CHEGANDO À JÓIA RUSSA, SÃO PETERSBURGO

A primeira cidade em que desembarquei na Rússia foi São Petersburgo. Conforme eu falei, ela foi construída para ser a mais bela cidade da Europa e fazer frente a Paris ou Londres. É interessante que ela não existia há 300 anos atrás. Foi construída em cima de um PÂNTANO! Sim, e para aterrar este pântano e construir uma cidade em cima foi utilizada, digamos assim, mão-de-obra crua. Sim, isso mesmo. Pobres russos e outras etnias eram trazidos de todo o gigantesco império e colocados para trabalhar nas piores condições que você possa imaginar. Como quase não tinham equipamentos, eles carregavam terra e areia em baldes, utilizando as MÃOS como pás. Não é preciso dizer que morreu gente para dedéu e muita gente diz que a cidade foi construída sobre os ossos, sendo um gigantesco cemitério, e não sobre a terra.

A cidade em si é bem bonita e organizada, aquela típica cidade europeia mesmo. Há canais cortando o seu centro.

O HERMITAGE MUSEUM

Porém, nada é mais famoso quando se fala em São Petersburgo do que o Hermitage Museum. Cara, é um museu GIGANTESCO, um dos maiores museus de arte do mundo possuindo itens de praticamente todas as épocas, estilos e culturas da história russa, europeia, oriental e do Norte da África. São dez prédios sendo que parte deles foram construídos para serem a residência oficial dos czares. Durante a Revolução Russa de 1917 o seu interior foi preservado. Porém, quando iniciou-se a Segunda Guerra Mundial e percebeu-se que uma hora ou outra o pau iria quebrar por ali, iniciou-se um trabalho monumental de transferência de todas as suas peças e obras de arte para o interior russo. Obviamente transportar obra de arte não é como carregar farinha ou jaca, então foi necessário um esforço conjunto de curadores, especialistas e, especialmente, voluntários que trabalhavam 24 horas por dia sem descanso. Quando as tropas de Hitler sitiaram Leningrado (São Petersburgo à época) eles tinham o desejo manifesto de transformar a cidade em cinzas devido ao seu simbolismo para o povo russo. Felizmente antes do início do cerco a maioria das peças do museu já tinham sido transportadas e as que restaram foram preservadas.

O museu é imenso, mais imenso do que palavras podem descrever. Como não tínhamos muito tempo em São Petersburgo, já que no outro dia teria jogo do Brasil, tivemos que olhar tudo bem rápido, se é que isso fosse possível. Além disso perdemos um bom tempo porque pegamos uma fila IMENSA (maldita Copa) para entrar. No final ficamos 2 horas lá dentro e, mano, sério, não deu para ver nem metade do museu. Reiterando, não viagem para turismo e para Copa ao mesmo tempo, acontece isso =(172320180624_1828584567

8
E não é que achei um maranhense com a camisa do Sampaio Corrêa lá também?

9101112131415161718202224252627282931353745505354575960616265fsdfsfsd

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
 
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
 
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
 
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s