Passeando por Daca, capital de Bangladesh

Em tudo que eu lia sobre Bangladesh era consenso que a principal atração turística era uma só: O lugar não ser turístico. Pela surpresa das pessoas nas ruas, você tem a sensação de ser o único turista em uma cidade do tamanho de São Paulo. Cara, é tão engraçado, que até o rapaz da imigração ficou encucado querendo saber o que diabos eu tinha ido fazer em Daca. Por mais que eu falasse que tinha ido a turismo, ele não acreditava.

Agora imagina uma população da cidade de São Paulo só que empilhada em uma cidade sem metrô e sem nenhuma avenida de três pistas? Pois então, o lugar é um caos, muito pior que São Paulo ou Teerã (a cidade com pior trânsito que eu já vira até o momento). Para piorar, todo mundo dirige com a mão na buzina.

Cheguei ao aeroporto, e, seguindo orientação, fui pegar um Uber. Mas quem disse que eu conseguia? No Uber aparecia a placa do rapaz bonitinha, AC135643. Porém, em Bangladesh, o alfabeto é diferente. Inclusive os números. Então, mano, era simplesmente impossível saber qual carro eu deveria entrar. O negócio foi ficar em pé com o celular na mão e ficar observando os carros que iam chegando. Depois de uma meia hora, e três Ubers cancelados depois, consegui pegar um Uber. Isso porque, veja você, uns taxistas ficaram querendo entender o que eu tava fazendo e, quando viram que eu tava tentando pegar um Uber, eles me ajudaram. Os caras são tão amigáveis no país que até os taxistas te ajudam a pegar Uber, dá para acreditar?

Passeei por alguns pontos turísticos de Daca, visitei um palácio lá que até era importante para a história deles, mas nada demais. A única parte legal mesmo foi descobrir uma Igreja Cristã Armênia no meio de Daca. Era da comunidade armênia que existia em Bangladesh, hoje quase inexistente, já que grande parte dessa galera foi embora do país. Porém, tinha um cemitério com algumas tumbas do começo dos anos 1800. Muito legal.

Lá pela área da igreja morava um cara que veio bater um papo comigo, gente boa demais. Foi o único bengali que eu consegui entender perfeitamente o inglês, já que todos os outros se enrolavam todo para falar inglês. Na hora que eu fui assinar o livro de visitas, uma surpresa, havia a assinatura de uma brasileira, e, ainda por cima, de Brasília. Depois ele foi me explicar que ela que trabalhava na Embaixada Brasileira em Daca.

Ainda passei por um palácio que havia sido importante para eles, partes importantes de acordos e celebrações de Bangladesh haviam sido assinadas por lá. A única questão era que o lugar ainda estava caindo aos pedaços. A noite ainda comi uma parada bacana. Um tal de um frango piri-piri, nome de uma cidade do Piauí e que, depois fui ver, tem origem na culinária portuguesa.

Depois é só se preparar para visitar a capital, Dacca, cidade com o maior número de riquixás (carrocinhas puxadas por bicicletas) no planeta. De longe o seu principal meio de transporte

IMG_4500IMG_4507

IMG_4535
Olha o tanto de riquixá…

IMG_4539IMG_4558

IMG_4559
Brasileiros já passaram por aqui…

IMG_4560

IMG_4563
Cemitério armênio

IMG_4577

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
 
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
 
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
 
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s