem, sabia? Enfim,continue a nos passar suas incríveis impressões do mundo… !Quanto ao último post, admirei a sua autenticidade: come de colher até no lugar mais digamos, “avesso” a tal utensílio… hahahah! Parabéns pela aventura! Saudações brasilienses*!Mais e mais sorte pra ti,Vívian*Só não gostei de uma coisa que constatei em seus escritos… não gosta da minha terrinha!! É tão legal aki… vc inclusive se formou aki na UnB, não é isso?! Tente ser mais paliativo com a nossa capital, coitadinha… heheheh

    Curtir

  2. observe que o irlandês usa duas chinelas havaianas diferentesmuito foda o blog, adorei o post: divertido, conciso, com muita cultura e informação de uma forma agradável que só você tem o dom de escrever, parabéns!

    Curtir

  3. O gringo deve ser um ET e no porrete deve ter uma microcâmera que envia imagens da Terra para o planeta dele. Eles estão entre nós. Cuidado para ele não te abduzir.

    Curtir

  4. Oi Claudiomar,Finalmente saí da prisão depois de 2 anos sem férias, sem feriados, sem Natal, 1 dia de descanso p/ semana. Não acredita que tem mané que faz todo esse sacrífico não é? Você que é livre para voar por onde quiser…Acabei de chegar do trampo, e minha diversão é ler seus posts e fico viajando junto com vc. Agora é sério, é que amanhã irei pegar um avião até a França, Paris, depois vou pegar outro vôo até o Rio de Janeiro, vou ficar passeando em Parati, depois verei meus pais, que estão sentindo minha falta. Mas, depois de 1 mês na vida boa, vou voltar para prisão. Aqueles dois nômades, sem casa, vivendo o dia apenas, não me parecem felizes. Vc sim, tem pai, mãe e irmã emana felicidade por onde passa. Tens o espírito de aventura. Good Trip!

    Curtir

  5. Claudiomar senior!Não conhecemos seu filho, mas arrisco dizer que ele é um cara cabeça. Pelo menos tem uma das virtudes mais importantes para um mochileiro…O MEDO, rsss isso mesmo, ele tem medo e isso é primordial para sobreviver a uma viagem dessas.Continue na fé Claudiomar junior!!!AbraçãoOs aventureiros

    Curtir

  6. haha soh te corrigindo em uma coisinha claudiomar, eu nao sai da tua casa pq eu tava de saco cheio, sai sim pq o cara q eh formado em fisica q tem uma irma gostosa me expulsou, ahhahahaha(foi depois q convidei outro viajante pra pra passar uns dias “na nossa casa” hahahah)

    Curtir

  7. Claudiomar, seu blog é ótimo!Adorei! Também passei um tempo viajando pelo mundo, em circunstâncias diferentes…Só um comentário: o tal porrete do irlandês, na foto, é um taco de HURLING, um esporte tradicional gaélico. Ainda existem campeonatos nacionais disputadíssimos na Irlanda. Vai ver ocara carrega o taco por aí como um moleque brasileiro carregaria uma bola pra jogar pelada… De novo, adorei!

    Curtir

  8. Que medo desse porrete!! :S Eu n dormia descansada debaixo do mesmo teto desse louco e o seu porrete! :/Sou mais uma fã do teu blog, adoro, rio muito aqui a ler as tuas aventuras! Bjs** e boa sorte na viagem!

    Curtir

  9. Hello Clau, saudades cara!!!!mas sabe como é a vida, muito trabalho daí a gente some um pouco! agora vai levar um tempo pra atualizar sua viagem começando da frente pra trás!!!!!Mas cara pra sair da (possível)zica dos 19, esse vai ser o post 20 ehhhhhh!!!!Definitivamente comer com a mão e uma porqueira só heim, rola não fíi!super beijos da Cynthia do Goiás!!!!0

    Curtir

  10. e esse porrete? kkkkkkkkkkkk!!!m efez lembrar algo de infância onde eu tinha a mania de andar com um pedaço de pau na mão (por favor não pense bobagens eu era uma criança!!!!)muito engraçado!!!Cynthia

    Curtir

  11. Pow Claudiomar, moro na Irlanda e fikei sabendo desse teu blog numa comunidade do orkut de brasileiros que moram aki, gostei demais, quero fazer o mesmo e, pior d tudo, inda sou conterrâneo seu. rsssNo caso do porrete, ri q me acabei, soh p informar é usado num jogo irlandês q chama hearling. Dizem eles q esse jogo q deu origem ao hoquei no gelo.Boa sorte!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s