Orcha e sua “fauna” peculiar (parte 2)

<!– /* Font Definitions */ @font-face {font-family:"Comic Sans MS"; panose-1:3 15 7 2 3 3 2 2 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:script; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:647 0 0 0 159 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";} @page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:72.0pt 90.0pt 72.0pt 90.0pt; mso-header-margin:35.4pt; mso-footer-margin:35.4pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;}

ATENÇÃO! NÃO LEIA ESSE POST SE VOCÊ NÃO LEU O POST ANTERIOR “ORCHA E SUA FAUNA PECULIAR”. SE VOCÊ LER ESSE POST SEM LER O ANTERIOR NÃO VAI ENTENDER NADA E AINDA POR CIMA VAI PERDER TODA A GRAÇA DA HISTÓRIA.
Vista panorâmica dos palácios que rodeiam a cidade de Orcha

Mas então. Continuando a história. Quem matou qual era o bicho? Alguma sugestão?
Voltando ao ponto. O que era?
Assim que fui checar, no momento em que estava indo à direção ao dito cujo, a Samanta me chamou e eu virei de costas para olhá-la. Quando virei para frente de novo, o bicho tinha sumido. Fiquei ali, um pouquinho mais, tentando exercitar a minha criatividade e tentando entender que bicho seria aquele.
Quando menos espero. O que sai de trás do muro?
O King Kong? O monstro do Lago Ness? O Chupa-cabras?
Não!!! Ele!! O nosso indefectível GUIA!!
Mermão, quando eu olhei pra aquele cara, quando o olhei vindo em minha direção e arrumando as calças, me deu um nojo, mas um NOJO tão GRANDE, vocês nem imaginam. Não precisa dizer que ele não saiu com um rolo de papel higiênico na mão, né??
Atrás de uma dessas construções, que mais se parecem igrejas, estava o nosso guia se “evacuando”

Arf!! A Samanta meio que percebeu o estado de choque que eu fiquei quando sentamos nós três no táxi e fomos embora para o nosso hotel. Ela foi o tempo todo só me perguntando: Claudio, o que aconteceu? E eu só respondia que não era nada…
Ao chegarmos ao hotel, eu desci e fui buscar as malas. Quando eu volto, o esperado já estava acontecendo. Foi só eu chegar com as malas ao carro pra ver Samanta discutindo com o guia. Perguntei pra ela o que tava ocorrendo e qual não foi a minha surpresa: O espertinho tava pedindo 20 dólares pelo “tour”. Cara, depois de tanto, mas TANTO tempo sendo roubado na Índia, eu já nem esquentava mais com uma situação como essa.
Nosso guia em uma das construções

Eu, calmamente, virei pra ele e falei:
– Desce do táxi
– Mas e meus 20 dólares?
– Vinte dólares? Você não falou que estava fazendo aquilo de graça?
– Ah, mas eu fiquei o dia inteiro com vocês. Deixei serviço que eu deveria ter feito hoje por fazer e ainda por cima expliquei tudo acerca da cidade pra vocês
– Meu amigo, eu por diversas vezes lhe expliquei que não tinha dinheiro, eu, REALMENTE, não tenho e ninguém lhe pediu pra você vir com a gente. Pra falar a verdade eu por diversas vezes perguntei se não seria melhor você ficar por lá e não vir com a gente, já que parecia que tinha serviço por fazer.
– Mas…
– “Mas”, o caramba! Desce do carro.
– Mas…
– DESCE!!
– Mas…
– Taxista, se esse cara não descer desse táxi, eu vou acabar perdendo o trem que eu tenho marcado pra sair daqui a meia hora. Se eu perder esse trem por causa dele, eu não vou querer nem saber. Não vou te dar é nenhum tostão pelo dia inteiro de viagem. Pode chamar a polícia, fazer o que quiser.
Ah, meu amigo, mas tu quer fazer um taxista indiano se interessar pelo que você tá falando é falar que vai mexer no dinheiro dele. Meu amigo, eu vi o taxista pegar um pedaço de pau e dar no pescoço do guia. Não precisa dizer que não precisou nem dez segundos pra gente pegar caminho de volta à estação de trem em Jansi, né?
De Jansi era chegada a hora de seguir caminho de volta a Delhi.
P.s: Eu achando que eu ia criar um suspense muito grande acerca “de que bicho eu estava falando” e a Maricotinha foi lá e já acabou com a graça. Bicho, acho que umas duas horas depois ela já tinha postado o “bicho que era”! Arf, te odeio 🙂

5 comentários em “Orcha e sua “fauna” peculiar (parte 2)

  1. Claudiomar,Você não me odeia, e eu tenho certeza disso. Sou uma das leitoras mais participativas deste blog. E vc sabe que eu sou uma pessoa muito intuitiva e observadora, vide o post da foto do elefante com um único dente de marfim. Nem vem, rs! Porém, a minha intuição não foi completa, jamais poderia imaginar que o bicho cagão fosse o seu pedreiro-guia, hehehehe

    Curtir

  2. é mesmo, a Maricotinha não mereceu tal comentário! mas, vc. já sabia que o “guia-pedreiro” ia pedir dinheiro, você já devia ter despachado o cagão bem no começo, menos stress…

    Curtir

  3. <>Vista panorâmica dos palácios que rodeiam a cidade de Orcha.<> Caramba rapaz, que foto linda!!! Me dá até vontade de viajar à Índia, e aguentar a parcela larápia de seus habitantes só para ver isso ao vivo.E foi mal, mas tava na cara que era alguém cagando mesmo. Mas mesmo assim, ainda me espantei com o fato do cara ter aparecido depois, de calças levantadas e sem papel higiênico.Porra, imaginar estar em um taxi do lado de um indiano cagado e mal limpo?!?!?Tu és corajoso… Abraços <><>

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s