Independência da Índia

<!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";} @page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:72.0pt 90.0pt 72.0pt 90.0pt; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;}

–>

Com a vitória do Partido dos Trabalhadores na Inglaterra, a sua política externa sofreu um divisor de águas. Por perceber que ficar mantendo uma Índia em polvorosa não era um negócio muito vantajoso, a Inglaterra pôs a negociar uma independência indiana que pudesse contemplar a todos os povos do subcontinente.
Os muçulmanos inicialmente até sentaram-se à mesa de negociação para tentar negociar um país unido, mas, depois de um tempo, começaram a temer uma Índia dominada apenas por hindus e conseqüentemente serem subjugados por eles. Apesar dos inúmeros apelos e esforços de Gandhi para manter uma Índia unida e poderosa, os muçulmanos não aceitaram dividir o poder com os hindus.
Em 1946 a Inglaterra tentou intermediar um acordo entre muçulmanos e hindus pela independência, sem sucesso. Pra falar a verdade, o país quase que entrou em guerra civil depois dessa negociação. Depois dessas conversações, a Inglaterra mudou completamente, se antes ela achava importante intermediar um acordo de paz entre muçulmanos e hindus, após 1946 começou a ficar desesperada pra poder se livrar logo desse pepino gigante e assim poder retirar as suas tropas do território indiano que se encontravam entre fogo cerrado, hora tendo que apartar massacres de muçulmanos contra hindus, hora tendo que apartar massacres hindus contra muçulmanos.
Com o pau comendo por todo canto, a Inglaterra decidiu logo dividir a Índia em dois países: Um muçulmano, Paquistão e o outro Hindu, a Índia propriamente dita. Gandhi, claro, um dos mais viscerais oponentes. Mas gente, era uma situação complicada. Não tinha uma linha no chão dizendo “pra esse lado só hindu, pra aquele só muçulmano”. Ok, alguns estados tinham claramente maioria Hindu ou Muçulmana, mas outros não, além de que havia “ilhas” de uma determinada religião em território majoritariamente de outra. Pra piorar ainda mais a situação, as duas regiões com maior concentração muçulmana se encontravam em lados opostos, logo o novo estado muçulmano seria dividido ao meio por um imenso estado Hindu e hostil. Só pra deixar vocês mais situados do que estou falando, quando ficou independente o Paquistão tinha o território atual mais o território de Bangladesh. Depois da independência da Índia, Paquistão e Bangladesh eram um só país muçulmano chamado Paquistão. Só depois de 25 anos é que Bangladesh realmente se tornou um país independente.

Mapa indiano com as respectivas concentrações islâmicas no país. Quanto mais verde-escuro, maior a porcentagem de muçulmanos na população. Note que as duas maiores concentrações, e que depois se tornaram Paquistão e Bangladesh, estão situadas em lados opostos.

Sobrou pra Inglaterra a ingrata tarefa de traçar as linhas dos dois países. A pior situação acabou por ficar, claro, aonde seria a área de fronteira, na verdade no estado de Punjab. Como Punjab era uma zona de transição entre as regiões muçulmanas e hindus (e além disso o estado com maior concentração de Sikh, religião que vou explicar depois), é lógico que as suas cidades seria quase que igualmente dividida entre as religiões. Punjab tinha tudo pra ser banhado em sangue e não deu outra. A Inglaterra passou uma linha dividindo Punjab ao meio e milhões de pessoas tiveram que deixar tudo o que tinham, fruto de anos e anos de trabalho, para trás e apenas levar consigo o que conseguiram carregar nos braços para o lado de sua região. Só pra vocês terem uma idéia, a cidade de Lahore, uma das maiores de Punjab e que ficou do lado paquistanês, tinha uma população de 1,2 milhões de pessoas, sendo aproximadamente 500.000 hindus e 100.000 Sikhs. Depois da divisão aproximadamente apenas 1000 Sikhs e hindus restavam na cidade, todos os outros fugiram temendo por suas vidas para território hindu. Pra piorar ainda mais uma situação que parecia não ter como piorar, trens lotados de muçulmanos que fugiam para o Paquistão eram parados no meio do caminho por multidões de Hindus e Sikhs e massacrados. Trens lotados de hindus sofriam o mesmo destino. Os exércitos de ambos os lados foram mandados pra controlar a situação e tentar dar um fim ao massacre, mas tudo se mostrou pior, já que os soldados, com armas bem melhores do que facão e pedaços de pau, acabaram pro entrar na “festinha” também e mostraram que sempre pode-se piorar ainda mais as coisas. Saldo final? Dez milhões de pessoas fugiram de suas casas e mais de QUINHENTAS MIL PESSOAS foram mortas…
Esse triste episódio de sua independência, constantes problemas de território com a China (chegando até mesmo a entrar em guerra em 1962) e outros conflitos com o Paquistão contribuíram para criar um sentimento na Índia de que a mesma está cercada por inimigos.

Um comentário em “Independência da Índia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s