VLADIVOSTOK, O QUE TEM LÁ? PROBLEMAS DE COMUNICAÇÃO JÁ NO ALBERGUE

Então, o que tem em Vladivostok? Cara, essa é a pergunta que todo mundo me fazia e a resposta é sempre muito semelhante. Cara, lá em Vladivostok tem prédio, carro, asfalto e gente. Ponto. Você me pergunta se tem algo que faça valer a pena cruzar de um ponto da Europa até o mais extremo da Ásia e eu só te respondo, que, bem, a graça é cruzar a Europa e a Ásia. Cara, só para você ter uma ideia do quão longe Vladivostok é, o voo direto de Moscou (que já é no fim da Europa) até lá tem duração de quase NOVE horas. O voo DIRETO! Sem escalas ou conexões. É quase um São Paulo – Nova York

A minha impressão de quanto mais você entra na Rússia, menos as pessoas falam inglês chegou ao seu auge em Vladivostok. Cara, lá sim, nem o cara do albergue falava inglês. Acabou que eu cheguei na cidade e tava um frio, UM FRIO da moléstia e eu não tinha me preparado para poder pegar temperaturas frias. Pô, eu tava viajando no verão, né? E lá fora fazia uns 10 graus.

Cheguei no albergue e, o mais engraçado, conforme eu falei, o dono do albergue não falava inglês. Google tradutor para cá, google tradutor para lá e acabou que a gente foi se resolvendo e ele me falou que de noite ele tinha contratado uma menina que falava inglês fluente. Blz, como eu tava precisando falar com QUALQUER SER HUMANO que seja naquela cidade para ao menos perguntar como pegar um ônibus ou onde tinha um supermercado, esperei ansiosamente essa menina chegar. Quando o dono do albergue foi embora e eu fui falar com a menina, ela sabia falar “Hello, Good Night, my name is Natasha” e só… Como o véi não sabia falar nem isso, a malandra passou a conversa nele com esse inglês de Duolingo e o cara acreditou.

No final, a ÚNICA pessoa que eu consegui me comunicar em inglês em todos os dias que eu fiquei em Vladivostok foi com a filha do dono do albergue. Ela tinha 11 anos e até falava um inglês bacana

Outra coisa que me chamou a atenção em Vladivostok foi que eu imaginava que, por ser uma cidade quase que do lado das Coreias (cara, dá uns 200km até a fronteira. Isso para a Rússia é uma padaria vizinha) lá a maioria da população ia ter contornos asiáticos e parecer mais com chineses, coreanos ou japoneses. Por incrível que pareça, não, a maioria da população lá era galega mesmo. Loiros como qualquer estereótipo de russo que possamos imaginar. Interessante isso.

cgdfgdfgsfdgfdddgfdgdfgsdgfsd

dfdgfdgfs
Enfim, o Pacífico

dfgdfgdfgdfgfdfgdfgdfgdfsgsdfdfgdfgfdgsdfgsdfgfdsdfgdsfgdfgdfgsdfdfgdsfgdfsgdfsdfgdsgfdgsdfdfgfdgfdgdfgsfddfgfdgfdgsdfgdfdfgsdfgdfsgdsfgfddfgsdfgdsfgfd

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

CHEGANDO A VLADIVOSTOK

– Você vai a Vladivostok só por causa do War?

Muita gente me perguntava isso meio que na brincadeira e achava estranho quando eu confirmava que sim.

Pode parecer besteira, e é. Na verdade, é estranho explicar o sentimento de ter chegado aqui. É um sentimento semelhante ao que tive ao visitar o Saara Ocidental, o Túmulo do Seu Madruga na Cidade do México, Pasárgada no Irã e Katmandu no Nepal. Por algum motivo ou outro esses lugares me fascinaram desde a época quando eu era criança, sem internet, e ficava rodando o Globo Terrestre que eu tinha em casa e pensando em quais lugares um dia eu iria viajar na vida, porém de todos, nenhum mais me fascinava que Vladivostok.

Acho que pelo nome engraçado, acho que por parecer ser nos cafundós do mundo (e é!), mas principalmente por causa do War. Vladivostok sempre foi o meu território favorito na Ásia e todo vez que eu jogava eu ficava pensando “Rapaz, um dia eu ainda vou nesse lugar… Será se o povo lá fica planejando como invadir o Alaska?” – era algo que atiçava a minha curiosidade.

Chegando aqui, uma chuva danada e só uma cidade normal. Porém, isso não é o importante, viajar para cá faz parte daquelas viagens em que a jornada é mais importante do que a chegada. Cruzei o mundo, literalmente, de cima a baixo, de oeste a leste para chegar onde nenhum maranhense sequer houvera pisado (ah, deve ter vários que vieram aqui, mas você entendeu…)

Enfim, feliz =)

(reflexão que postei no meu Facebook)

dfgdfgfdsgdf

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

VOLGOGRADO, A EX STALINGRADO – A DECEPÇÃO

Volgogrado se destaca entre as outras cidades russa por ter sido o palco da grande batalha de Stalingrado, a batalha que decidiu a Segunda Guerra Mundial e onde os soviéticos terminaram por derrotar os nazistas. A cidade foi palco de uma batalha feroz e foi uma batalha onde se disputou casa a casa. Viajei para lá mais porque sempre gostei de estudar história.

Quando ainda estava planejando minha viagem à cidade comecei a achar estranho que quase não havia hotéis por lá. Imagina que fosse uma cidade muito mais turística. Juntando com o que vi no aeroporto quando cheguei, as expectativas começaram a ir ao chão.

E foi isso mesmo. Até tem um museu lá sobre a guerra, com um bando de material e história sobre a batalha, porém achei algo bem mixuruca. Assim, era um museu até legalzinho. Mano, nós estamos falando da maior batalha da história da Rússia! Não de um quebra pau entre vizinhos. É óbvio que eu esperava um museu bem mais que um legalzinho.

Eu imaginava algo como o museu do Levante de Vasórvia (post sobre ele aqui), o museu da Guerra Irã-Iraque (post aqui) ou o museu sobre o Genocídio Armênio (post sobre ele aqui). Realmente fiquei muito decepcionado com o que encontrei

Se você me pergunta se vale a pena visitar Volgogrado? Cara, sinceramente, não. Gaste mais tempo em outras cidades mais importantes da Rússia.

7811109sdfdfdsfsdfsdfsdfdsfdsdsfdsfsd4643402321201716151312

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

VOLGOGRADO, A EX STALINGRADO

Qualquer pessoa que tenha concluído o Segundo Grau já ouviu falar da Batalha de Stalingrado, a batalha que mudou o curso da Segunda Guerra Mundial, a primeira derrota do invencível e indestrutível exército de Hitler que de lá foi descendo até Berlim debaixo de uma surra de pau.

Pois então, Volgogrado é onde ficava a cidade de Stalingrado. E “ficava” é o verbo correto, porque efetivamente não sobrou quase nada da cidade após a batalha, já que a coisa ficou tão feia que em determinado momento da batalha a coisa escalonou para uma guerra sangrenta em ambiente urbano onde, literalmente, a batalha era de casa por casa e às vezes até cômodo por cômodo.

Bem, se Moscou e São Petersburgo não foram a Rússia o qual eu esperava, Volgogrado foi EFETIVAMENTE a Rússia que eu esperava. Primeiro que a cidade parecia no meio de um deserto, já que as ruas eram avermelhadas e fazia um calor DOS INFERNOS. Cheguei a ver um termômetro marcando 41ºC na rua, aquele calorzinho de assar diabo. Mano, sério, quando a gente pensa na Rússia, pensa em um país frio e não em pegar um calor pior que em Teresina.

Desci no aeroporto e não tinha táxi no aplicativo de táxi, pegar táxi sem ser por aplicativo, fora de questão, prefiro ir andando. Vira daqui, vira de lá, fala daqui, fala de lá e, conforme já falei, como o melhor da Rússia é o russo, um e outro russo começaram a se aprochegar com o inglês que dava e começaram a tentar me ajudar. Meu celular tava com pouca bateria, mas ainda assim eu consegui mostrar para onde ia. Um cara com uniforme da empresa de ônibus falava inglês (!!!) e se ofereceu a ir comigo até uma estação central, descer comigo e só sair da estação quando eu já tivesse entrado no segundo ônibus em direção a minha pousada. Sim, gente boa desse nível.

Fomos indo e aquele calor dos infernos, ônibus sem ar-condicionado. Sei que chegamos à estação central, agradeci a ele e disse que de lá ia de táxi, não aguentava mais o calor. Ele disse que não, que ele só saía de lá quando eu tivesse encaminhado. Falei que iria pedir um táxi no aplicativo e ele falou que não, como eu tava com bateria fraca ELE IRIA PEDIR NO CELULAR DELE! Lembra quando eu disse que achava que todo russo era frio e mal-humorado? Pois é, depois que ele ligou o aplicativo de táxi e começou a chamar NO CELULAR DELE, me deu até vergonha de ter pensado isso dos russos. Sei que no chama daqui, chama de lá, passou o busão que me deixava em frente a minha pousada. Acabou que eu subi logo e segui viagem não sem antes o cara entrar e explicar pro motorista onde ele deveria me deixar!

O melhor da Rússia é o russo!

12346

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

CAZÃ – RÚSSIA

Cazã é a capital e maior cidade da República do Tartaristão, na Rússia é a sexta maior cidade do país. Esta república nem sempre fora parte da Rússia, sendo conquistada apenas em 1552 e ainda hoje possui um sentimento étnico do povo tártaro que vive sob o Império Russo.

Na cidade pude visitar o seu Museu de Arte Natural que achei bem interessante, além de que tinha um recurso onde você era filmado e projetado em uma tela com outros bichos pré-históricos, vê como fica legal:

1521

Assim como Volgogrado, ninguém lá falava muito inglês, e também não vi muita coisa que possa dizer “Nossa, que legal essa cidade, vá uma vez na vida para Cazã”. Os museus eram em sua maioria em russo e eu não vi muitos atrativos por lá. Tem umas mesquitas bacana, a fortaleza da cidade é legal, mas não se compara com Moscou ou St. Petersburg.

123468910232425272830333538394150

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

PERAMBULANDO POR MOSCOU – TÚMULO DE LÊNIN E OUTRAS ATRAÇÕES

Nos outros dias que tive em Moscou, aproveitei para visitar outras atrações. Fui para o mausoléu do Lenin onde ele se encontra embalsamado. Mano, é uma parada bacana, mas é meio irritante. Primeiro que só deixam entrar entre 10 da manhã e uma da tarde. Então, as nove e meia da manhã já tinha uma fila IMENSA (lembrem sobre viajar a turismo durante a Copa! EVITEM!). E outra, você pode ter ficado duas horas na fila, mas deu uma hora, eles põem a mão no peito e não entra mais ninguém! Além de que, como é no Kremlin, residência oficial do presidente russo, pode ocorrer de você ir em um dia e a visitação estar fechada, como ocorreu com um amigo meu. Ainda assim, vale muito a pena ir lá, pelo contexto histórico.

Lenin foi enterrado no Kremlin contra a sua própria vontade, ele, antes de morrer, pediu para ser enterrado do lado da sua mãe em St. Petersburgo. Porém, Stálin queria fazer de Lenin uma lenda, então mandou embalsama-lo e criou um mausoléu a ele. No mausoléu tem um jardim do lado de fora onde estão enterrados os principais heróis russos. O túmulo de Stálin, inclusive, era o que tinha mais flores. Vai entender. Trotsky que era para ser o sucessor de Lenin e o principal herói da Revolução Russa depois de Lenin não está enterrado lá. Ele está enterrado no México, onde foi assassinado a mando de Stálin.

Infelizmente não é permitido bater fotos e nem parar do lado do corpo do Lenin, você vai caminhando ainda que bem devagar. O clima é interessante porque lá é sombrio e ficam uns guardas com umas caras sinistras te observando. Eles ficam meio que nas sombras e você vê só aqueles olhos azuis te encarando! Me fizeram até tirar o boné antes de entrar!

Além do Mausoléu do Lenin, visitei um museu de máquinas de fliperama dos tempos da União Soviética. Na verdade, na verdade, não é um museu. Os caras meio que compraram um bando de fliperamas soviéticos e te deixam ficar lá jogando. São uns joguinhos meios toscos, de forma que nem curti muito.

Por último, tentei visitar um museu sobre os Gulags, campos de trabalhos forçados que tiveram seu apogeu sob Stálin, porém estava fechado para reforma. Sim, NO MEIO da Copa do Mundo. Timing é tudo.3132444559606261464733343548503637515253554140384256574368

69
Mano, por todo canto tinha essa galera de patinete

6766656463707175767883848689919320180625_2110571

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

PERAMBULANDO POR MOSCOU – MUSEU AEROESPACIAL

Depois da visita ao Bunker 42 foi a vez da visita ao museu aeroespacial da Rússia. E, cara, vou te dizer, foi o melhor de tudo que vi em Moscou e um dos museus mais legais os quais já visitei na vida.

Todo mundo sabe que houve uma corrida entre Rússia e Estados Unidos para saber quem seria o senhor do espaço primeiro, com a cereja do bolo sendo o envio do homem a Lua. Os soviéticos largaram enormemente na frente. Foram os primeiros a enviar um artefato ao espaço (portanto demonstrando que já poderiam construir foguetes intercontinentais), os primeiros a lançar um ser vivo à Lua (a cachorra Laika, que infelizmente morreu no espaço), os primeiros a lançar e trazer em segurança uma ser vivo do espaço (um casal de cachorrinhos, cuja fêmea posteriormente deu cria a seis filhotinhos, um deles, inclusive, foi dado de presente à primeira dama esposa do presidente Kennedy, sendo algo para sacanear os americanos, obviamente), o primeiro país a enviar um homem ao espaço (o cosmonauta Yuri Gagarin que foi o autor da célebre frase “A Terra é Azul”), o primeiro país a permitir que houvesse uma caminhada no espaço (space-walk) e por aí vai.

Percebendo que estavam começando a levar um pau do russos, os americanos criaram o programa Apollo com o objetivo de enviar o homem ao espaço em até dez anos. Gastaram o equivalente a quase cento e cinquenta bilhões de dólares em valores atuais, mas conseguiram vencer os russos. Inclusive, agradecendo o presente do filhote da cachorrinha que foi e voltou viva, presentearam os russos com um traje espacial de alguns dos astronautas que foram a Lua.

Durante o tour, como em todo grupo sempre tem um imbecil, teve um lá que perguntou pro guia o que ele achava das teorias da conspiração de que a ida a Lua foram todas forjadas. O guia, juro, parou e começou a observar a cara do imbecil para ver se o cara estava falando sério ou zuando. Quando ele percebeu que o imbecil tinha falado sério ele falou que a principal prova de que isso é asneira é que os próprios soviéticos reconheceram derrota depois do Programa Apolo e cancelaram o seu programa próprio para enviar um homem a Lua.

Depois da corrida espacial, o guia nos levou para conhecer alguns protótipos e outros originais de espaçonaves e peças de espaçonaves.

Ele explicou para gente o funcionamento da Estação Espacial Internacional.

As famílias dos astronautas são consultadas sobre o que eles costumam comer e eles recebem comida uma vez por mês por meio de uma espaçonave que enviada só para isso. Eles dormem na vertical com uma cama colada na parede e tem que se exercitar em uma esteira no mínimo duas horas por dia para os músculos não atrofiarem. Como não há gravidade, o teto da espaçonave é pintado de uma cor diferente para eles terem ao menos um pequeno senso de direção.

Era interessante como o guia só faltava chorar dizendo que era uma pena que a Rússia não investisse quase nada no programa espacial como antes. Dava até pena. Coitado, se soubesse o tanto que o Brasil investe então…1920

21
O casal de cachorrinhos que foi e voltaram vivos do espaço foram empalhados e estão em exposição no mu seu ao lado da cápsula que os levou e os trouxe

22

23
Traje doado pelos americanos aos russos

242526272829

30
A tumba de Stálin ainda é hoje uma das mais floridas
Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

PERAMBULANDO POR MOSCOU – O BUNKER 42

Assim que chegamos a Moscou já nos programamos para fazer um dos passeios que eu mais esperava fazer, a visita ao Bunker 42. Um bunker subterrâneo, a 63 metros de profundidade, ele foi construído durante a Guerra Fria para servir como centro de operações no caso de uma guerra nuclear. Coisa de doido, mano!

As paredes deles tinham de largura, um centímetro de aço e um metro de concreto! Ele foi construído por debaixo de uma linha de metrô (você tá lá dentro e fica escutando o barulho dos trens passando) e mantido em sigilo até 1995. Você deve se perguntar “Blz, mas pra fazer um bunker subterrâneo tem que tirar a terra de lá, né? Como é que fizeram um bagulho desses no meio de Moscou e NINGUÉM percebeu?”. Eu também fiz a mesma pergunta pro guia e ele me falou que eles fingiram se tratar de expansão de linhas de metrô e quando ele deixou de ser sigiloso em 1995, o pessoal que morava no bairro ficou MUITO impressionado de saber que tinha um abrigo para se preparar pro apocalipse logo abaixo da casa deles.

O bunker foi desativado depois do colapso da União Soviética devido a falta de recursos para mantê-lo. Porém, com certeza devem haver outros bunkers secretos pela Federação Russa hoje em caso de Guerra Nuclear assim como deve haver nas principais nações militares do planeta. Não duvido inclusive que não há uma no Brasil.

Dentro do bunker há uma réplica da primeira bomba atômica russa. Ela é bem parecida com a bomba atômica que os estadunidenses jogaram em Hiroshima. Segundo o guia, aquilo não era coincidência, já que a bomba atômica soviética foi montada principalmente devido a espionagem industrial contra os Estados Unidos.

Havia sempre por volta de 600 pessoas trabalhando 24 por dia 7 dias na semana. Você nunca sabe quando uma guerra nuclear poderia começar, né? Eles tinham acesso ao bunker por meio de uma entrada secreta que levava ao metrô. Antes de sair, tiravam as roupas militares, colocavam roupas normais e se misturavam no meio do povo no metrô. Coisa de cinema, né?

78910121113141516

17
Dentro do Bunker

18

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

E MOSCOU, A CAPITAL DO GIGANTE RUSSO, COMO É?

Bem, não é estranho se imaginar que a capital de um gigante é uma gigante também, né? Moscou tem uma população de 12 milhões e uns quebrados, um pouco mais que a cidade de São Paulo (as duas sem contar as zonas metropolitanas). Possui também o segundo maior número de milionários do mundo.

TRANSPORTE PÚBLICO EM MOSCOU – E LÁ VAI EU TOMAR NÃO UMA, MAS DUAS MULTAS!

Achei o transporte público da cidade muito bom e quase não peguei táxi por lá. Eu imagino que seja porque, bem, durante muito tempo ter um carro na Rússia era uma raridade, então eles devem meio que ter sido obrigados a investir em transporte público para transportar todo aquele povo.

Mas o melhor foi que, depois de ter sido multado na Lituânia (confira a história aqui), na República Tcheca (confira a história aqui) e na Austrália, mais uma vez eu fui multado na Rússia.

Quis bancar o esperto? Cara, na verdade não. Na verdade, na verdade, foi confusão mesmo. Antes de chegarmos a Rússia, eu havia lido que haveria metrô de graça para quem tivesse portando a Fan ID (crachá para quem tinha ingresso para a Copa). Fui lá, apresentei na estação de trem do bairro do meu host, os guardinhas riram para mim, abriram e eu entrei sem pagar. Na hora de sair, fiz a mesma coisa, apresentei o Fan ID e a tia do metrô começou a me pagar um sapo federal! Eu sei entender patavinas daquelas esculhambaçãozovisky fui encaminhado ao guichê onde no pouco inglês que conseguiram me explicar, eu só não pagaria pelo tíquete de trem nos dias que tinha jogo em Moscou. Tentei argumentar que tinha me confundido, mas a tinha me olho com aquela cara de “todo malandro quando é pego dá esse migué”. Não funcionou, apesar de eu ter sido sincero. Beleza, paguei a multa de uns dez reais e fui embora.

No outro dia fiz a mesma coisa. Na estação de trem do bairro do meu host (que como era afastada do centro eles não deviam saber de nada), mostrei a Fan ID, sorriram, abriram e eu entrei sem pagar. Na hora de sair em Moscou, outro esculacho federal. Aí que fui entender que ALÉM de ser em dia da jogo, eu teria que ter um ingresso DE UM JOGO que fosse NO DIA. De novo tentei falar que me confundi (caramba, era realmente sério! No outro dia tinham me falado que eu poderia entrar no metrô sem pagar) e não teve jeito. Paguei a multa de dez reais novamente. Duas multas em dois dias seguidos, mano.

1

Minha primeira foto em Moscou

2

3456

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.

Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

DE SÃO PETERSBURGO A MOSCOU. POR TERRA. DE TREM

São Petersburgo e Moscou são as duas cidades mais importantes da Rússia e, para os padrões russos de distância, são quase que vizinhas. Como uma era bem perto da outra, decidimos ir de trem para ter uma experiência de viagem de trem na Rússia. Na verdade, na verdade a gente tava pensando era em encontrar outros brasileiros no trem e ir tacando aquela zona. A FIFA oferecia, inclusive, um trem de graça para se viajar entre as duas cidades para quem tivesse FAN ID (um crachá que só tinha quem tivesse comprado algum ingresso para Copa), porém ele levava nove horas e era noturno. Preferimos pegar um trem-bala que era bem mais rápido, levava umas quatro horas, apesar de ele custar quase que 95% do preço de uma passagem aérea. Ah, mano, nunca tinha viajado de trem bala, então valeu a experiência.

Apesar do trem ir a, literalmente, mais de 200 km por hora (sim, ele vai balado mesmo) ele nem balançava. Parecia que ia a 40 km por hora. Era muito estável e silencioso.

Chegamos ao trem com camisas amarelas, bandeiras, perucas coloridas, vuvuzelas e o que mais você puder imaginar. Arsenal completo para tacar fogo no trem. Mano, na hora que a gente ENTROU no trem. Sério. Parecia um restaurante cinco estrelas. TODO mundo calado e tocando música clássica. Era um silêncio tão sepulcral que parecia até sala de meditação! Ou parecia o Mineirão na Copa quando a gente levou o 7 X 1. Foi aquela broxada. A gente EFETIVAMENTE não combinava com aquele lugar. Fomos procurar o nosso lugar e colocamos até uma bandeira do Brasil na nossa mesa.

É ÓBVIO que não fomos tacando zona até porque não tinha clima NENHUM para aquilo. Mas, mano, antes mesmo do trem embarcar, a gente tava sentado. Só conversando. Juro. Sem gritar nem nada. Veio lá detrás um segurança do trem só para pedir silêncio para a gente.

Cê tá louco! Achamos que o trem ia ser um carnaval e foi um no silêncio de cinema. Sem filme.535054571417252659616265

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
 
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
 
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
 
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila