A caminho da China – Coréia do Norte – a emoção já começa no aeroporto!

Vamos lá, todo mundo ensaiando direitinho para o titio Kim Jong-Un poder ficar orgulhoso.

Minha primeira passagem aérea fazia o singelo trecho Brasília – São Paulo- Washington – Nova York – Pequim. Tranquilinho, 35 horas entre conexões e horas de voo pela United Airlines. Trinta e cinco horas não dão nem para sentir a viagem, quanto mais ficar cansado. Vida loca!

Tudo o que você menos quer quando está em um verdadeiro périplo mundial como o meu, é dor-de-cabeça. É lógico que isso é pedir demais quando se viaja por United Airlines.

Eu já estava esperando dar algo errado no meu voo, afinal eu voava pela United Airlines. Não imaginava que seria logo na minha primeira parada: Estados Unidos. Assim que eu cheguei ao aeroporto de Washington já tenho a primeira surpresa. Meu voo de Washington para Nova York estava atrasado em mais de quatro horas e muito provavelmente eu não conseguiria chegar a tempo de pegar o voo Nova York – Pequim. Qual o problema disso tudo? Bem, deixa o tio te explicar.

Oktoberfest alemã acima e Oktoberfest coreana abaixo

Eu chegaria a Pequim num domingo, na segunda feira encontraria o pessoal da agência de viagem e pagaria o meu pacote da Coréia do Norte a vista (como sei que todo mundo é curioso com o preço, deixa eu dizer logo quanto foi. Pacote para Coréia do Norte me custou exatos 1050 euros. Tudo incluso: passagem China-Coréia-China, hotel que parecia cinco estrelas, três refeições diárias, guias, ônibus, entradas nas atrações… No final acho que não foi caro. Quanto da isso em reais? Ah, larga de ser preguiçoso e vê no Google). Captaram o tamanho do problema? Se eu perdesse um dia de viagem, minha viagem inteira para a Coréia poderia ir para o saco. United, United, you broke my guitar. Sempre me dando novas surpresas.
Para quem não está por dentro do meu histórico de amor e ódio com a United, o primeiro trecho da minha viagem de volta ao mundo em 2008 foi pela United e eles, além de cancelarem o meu voo e só me mandarem no outro dia, ainda me largaram tarde da noite em Los Angeles quando eu na verdade deveria chegar pela manhã. Mais detalhes nesse post aqui. Não satisfeitos, resolveram me presentar com mais essa.
Bem, não havia o que fazer. Sentar e chorar? Não, vamos tentar resolver! Fui desesperado falar com a mulher do balcão e já recebo a primeira resposta animadora.
– Senta ali e espera seu voo daqui a quatro horas
– Mas eu tenho uma passagem para China
– Senta ali e espera seu voo daqui a quatro horas
Isso a gente chama de boa vontade. Falem o que quiserem dos nossos aeroportos, mas no Brasil com quatro horas de atraso, pelo menos para um hotel eles teriam que me mandar! Famosa resolução 141 da ANAC.
É impressionante como as construções em Pyongyang arecem estar caindo aos pedaços depois de alguns dias de chuva.
Contrastando, lógico, com o hotel Ryugyong, que se destaca novo em folha, imponente, no meio da capital.

Para não arrancar a goela da atendente, resolvi me sentar em um dos bancos e pensar o que eu poderia fazer. De repente tive uma ideia: “E se ao invés de voar de Washington para Nova York e depois para Pequim, eles me mandassem pra Pequim direto de daqui de Washington?”. Sim, eles tinham voos direto. Procurei um atendente que parecia mais latino (por isso, esperava eu, mais amigável) e expliquei meu drama, a minha viagem para Coréia do Norte e coisas assim. O cara foi bem mais amigável (fica a dica, sempre procurem os latinos) e ficou de ver isso pra mim. No final falou que era possível e que provavelmente me colocaria na cabine executiva como um pedido de desculpas da United. Bem, não rolou a desculpa da United e nem a cabine executiva, mas pelo menos o voo para Pequim partiria em três horas. Iria chegar uma hora mais tarde, mas, enfim, vinte vezes melhor que chegar no outro dia. Viagem para China e Coréia resolvida, era chegada a hora de tratar de um problema BEM MAIS SÉRIO.

Novinho
País estranho com gente esquisita, eu não tou legal, não consigo achar uma TV
Estava para começar a final olímpica do futebol e eu só queria sentar e assistir a vitória fácil que o Brasil ia conseguir em cima do México. Três gols de Neymar, no mínimo. Agora era só achar um bar, dentro de um dos maiores aeroportos do mundo, que estivesse transmitindo a final DO ESPORTE MAIS POPULAR DO MUNDO! Lógico que não seria difícil, o aeroporto é CHEIO de bares. Cara, se eu estou contando a historia é porque, logicamente, não deu certo.
Dá para acreditar que havia varias TVs transmitindo golfe, eliminatórias do remo, DISPUTA DA MEDALHA DE BRONZE DE VOLEI FEMININO, mas não havia ninguém transmitindo A FINAL DO FUTEBOL OLIMPICO!?!?!?! Cara, serio, eu não acreditava que isso fosse possível de acontecer, aquilo era mundo real? O que será que esses americanos tem na cabeça? Bem, quem não tem cão, caça com gato, vaca, porco-espinho, o que for, resolvi apelar para a wireless do aeroporto.
Liguei a wireless do meu celular e fiquei uns vinte minutos caminhando pelo aeroporto para poder achar o melhor sinal, até que consegui. Mais problemas (cara, tem tanto drama aqui que esta parecendo novela mexicana…), a wireless não deixava assistir vídeos! Juro que nessa hora, parei, olhei para cima e perguntei “o que eu fiz para merecer isso?!?!?! Porque o senhor faz isso comigo? Já não basta eu ter nascido maranhense e ter que ficar a vida inteira ouvindo piada sobre ser filho do Sarney e além disso ser parecido com o Zacarias??”.

Rapaz, você sabe o que é você ter que acompanhar a final olímpica por narração escrita em tempo real? Globoesporte.com?  Enfim, foi o melhor que eu consegui. Começa o jogo, um minuto do primeiro tempo, gol do México (bicho, aquele não era o meu dia mesmo!!!). E lá vou eu ficar lendo o jogo. Começa o segundo tempo, chamada do meu voo!! E agora? Vou ou não vou? Resolvi enrolar o máximo possível e ficar na fila acompanhando pela wireless do celular antes de entrar no avião. Vinte minutos do segundo tempo escuto um “ou você entra no avião agora, ou o avião vai te largar aqui!” e tive que embarcar. ONZE HORAS DE TENSAO no avião sem saber como terminou o jogo.

O final da historia vocês já sabem, chego na fila de bagagens e fiquei mendigando para as pessoas com smartphone, procurando um que tivesse 3G e tivesse a piedade de deixar eu ver o resultado. Um inglês que morava na China se predispôs a me ajudar. Pela risadinha na cara dele, eu deduzi a surpresa que o Mano Menezes havia me preparado. Fiquei tão baqueado que nem fiquei tão chateado quando descobri que minha mochila havia sido extraviada. É, Pequim realmente estava sendo emocionante!

Caraca, isso sim merece uma foto! Se liga no que achei na Coréia do Norte! QUILMES!! Para quem não sabe Quilmes é a cerveja mais popular da Argentina. Conta como sul-americano, vai…
Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Coréia do Norte e China. Vai começar a epopéia – Um oficial da Coréia do Norte visita minha casa em Brasília

“Mas porque diabos você vai viajar para Coréia do Norte? O que diabos você vai fazer lá?” essa com certeza era a pergunta que eu mais escutava depois de “você não tem medo de morrer lá?” (como se o Brasil não fosse um dos países mais violentos do mundo). A resposta que eu sempre quis dar, e isso você poder ter certeza, era: – “Por que não? Porque diabos ir para os Estados Unidos então?”.

Arirang Mass Games. Maior apresentação coreografada do mundo que ocorre  no maior estádio do mundo. Um dos principais motivos que me fizeram decidir viajar para a Coréia do Norte.
É cara, eu estava indo para a Coréia do Norte. Um país que sempre me intrigou e que eu sempre tive a vontade conhecer, de vencer a barreira da ditadura louca dos Kims e ver de perto, frente a frente, sem intermediários, aquela vida maluca que iria me esperar por lá. Vi uma passagem no filme Xingu que falava mais ou menos o que eu sentia e sinto quando viajo: “Ir para lugares que ninguém nunca visitou, ouvir histórias de um lugar que ninguém nunca falou, tentar chegar em lugares que ninguém nunca foi. De alguma forma isso parecia uma boa ideia.” (não lembro exatamente, mas era algo assim). Cada vez mais que alguém me perguntava “Coréia do Norte?!?!!?!?!?” eu tinha certeza que havia escolhido o destino certo pra poder passar ferias.
Outro motivo que também me faz viajar é visitar lugares que logo logo me darão grande saudade de voltar para casa, lugares que me demonstrem o quanto a minha vida medíocre é confortável no Brasil e fazer eu dar valor as poucas coisas que tenho. Sim, a China e a Coréia do Norte serviram perfeitamente para poder me fazer sentir isso. Se você perguntar para mim se a viagem para a China, em particular, foi legal, eu responderia que foi, digamos, neutra. Houve várias coisas que eu adorei, mas também houve MUITAS coisas que simplesmente detestei.
Na verdade, na verdade, eu não estava planejando viajar para a China. Meu plano sempre foi viajar para a Coréia do Norte. Posteriormente, quando vi que teria que parar na China de qualquer maneira, resolvi estender um pouco e aproveitar para viajar três semanas por lá.
Eu e meu amigo Kim Jong Il em uma fábrica de maçãs
Mas enfim, acho que as pessoas viajam por dois motivos: Para relaxar ou para conhecer uma realidade diferente da sua. Não sou um velho que viaja para relaxar, gosto de viajar para conhecer lugares diferentes, pessoas diferentes, enfrentar realidades diferentes da minha vida trabalho-casa-esportes-fim de semana com os amigos-trabalho. Quase um Indiana Jones maranhense. Born to be Wild… Gosto de viajar para lugares “mas o que diabos você vai fazer lá?” para aprender, ter experiências realmente malucas, enfrentar um choque de realidade ou, sei lá, ver uma porrada comer solta (quase um programa do Ratinho ao vivo) porque um cara achou que era uma boa ideia botar o filho dele pra cagar do lado da mesa que eu tava inocentemente tomando café da manhã (essa história vai ficar para depois). Estar sentado no avião e começar a questionar a mim mesmo “mas que diabos eu vou achar por lá?”. “Será se lá as pessoas conhecem o Brasil?” “Será se elas jogam futebol?” “Como são as pessoas no meio da rua?” “O que elas comem, como elas vivem?” “Será se elas também falam que Maradona foi melhor que Pele?”.
Europa e EUA são dois lugares bem manjados para se viajar, somos bombardeados desde a mais tenra infância com imagens de lá, logo, qual é a graça de viajar para um lugar se você já sabe o que vai encontrar? . Por isso a Coréia do Norte foi tão perfeita, pq, cara, quanta coisa bizarra foi possível conhecer por lá (isso vai ficar mais claro quando eu começar os posts… =P).
Deu até para esquecer as 35 horas de avião que tive que enfrentar, entre conexões e horas de voo, para poder chegar à China (bem, Cristóvão Colombo levou meses para chegar à América. De repente um dia e meio nem parece tanto tempo assim…).
Hotel Ryugyong. Arranha-céu que se destaca no meio de Pyongyang. Quando iniciaram as suas obras, era para ser a maior construção do mundo. Vinte anos depois, ele ainda não está construído. Estudiosos sugerem que ele chegou a sugar 3% do PIB coreano por ano para sua construção. Por isso suas obras encontram-se paralisadas.
Era o meu primeiro mochilão de um mês desde que eu havia voltado da minha viagem de volta ao mundo. Acho que é um tempo bem legal para se viajar, curtir e “sentir” o lugar.
É, foi legal, mas depois de viajar 3500 km na China e na Coréia do Norte, também foi legal porque eu já estava ficando doido pra voltar pra casa. Melhor que viajar é voltar para a vida medíocre de trabalho-casa-krav maga-fim de semana com os amigos-trabalho e, o melhor, sentir saudade e dar valor a sua vida de antes. Depois de duas semanas, Torre de TV já começa a virar Torre Eiffel…
Monumento em alusão a unificação das Coréias. Por incrível que pareça, a Coréia do Norte também defende a reunificação com a Coréia do Sul, mas isso é assunto para outro post.

QUANTO CUSTOU O VISTO?

 As vezes as pessoas me perguntam quanto custou para eu tirar o meu visto para Coréia do Norte na embaixada aqui em Brasília. Sabe quanto foi? Por volta de uns 1050 reais. Porque isso tudo? Bem, deixa eu explicar.
Tudo começou quando eu resolvi deixar o meu passaporte na Embaixada da Coréia do Norte antes de ir para o trabalho. Fui lá as nove em ponto e fui chegar no trabalho só por volta das nove e meia da manhã. Como cheguei depois das nove, tive que estacionar meu carro em uns dos anexos atrás da Esplanada dos Ministérios. No fim da tarde, quando terminei o trabalho e fui pegar o carro para ir buscar meu passaporte de volta na embaixada, o que encontro? Meu carro arrombado, meu estepe roubado e, SABE DEUS PORQUE, o cara levou o cabo que eu conecto o meu celular no som. Não, ele não levou o som, levou SÓ O CABO! Além de não ter estepe, eu também teria que dirigir sem escutar musica, o que eu odeio! Resultado? 450 reais para poder arrumar a fechadura.
É meu!! É meu!!! Eu tenho um visto para Coréia do Norte!!!!

Você pode até argumentar que a probabilidade de ser roubado em cima ou embaixo da Esplanada é a mesma, mas se NAQUELE DIA eu tivesse estacionado o carro no mesmo lugar de sempre, NAQUELE DIA, ele não seria roubado. Logo, coloquei na conta do visto. Beleza, desencanei e segui o meu dia. Paguei os 100 reais do visto e bola para frente. No outro dia fui treinar meu Krav Maga na hora do almoço e depois do treino, um amigo me passou um bizú de onde eu poderia comprar um cabo igual ao que, SABE DEUS PORQUE, o ladrão tinha me roubado. Beleza, desci a quadra que ele havia me falado e fiquei olhando pros lados procurando a loja. Bem, olhar para os lados quando se dirige para frente não é muito esperto. Sim, enfiei o meu carro na traseira de outro! Para piorar me desce do carro batido um brutamontes com uma camisa escrita “Muai Tai (boxe tailandês), Professor!”. Porque tudo o que você mais quer depois que bate na traseira de um carro, que parece novinho, é que desça uma maquina de matar pronta para lhe encher de porrada porque você é um imbecil e, sim, ainda vai merecer levar uns tabefes na orelha. 

Pronto, pensei, é agora que eu apanho mesmo. O cara, graças a Deus, SUPER calmo. Só trocou uma ideia, pegou meu telefone e no mesmo dia levou o carro dele para consertar. Prejú? 500 contos transferidos no mesmo dia. Ou seja, se NAQUELE DIA eu não tivesse ido tirar o visto, NAQUELE DIA, eu não teria tido o cabo roubado e, NO OUTRO DIA, não teria desviado o meu caminho do Krav Maga para o trabalho para procurar um cabo e batido meu carro. Consegue entender a cadeia causal, a lei de Murphy, de todo esse visto? Pois é. Mas se eu faria de novo? Ah, amigão! Nem que eu tivesse que enfiar o meu carro na traseira de um carro da policia eu teria feito tudo de novo para conseguir esse visto!

UM OFICIAL DA CORÉIA DO NORTE E MUITA CONFUSÃO

Outra historia engraçada acerca desse visto foi que eu liguei na embaixada da Coréia do Norte e falei que eu tinha uma autorização de Pyongyang para poder ter um visto de turista emitido na embaixada de Brasília. Os caras ficaram de checar e, quando eu chego em casa, escuto o meu porteiro falar que um cara falando um português meio estranho chegou lá portaria e tava procurando um tal de um “sr. Claudiomar” sobre um visto para a Coréia. O porteiro falou que eu não estava (pô, tava no trabalho!), mas o cara não parava de insistir que precisa ir no meu apartamento. Mas queria porque queria de qualquer jeito. Depois de muita luta, ele se contentou em me deixar um bilhete, o bilhete abaixo! 
Trocando em miúdos! Não basta a experiência de ir para a Coréia do Norte! Eu ainda tive um OFICIAL COREANO batendo na porta da minha casa para confirmar o meu endereço! Essa eu vou contar ate para os meus netos!
Milhares e milhares de crianças ensaiando NA CHUVA para  mais uma das dezenas de demonstrações que ocorrem  todos os anos na Coréia do Norte para demonstrar o quanto eles são um país feliz. Esses ensaios ocorrem três vezes por semanas e levam entre duas e três horas. Assim como essas crianças estavam na chuva, poderiam estar sob o sol ou sob a neve! Isso tudo para demonstrar a felicidade no reino mágico de Kim Il Sung! A vida é dura, amigo!

P.s: Depois que eu fui descobrir. Como fazia tempo que eu havia feito meu cadastro para o visto, o cara foi no apartamento antigo. Os meus antigos companheiros de apartamento ficaram meio em duvida se davam ou não meu novo endereço quando descobriram que um oficial norte-coreano procurava por mim, mas por via das duvidas, resolveram mandar o cara para minha casa nova. Trocando em miúdos, se você é um serial-killer ou um matador de aluguel querendo me furar de bala, pode bater no meu endereço antigo. Meus amigos serão bem prestativos em lhes enviarem para o endereço certo!!!

Tá achando o que? Kim Il Sung também pode ser chique. Não é só porque ele é o rei da cocada preta na Coréia do Norte que ele também não pode abafar. Para demonstrar que ele também pode fazer bonito, foi lá e copiou um dos principais monumentos americanos. A estátua gigante do Lincoln sentado no Lincoln Memorial National Memorial em Washington. Cara, na hora que a gente entrou nessa biblioteca a galera parou e não conseguia parar de rir! Abaixo, o original em Washington.
Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

China: Os surpreendentes fatos sobre o dragão asiático que nunca te contaram!

Cara, não é de hoje que a China tá ocupando o noticiário internacional devido ao seu crescimento impressionante. Taxas de crescimento do PIB, de dez ou onze por cento por ano impressionam. O problema é que quase ninguém se pergunta como eles conseguem isso…

A China, apesar de cinicamente afirmar ser um país comunista, funciona hoje como uma selva capitalista. Os direitos trabalhistas lá são uma piada e a legislação ambiental não existe. Fica bem mais fácil as empresas terem lucro desse jeito.

Vamos lá, vou tentar ser didático.

 

APENAS UMA ENGRENAGEM NA MÁQUINA, A DESUMANA VIDA DE UM OPERÁRIO CHINÊS

 

Qual é um dos fatores mais importantes para o crescimento de uma economia nacional? Crescimento de produção, certo? E quem produz numa economia nacional? Basicamente empresas, estatais e privadas (o Estado não produz renda, no máximo distribui e famílias quando produzem algo, agricultura familiar por exemplo, no “economiquês” começam a contar como empresas). Logo, quanto mais as empresas produzem, mais elas podem vender e quanto mais elas vendem mais o governo arrecada em impostos e redistribui pela economia, correto? Logo, quando mais produção nas empresas, mais crescimento na economia.

E o que faz as empresas produzirem mais? Resposta? Lucros. Não falo apenas do lucro que vai pro bolso do empresário, mas lucro total da empresa, que em sua maioria é revestido na capacidade produtiva da própria empresa. Seguindo este raciocínio, concordam comigo que uma empresa que não tem lucro não se expande? Se ela começa a ter dívidas, ela começa a cortar gastos e não investe em aumento de espaço físico, compra de novas máquinas, contratação de mais pessoal etc. Logo, o lucro das empresas é extremamente importante e benéfico para economia como um todo.

Por que todo mundo hoje quer fechar parques produtivos nos seus países de origem e mudar pra China? Porque tudo lá é muito fácil. A carga horária semanal de trabalho na França é de apenas 35 horas por semana, o salário mínimo federal nos Estados Unidos é de 5,85 dólares por hora, se não me engano (em alguns estados o salário mínimo é de mais de oito dólares).

Salário mínimo na China? Ãhn? Direitos trabalhistas? Como? Direito de greve? Saúde pública? Não existem hospitais públicos na China. Andei pesquisando pela internet e parece que até existe uma legislação trabalhista na China que fala em salário mínimo, mas na realidade ninguém nem sabe o que é isso… Vários chineses já me falaram como funciona na prática a situação por lá. Salário mínimo ninguém nem sabe o que é, greve é resolvida na bolacha e se você ficar doente é bom que você fique logo bom, porque senão o cara te joga na rua sem nada no bolso (Como dizia um amigo meu chinês “Na China tudo é muito barato, inclusive vidas humanas”). Sem falar que não é raro acontecer do cara não receber e não ter a quem recorrer.

 

MEIO AMBIENTE: PREOCUPAÇÃO DE VEADO. DE ONÇA. DE CAPIVARA…

Outro fator que, como disse o Paulinho da Força Sindical, antes era “preocupação de veado” e que continua sendo “preocupação de veado” na China, está relacionado ao meio ambiente. Você pode achar que é pouco, mas, segundo o Banco Mundial, das nove cidades com piores níveis de qualidade do ar, quatro são indianas e três são chinesas (http://siteresources.worldbank.org/DATASTATISTICS/Resources/table3_13.pdf). A China, apesar de ter uma economia bem menor que a dos Estados Unidos, já ultrapassou os EUA em emissão de gás carbônico. Logo, qual o preço desse crescimento descontrolado?

 

E O MOTIVO TODO MUNDO JÁ CONHECE, É QUE O DE CIMA SOBE E O DE BAIXO DESCE

 

Andando por Hong Kong e Macau, fiquei impressionado com o desenvolvimento humano dessas duas regiões administrativas, sobre como duas regiões chinesas conseguiram atingir um nível de vida semelhante ao europeu. Hong Kong possui um índice de desenvolvimento humano maior que a Alemanha, Macau um pouco menos, mas ainda assim mais que a Coréia do Sul.

Depois lendo um pouco mais sobre os dois, acabei descobrindo que estas duas regiões são nada mais do que a retratação perfeita do crescimento chinês. Por que Hong Kong e Macau podem ter uma qualidade de vida européia enquanto a China continental uma qualidade semelhante à da Armênia e do Suriname? Simples, concentração de renda!

Estas duas regiões administrativas são dois portos de entrada extremamente importantes na China hoje, devido ao seu caráter absurdamente liberal. Como já expliquei pra vocês, é bem fácil conseguir um visto pra Hong Kong e Macau. Isso acaba fazendo com que um país que possui o quarto maior PIB do planeta, possua grande parte de suas transações concentradas em duas regiões. Criam-se duas ilhas de desenvolvimento em território chinês, barra-se a entrada para chineses continentais e assim vai caminhando a humanidade. Só pra vocês terem uma idéia do que falo, saca só a curva de concentração de renda da China desde que eles iniciaram esse surto de crescimento.

Tudo bem, sei que a concentração de renda no Brasil é bem pior do que na China, mas pelo menos hoje estamos crescendo 5% com distribuição de renda e outras benesses. Por isso que é uma imbecilidade muito grande defender este tipo de modelo de crescimento para o Brasil, baseado apenas no fato de que precisamos crescer mais. No Brasil várias legislações não funcionam, mas pelo menos três eu sei que funcionam muito bem: trabalhista, direito do consumidor e desportiva (o Romário que o diga!). Quem já foi posto na justiça por empregada doméstica sabe muito bem do que eu tou falando.

 

ENTÃO, VALE O PREÇO?

 

Outro fator que também não tem como comparar é a nossa legislação ambiental com a deles. A hidrelétrica da Ponta do Madeira na Amazônia é um dos mais grandiosos e impressionantes projetos de engenharia já realizados, a menina dos olhos de ouro do governo Lula, mas até eu sair do Brasil não tinha começado a ser construída. Por quê? O IBAMA não tinha liberado o início das obras e não ia liberar enquanto não achasse que a usina causaria o mínimo impacto ambiental possível. E enquanto o IBAMA não liberar, pode vir Lula, Bush e o que for, mas não começam as obras.

Crescimento a qualquer custo com supressão das liberdades individuais e sem democracia nós já tivemos. Os anos negros da ditadura militar foram anos de um surto de crescimento que não víamos desde a era Vargas, mas foi baseado em que? Arrocho salarial, concentração de renda, supressão de liberdades individuais, censura e legislação ambiental frouxa. Exatamente como a China hoje. Crescemos? Sim! Desenvolvemos? Sim! Mas qual foi o preço pra isso?

Eu só acho engraçado que a mesma esquerda que lutou contra o governo militar brasileiro, hoje apóia um governo assassino e fascista, apenas porque ele diz que é comunista. É como disse o Dalai Lama outro dia, um modelo de crescimento baseado na exploração de mão-de-obra escrava não vai se sustentar pra sempre…

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila