Museu Espacio Memoria y Derechos Humanos, Museu da Ditadura, Buenos Aires e Tigres – Imperdíveis

Um lugar que todo mundo falava que era imperdível era visitarmos o Museu Espacio Memoria y Derechos Humanos. No local funcionava a Escola Superior de Mecânica da Armada – ESMA, uma unidade da Marinha da Argentina destinada à formação de suboficiais especialistas em mecânica e engenharia de navegação. Mas, na verdade, na parte da Escola destinada aos oficiais, funcionou um dos centros de tortura mais selvagens da Argentina. Os presos políticos eram levados para lá para serem torturados e interrogados e, acredita-se, 90% deles foram mortos. O passeio para esse museu é meio fora de mão com os conhecidos passeios de Buenos Aires, até porque, bem, um centro de tortura não iria funcionar no meio da cidade, né? Dá uns 30km do centro de Buenos Aires, mas é super de boa de chegar. Basta pegar um metrô até a estação de trem e de lá pegar o trem que vai até a estação Tigres. Chega super fácil.f20170617_120110

A entrada é franca e lá dentro também tem o museu das Malvinas, que vou explicar posteriormente.f20170617_135320

Assim que você entra, o clima já é bem pesado. Me senti mais ou menos com o clima quando visitei Auschwitz na Polônia.

Lá dentro você passa pelos locais onde a galera era presa, armazenada e torturada. Os prisioneiros passavam o dia encapuzados, sentados dentro de caixas minúsculas com meio metro de altura e com luzes ligadas o dia inteiro para que elas não tivessem noção do tempo, uma terrível tortura psicológica. “O tempo parecia ser eterno” – disse um dos sobreviventes dessa prisão. Lá dentro tinha até um local para onde eram levadas as prisioneiras grávidas quando estavam próximas a dar a luz. Eles faziam o parto, matavam a mãe e davam o filho para adoção. Sim, o negócio era feio mesmo. Inclusive as avós dessas crianças até hoje lutam para encontrar onde estão os seus netos que foram para orfanatos como órfãos e alguns deles não tem a mínima noção do fim que levou suas mães e que eles mesmo são parte da ditadura argentina. Cresceram apenas imaginando que foram abandonados no parto e não que nasceram em um centro de detenção do governo. 

IMG_4266
Avós e Mães da Praça de Maio

IMG_4387

No final, você passa pelo lugar onde as pessoas eram sedadas para serem encaminhadas aos famosos voos da morte. Basicamente eles sedavam a pessoa, as embarcavam, e depois arremessavam elas ainda vivas no meio do oceano. Uma parada super sinistra, até porque, assim, as famílias nunca poderiam ter acesso ao corpo e continuam sofrendo à busca de uma filha/o desaparecido.

No caminho para lá tava rolando um protesto e não nos deixaram pagar o tíquete, nós simplesmente fomos entrando. Beleza, o problema é que eu suava frio, já que já fui multado três vezes em três países diferentes devido a não andar com tíquete. Enfim, no final deu tudo certo e ainda fomos para um lugar chamado Tigres que era como a Veneza Argentina e de onde saem os barcos para o Uruguai. O lugar até que era bem bonito e resolvi colocar a foto no topo para ilustrar para deixar o tópico menos pesado. Abaixo, vão as fotos de Tigres.

IMG_4390IMG_4395IMG_4401IMG_4403IMG_4409IMG_4413IMG_4417IMG_4420

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.

 Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
 
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
 
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s