Jansi – Orcha

<!– /* Font Definitions */ @font-face {font-family:"Comic Sans MS"; panose-1:3 15 7 2 3 3 2 2 2 4; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:script; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:647 0 0 0 159 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";} @page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:72.0pt 90.0pt 72.0pt 90.0pt; mso-header-margin:35.4pt; mso-footer-margin:35.4pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;}

Assim que descemos do trem em Jansi, nos foi informado que em Jansi também havia um forte que merecia ser visitado. Como estávamos pilhados mesmo era em ir para Orcha, fomos logo foi procurar um táxi pra nos levar até lá. Assim que saímos da estação veio uma TURBA de motoristas pra cima da gente gritando e perguntando pra onde iríamos. Escolhi dentre eles o que tinha o maior bigode e falei pro bicho nos levar até Orcha.
No caminho inteiro, como de costume, o cara ficou tentando nos roubar, tentando nos cobrar mais caro pela corrida ou nos levar a alguns “passeios secretos“ que só ele conhecia. No caminho, pra variar, tive que ser rude com ele várias vezes explicando pro figura que estávamos pagando apenas para ele dirigir e não para ele falar (sim, eu realmente estava precisando de uma estada em Delhi pra desestressar), depois de um tempo ele desistiu e apenas nos levou para o hotel que a Samanta indicava no guia.
Chegando lá fomos logo dormir, afinal, no outro dia pela manhã, iríamos visitar os palácios que rodeavam a mais do que impressionante cidade de Orcha. Quando foi de manhã, alugamos um outro táxi pra ficar o dia inteiro a nossa disposição e depois nos levar de volta a Jansi para que pudéssemos pegar nosso trem para Delhi (tudo isso pelo incrível preço de dez reais por cabeça!). Fechamos com um taxista e fomos para o primeiro palácio.


Orcha e sua “fauna” peculiar

Ao chegar ao primeiro palácio, assim que começamos a bater algumas fotos, chamamos a atenção de um dos pedreiros que estavam trabalhando por lá. Ele, olhando que éramos turistas, resolveu vir até a gente e começou a explicar tudo acerca do palácio. Mais uma vez tive que explicar pro cara que não tinha dinheiro (eu realmente não tinha) e agradeci pelas explicações. Ele, como todos os outros, falou que não fazia aquilo porque queria dinheiro, mas sim porque ele queria apenas mostrar a sua bela cidade para todos os turistas que por lá passavam (é incrível como esses caras SEMPRE tem a mesma desculpinha barata). Depois de algum tempo insistindo em nos explicar e eu sendo BEM enfático que eu realmente não tinha dinheiro, tinha apenas cinco reais que usaria para comprar uma água (e realmente era tudo que eu tinha), ele falou que ia nos mostrar apenas aquele palácio, já que se sentia no dever moral de fazer isso por trabalhar lá. Eu como já tava de saco cheio, acabei aceitando e deixei ele ir nos guiando pelo palácio.
Local próximo ao que encontramos o “pedreiro-guia”

Realmente, o cara sacava demais acerca do lugar. O cara nos levou pra MUITO buraco dentre as vielas do palácio. Só pra vocês terem uma idéia, ele até nos mostrou o buraco aonde Nossa Majestade, digamos, evacuava. Foto postada abaixo.
Engraçado perceber que quase 600 anos depois, nada parece ter mudado no sanitário dos caras. Quer ver? Compara:
Depois de nos mostrar o palácio, agradecemos e fomos ao táxi para irmos ao próximo local de visitação. Ele veio nos seguindo e entrou no táxi sem nem pedir a nossa autorização. Mais uma vez expliquei que não tinha dinheiro e não poderia pagar-lhe, mas mesmo assim o figura entrou e foi nos explicando uma pancada de coisas sobre a cidade.
Chegamos ao segundo palácio, depois ao terceiro, depois ao quarto… E o mala sempre ao nosso lado. Quando estávamos no quarto, eu, já de saco cheio dele, pedi que ele nos aguardasse no táxi porque eu queria, pombas, ficar ao menos uns cinco minutos sozinho com a Samanta. Assim que saímos do táxi, comecei a conversar com a Samanta e ver o que poderíamos fazer, afinal, nós REALMENTE não tínhamos dinheiro. Depois de um tempo discutindo e chegando à conclusão de que não havia o que ser feito, resolvemos bater umas fotos e voltar para o táxi.
Quando estava a caminho do táxi, olhei para uma construção e, atrás de umas das suas paredes, vi algo que me deixou curioso do que poderia ser. No começo, quando olhei, pareciam duas pedras arredondadas de uma cor marrom escura. Percebi que não eram pedras porque elas começaram a se mexer. Como estava sem óculos, não consegui enxergar ao certo o que era e fiquei olhando fixamente pra aquilo tentando identificar que bicho era aquele, já que ele parecia algo como uma capivara, mas era escuro demais pra ser uma e, afinal, na Índia não devem existir capivaras. Na hora veio na minha cabeça: “Será se é um puma? Aqueles tigres que parecem umas onças e que tem coloração parda?”. Quando vi que passava um corregozinho por debaixo, comecei a pensar se o tal bicho não tava era bebendo água por lá. Por via das dúvidas resolvi checar.
Quando eu estava me aproximando, a surpresa! O bicho colocou a língua de fora!! Ai meu Deus! A língua do bicho era de cor marrom clara! Que diabo de bicho maluco era aquele, meu brother? Pombas, todos os mamíferos que eu conheço, salvo RARÍSSIMAS exceções, possuem línguas de cor avermelhadas!!! É ou não é? Tirando aquele cachorro da língua azul, não me vem mais nenhum exemplo de mamífero que tenha língua que não seja avermelhada! E, pombas, tirando mamíferos, não tinha outro bicho que me vinha à cabeça do que poderia ser aquilo. Ele não tinha penas, logo não era uma ave! Muito grande pra ser um anfíbio! Os répteis que conheço são todos verdes. Verde-claro ou verde-escuro (falar nisso, sabe pra que servem os óculos de cor verde? Pra VERDE perto!! E os de cor marrom? Pra ver MARROMENOS!!, HAHAH, hoje eu estou MUITO engraçado)*, mas sempre verdes. Peixes? Dããããã, não dá né? Importante lembrar que eu estava sem óculos, por isso não podia ver nitidamente o que era!! Mas, vamos lá: O que é o que é? É marrom escuro, tem a cabeça arredondada, vive na Índia e ainda por cima tem a língua de cor marrom clara? Infelizmente eu não detinha o Google numa hora de crise como aquela! De repente, a outra surpresa!!! A língua marrom clara do bicho foi descendo, descendo, descendo, descendo… até a hora que.. que.. até a hora que a LÍNGUA DO ANIMAL CAIU DA BOCA DELE!! Mermão!! Que bicho maluco era aquele, cara? Mermão, ele CUSPIU A LÍNGUA DELE FORA!!! Não sei por aí, mas no Maranhão não tem NENHUM bicho que cospe a língua fora, assim, sem mais nem menos. Tem no máximo uns bichos que soltam o rabo (Largatixas, no caso. Esses animais que soltam o rabo, que eu tenho CERTEZA que você pensou, não são encontrados no Maranhão. Eles têm como habitat natural no Brasil as regiões de clima mais “fresco”, com maior incidência no Rio Grande do Sul e em algumas ilhas perdidas tais qual Campinas. Blog omundonumamochila.com também é cultura).
Alguém já matou o que era? Marrom escuro, bebendo água em um córrego, cabeça arredondada e COSPE a língua fora. Chupa cabra? Parece até história de pescador, né?
Depois que eu vi o bicho cuspindo, eu REALMENTE fui checar o que era não me agüentando mais de curiosidade. Quando cheguei lá e fui checar o que era, não ACREDITEI NO QUE VI!! Sabe o que era?
Não, né? Pois então, a resposta só aparecerá no próximo post…
Abraços maranhenses
P.s: Hahaha, eu sou MUITO mal!
*Piada ridícula e totalmente fora do contexto. Sintoma de uma mente atordoada que ficou por mais de três horas, sem descanso, estudando direito constitucional.

8 comentários em “Jansi – Orcha

  1. ClaudiomarVoce está muito mal mesmo, vai deixar de contar o que viu só amanhã?Como voce não enjoou de ficar olhando tantos palácios e templos na Índia, fico admirada.Esses indianos são malas mesmo hein!abraços

    Curtir

  2. Isso porque o pedreiro estava trabalhando no templo, imagine se não estivesse!!! Sobre a charada, deve ser um indiano cagando no meio do rio!

    Curtir

  3. Cara, eu acompanho o Blog a muuuito tempo, nunca tinha feito algum comentar, massss essa eu tinha q comentar… pennnse, era algo como um moleke de cócoras fazendo coco? imaginei a cena… kkkk.Abçs Quacula

    Curtir

  4. <><> Bah, isso que dá ler o post com atraso.Se fosse o primeiro a dizer que era um ser defecando, teria sido origignal. hehehehe(Se bem que uma lingua comprida, marrom, e que “cai da boca” ficou meio que óbvio… hehehehehe)Os possíveis candidatos, na minha opinião, são:– O pedreiro/guia mala;– Algum indiano louco;– Algum animal (no sentido discovery channel da palavra)exótico.E pense positivo rapaz: antes 3 horas de direito constuticional do que uma graduação vendo legislação tributária brasileira. Creio que não há algo tão chato quanto estudar direito tributário…Abraços <><>

    Curtir

  5. HUAHuaueu to com a Maricotinha, acho que é um indiano cagando no rio…Aliás, o pedreiro era bem trabalhador mesmo né?? parece até eu dando monitoria lá na UFRJ… hauhuaMais chato que Constitucional são minhas aulas de Inferência Estatística e Análise…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s