Viagem à Mauritânia

Nouakchott
Antes de viajar, conhecia muito pouco desse país. Na verdade, na verdade, apenas sabia do bizarro fato de que a Mauritânia foi o último país do mundo a oficialmente abolir a escravidão, há menos de quarenta anos atrás (o Brasil foi o último entre os países ocidentais em 1888).
Bem, não é por proibir alguma coisa que ela deixa de existir. A ONU estima que existam hoje por volta de 340 mil escravos na Mauritânia. A título de comparação, supõe-se que no Brasil existam 200.000 trabalhadores em regime análogo a escravidão, desde os bolivianos trabalhando em oficinas têxteis subterrâneas em São Paulo aos agricultores esquecidos no interior do Pará e Amazonas. Porém estamos falando de um país com 200 milhões de habitantes de dimensões continentais, enquanto a Mauritânia tem menos de quatro milhões.
As mulheres também têm problemas no país. Apenas um terço delas são alfabetizadas e ainda ocorre a mutilação genital em zonas rurais. Homossexualismo não é só proibido como punido com pena de morte.
Países onde o homossexualismo é punido com pena de morte estão pintados em preto no mapa. Se liga na Mauritânia

Ademais, o autor do Pequeno Príncipe, Saint Exupéri, como piloto da Força Aérea da França, viajava bastante ao lugar. Nouakchott era um posto francês no Saara, deserto onde é ambientado o seu livro, àquela época.Na verdade, a Mauritânia tem uma história muito parecida com os dos países do Norte da África, como o Marrocos. Foi inicialmente colonizada pelos bérberes, depois pelos árabes e, por fim, pelos franceses. Conseguiu independência e tem um histórico de ditadores se matando uns aos outros por meio de golpes. Hoje é um país majoritariamente islâmico e, em sua maioria, desértico.

Operário dando uma pausa no trabalho para realizar uma das cinco orações diárias dos muçulmanos

Não é permitido entrar no país com bebidas alcoolicas. Até cheguei a ver uma galera em fóruns de internet sugerindo que você esvasiasse garrafas de plástico de água mineral e colocassem gin ou cachaça dentro, que elas parecem água e você com certeza iria conseguir passar na imigração. Juro que fiquei pensando o tanto que o cidadão deve gostar de encher a cara para vir a fazer uma patacada dessas. O produto de exportação da Mauritânia é o ferro e o país basicamente vive de minerais e pescados.

Pôr do sol no Saara

Era um país que dificilmente eu iria visitar em um futuro próximo.

Acontece que um amigo meu diplomata, o Emanuelzinho, foi alocado por um tempo na Mauritânia. Ele me convidou a visitá-lo e eu, obviamente, topei.
Eu e o Manolo em uma praia próxima a Nouakchott
A gente a caminho da praia

Foi uma boa oportunidade, até porque segundo o site inglês foreign advice travel (algo como conselho acerca de viajar a um país), site que uso como base para saber a segurança de um lugar para onde estou viajando, metade da Mauritânia só deve ser visitada para viagem indispensáveis e não evitáveis e a outra metade em hipótese alguma.
Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s