QUERENDO VIAJAR DE GRAÇA? FAÇA UM CURSO DE MILHAS!!!!!!!!

Muita gente me pede dicas de como fazer para viajar de graça, leia-se, por meio de milhas aéreas. Vez ou outra tento atender as pessoas e explicar dúvidas pontuais.

Hoje me peguei pensando, porque nunca sugeri o curso onde aprendi tudo que sei hoje sobre milhas?

Galera, fiz o curso do Márcio do canal “Viajando com o Márcio”.  O curso pode ser acessado clicando no link https://go.hotmart.com/O9433420Y

O Márcio fez um curso bem bacana, simples, em linguagem clara e direto ao ponto, sem firula. Recomendo demais para quem sempre quis aprender sobre milhas mas nunca soube onde procurar

No curso você vai aprender a acumular muitas milhas aéreas para viajar de graça ou ganhar dinheiro com suas vendas. Para quem quer ganhar dinheiro, ele ensina técnicas que te possibilitam  ganhar até R$ 7.000,00 por ano vendendo suas milhas. Inclusive parcela até em 4 vezes

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.

Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Sim, Parságada existe e fica no Irã! Viajando pelo Irã -Persépolis e Pasárgada!

Era chegado o dia.

O principal centro arquealógico do Irã é, sem sombra de dúvidas, Persépolis.

Apesar da primeira capital do Império persa aquemênida ter sido Pasárgada, o rei Dario I empreendeu a construção deste massivo complexo suntuoso, ampliado posteriormente por seu filho Xerxes I e seu neto Artaxerxes I. Persépolis foi então o símbolo da força e do Império Persa. Foi construída em uma região remota e montanhosa, sendo bem conveniente para ser visitada  durante a primavera.

Quando Alexandre Magno conquistou o Império Persa, saqueou e incendiou Persépolis, algo não tão comum em Alexandre, que preocupava-se em misturar e incorporar os impérios que conquistavas por meio da cultura helênica. Disse que isso ocorreu devido a um pedido da esposa de Alexandre para se vingar do saque ocorrido anteriormente em Atenas pelos persas.

Os afrescos, as colunas, as esculturas são testemunhas do que foi o Império Persa daquele tempo. Em um mural é possível ver povos turcos, romenos, africanos, indianos, assírios… trazendo presentes para o Imperador da Pérsia que governava o maior Império já conhecido pelo homem.

O lugar tava até bem preservado (para um sítio de 2.500 anos!) e a guia que nos auxiliou foi realmente muito boa. Se alguém por aqui estiver lendo sobre o Irã e quiser sugestão de guia para Persépolis e Pasárgada, sugiro demais fechar com ela. Se chama Elahe, fala inglês bem e o Telegram dela é +989365001507. Também responde pelo e-mail elaheh.talebi@gmail.com. Se entrar em contato com ela por meio do blog, só diz que fui eu que indiquei. Não ganho nada com isso, mas é só uma forma de agradecimento por ela ter sido tão gente boa.

20161014_043032
Sim, mano, protegido até o olho! Lá fazia MUITO sol

Continuar lendo “Sim, Parságada existe e fica no Irã! Viajando pelo Irã -Persépolis e Pasárgada!”

Como conseguir o visto e viajar para a Coréia do Norte

Umas das primeiras perguntas que todo mundo me faz quando eu digo que fui para a Coréia do Norte é, sem sombra de dúvidas, “mas como foi que tu conseguiste entrar lá” geralmente acompanhada de olhos arregalados e expressão de surpresa no rosto. Tudo bem, eu não culpo ninguém por isso, até porque antes se alguém me dissesse que também chegou de lá, a minha surpresa seria a mesma. Quando eu lia reportagens em revistas sobre a Coréia do Norte, era essa também a pergunta que vinha a cabeça.

É natural que as pessoas se surpreendam em saber que alguém viajou para um dos países mais fechados do mundo, como será que se consegue o visto? – eu também me perguntava. Eu só não esperava que fosse tão, mas TÃO fácil como foi para mim conseguir fazer essa viagem acontecer…

Uma das atrações que tivemos enquanto estávamos na Coréia do Norte foi a de visitar o Museu da Indústria Pesada de Pyongyang. Quando chegamos lá, nos deparamos com as diversas peças e produtos que são produzidas por lá e expostas em um museu. Sim, a situação lá é tão brava, que até peça de Lego (sim, esse Lego da foto acima “é norte-coreano”) ou móveis são exibidos em museus, produtos que estão longe da realidade de um norte-coreano normal
Lógico que tinha que ter uma foto do nosso amigo Kim Jong Il, com a particularidade que este novo quadro traz o novo líder da Coréia do Norte

Tudo começou quando veio uma ideia na minha cabeça “Rapaz, eu nunca visitei esse país, acho que seria legal ir lá” e comecei a pesquisar na internet sobre como fazia para entrar lá. Não existe visto de turista para um individual ir sozinho e passear pelo país. Para entrar lá, você precisa contratar uma empresa de turismo, que faz um pacote para você, você paga e eles são responsáveis por lhe proporcionar os passeios, três alimentações por dia, entrada em parques e atrações etc., basicamente, você paga por TUDO e só precisa gastar depois com presente e souvenir.

E essas são as crianças brincando no maquinário da fábrica
Lógico que sempre tem alguém batendo foto no trenzinho

Na América do Sul não existia nenhuma, algumas nos EUA e outras na Europa, principalmente em Londres. Cliquei em uma que parecia possuir representações em Pequim, Londres e, pasmem, Pyongyang. Bem, se uma empresa de turismo tem sede em Pyongyang, ela deve ser grande – pensei. Entrei em contato com o e-mail fornecido e no mesmo dia me responderam.Entrei no site www.wikitravel.org e comecei a pesquisar empresas de turismos que faziam pacotes para a Coréia do Norte. Tinha uma coisa na cabeça, eu não queria de forma alguma uma empresa que tivesse sede na China, se fosse para eu comprar que fosse com sede ou na Europa ou nas Américas. Pode chamar de preconceituoso ou o que for, mas quando é o seu dinheiro, você fica bem mais cuidadoso.

Mais algumas fotos da sombria Pyongyang

Fui ao Banco do Brasil e disse que queria fazer essa transferência, conversa daqui, conversa dali e o cara me falou que eu iria pagar quase 30% entre taxas, impostos e outros entraves para transferir essa grana. Bem, perder 650 euros já estava ficando caro demais. Mandei um e-mail para o David, expliquei o ocorrido e perguntei se ele não aceitava receber a grana dele por paypal. Qual foi a resposta? “Não, cara, relaxa, faz o seguinte, me paga 100% quando nos encontrarmos em Pequim” – um dia antes de ir para Pyongyang, que fique claro.Já tinha visto alguma coisa relacionado ao festival do Arirang em alguns documentários que vi na internet, de forma que mandei um e-mail dizendo que eu gostaria de ir nessa época. O David me respondeu e disse que sem problemas, quando estivesse próximo, ele iria me mandar uma mensagem. Desencanei.Meses depois, eu nem lembrava mais, recebi um e-mail da Juche Travels, a agência do David, me informando que o período estaria próximo e agora, com isso, eu deveria transferir 50% do valor como adiantamento. Cara, nessa hora você vê o que é ser frio. Transferir 500 euros, para uma conta aleatória, apenas baseado em alguns e-mails com alguém imaginário que você conversou na internet, é algo para deixar qualquer um preocupado. Como realmente queria viajar para lá, decidi que correr o risco de mandar 500 euros para a conta de algum espertalhão na internet era algo aceitável e que no final, se fosse mesmo um golpe, eu perderia “só” 500 euros.

Parecia fácil demais para ser verdade. Como assim, cara? Era a Coréia do Norte! Como assim eu não iria pagar nenhum adiantamento? E as despesas com reserva de passagem? Reserva de hotel? Juro que por um tempo fiquei imaginando que esse cara ia marcar um lugar comigo, me esperar e quando eu chegasse com 1050 euros no bolso, ia me dar uma pancada na nuca e eu ia acordar em uma piscina de gelo sem dinheiro e os rins. Diga aí se isso não é estranho? Parecia demais golpe! Parecia muito fácil. Você pode dar risada agora que eu voltei vivo, mas queria ver se fosse você no meu lugar. Bem, de qualquer forma dei prosseguimento ao plano. Tá certo que agora eu iria arriscar 1050 euros e dois rins, mas valia o risco.
Só fiquei mais tranquilo mesmo quando o David me mandou um e-mail dizendo que eu poderia tirar o visto aqui no Brasil e sair com ele já no meu passaporte. Bem, se havia uma embaixada no meio, a probabilidade de ser um golpe caía consideravelmente.

Depois de toda história que já contei em um outro post, cheguei lá e consegui meu visto. Cara, parecia ser verdade.

Pai e filho no melhor estilo Rei Leão “Filho, um dia tudo isso vai ser seu”

Até achei que era engodo quando liguei a primeira vez na embaixada e me falaram que não tinha nenhuma autorização de visto para mim, mas depois me mandaram uma mensagem dizendo que era engano e que eu poderia sim ir lá aplicar para o visto.

Só realmente acreditei quando vi o David em Pequim e no outro dia desci em Pyongyang. Com meus rins. O visto para China me deu mais trabalho que o visto para Coréia do Norte.


Criança se escondendo para não nos deixar fotografá-la na rua

DAVID, O NOSSO DONO

Acho que várias vezes citei o nome do David, mas acabou que eu não escrevi tanto sobre ele. O David, como falei em alguns posts, era o dono da agência de turismo que havia nos enviado para a Coréia do Norte. Ele é inglês e trabalha com exportação e importação. Há alguns anos atrás, ele viajou para a Coréia do Norte e pensou se não seria uma boa ideia abrir uma agência de turismo para fazer o mesmo. Pesquisou, entrou em negociação com a Coréia do Norte e abriu a sua agência. De início, a agência é só ele mesmo, ele que atende aos telefonemas, responde a dúvidas por e-mails e coisas do tipo, mas tem planos de agora aumentar um pouco a sua estrutura.

Confidenciou para gente que grande parte das pessoas que entram em contato com a agência dele possuem o mesmo tipo de receio, o de estarem caindo em um golpe ou algo assim devido o preço dele ser tão baixo. Um dos espanhóis quando transferiu o dinheiro para a conta do David transferiu com a seguinte mensagem “eu sei que não deveria estar fazendo isso, mas estou transferindo 2000 euros para a sua conta bancária neste exato momento”. Diz que para diminuir o receio das pessoas com ele, ele tentava na medida do possível responder no mesmo dia os e-mails que a ele eram enviados e quando a pessoa morava em Londres, marcava de tomar um chopp para explicar um pouco sobre a viagem. Além de, claro, tentar ao máximo sempre estar nas viagens do grupo a Coréia do Norte.

Populares nos olhavam desconfiados

E sim, ele era bem engraçado e tinha uma risada parecida com a do Rabugento, aquele cachorro da Corrida Maluca.

Ele também atiçava a nossa curiosidade e até levamos várias discussões com ele já que TODA noite ele ia beber com a gente. Houve uma discussão e o David trouxe um importante ponto de vista. Algumas pessoas argumentam que quando viajamos para a Coréia do Norte, estamos contribuindo para a manutenção do regime em si, pois estamos dando recursos para ele.  Sim, tem gente que acredita que se não viajássemos para a Coréia do Norte, se parássemos de dar ajuda humanitária e deixássemos o regime basicamente colapsar, os Kims perderiam o poder. Bem, isso pode até ocorrer, mas a custo do sofrimento e morte de milhões de pessoas durante décadas. É fácil falar assim quando se está de bucho cheio.

Sim, pessoas dessa “fofura” são raras pelas ruas de Pyongyang

E foi aí que começaram os questionamentos. Dando dinheiro pra manter o regime? Quem é o regime? São os guias super gente boa que podem ter um bom emprego na Coréia do Norte por causa da gente? Parece que o dinheiro que a gente gasta vai direto para o bolso do notável, o que não é verdade. Vai mudar o mundo se não formos para lá? Vai fazer o regime cair? Não, pelo contrario! Isolar ainda mais o pais é pior do que fazer o que fazemos. Pelo menos geramos empregos e cada criança que nos vê acenando para ela pode saber que não somos um estrangeiro sádico que quer matá-la por nada. Tentar achar que a vida é bem mais simples do que ela efetivamente é não é a melhor resposta para tudo.

Guardinha de trânsito para um trânsito inexistente

Aspecto sombrio
Mais edifícios

Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Como morar em Fernando de Noronha

Lógico que assim que você chega a Noronha, uma das primeiras curiosidades é como fazer para pegar mala e cuia e se mudar para lá. É possível? A resposta é, não, não é possível.
Fernando de Noronha é uma situação meio complicada. Não é uma cidade, é um distrito estadual, logo não tem prefeito. Grande parte da ilha é Parque Nacional, portanto tudo é muito difícil por lá e, conforme falei, turista tem que pagar uma taxa diária de preservação da ilha. Hoje a migração para lá é bem restrita e para se mudar de vez, tirando as pessoas que já moravam até a legislação atual, existem três caminhos:
1 – Ser parente de primeiro grau de alguém da ilha, ou seja, ter pai ou mãe noronhenses;
2 – Casar com alguém que seja morador permanente da ilha;
3 – Conseguir um trabalho em Noronha.
As duas primeiras são as únicas formas de conseguir morar permanente por lá. Conseguir um trabalho em Noronha nunca vai lhe dar o status de morador permanente da ilha, ainda que você viva lá por 50 anos. E, apesar da lógica apontar o contrário, a maioria das pessoas que conheci por lá tinham residência permanente em Noronha. Inclusive não era raro achar alguém que cumpria os três pré-requisitos: filho de noronhense, casado com noronhense e com trabalho fixo em Noronha.
Uma forma que eu vi algumas pessoas meio que “burlando” ao menos a taxa obrigatória aos turistas era por meio de amigos que tinham negócios na ilha e os “contratavam” para trabalhar por um mês ou dois. Assim, eles podiam ficar esse tempo de boa na ilha sem se preocupar com pagamento de taxa. Outra coisa que me falavam que ocorria era o cara que pagava sete dias de taxa e depois desse tempo se perdia na ilha. Alugava um lugar e ficava morando lá meio que “ilegal”. Diz até que dava certo, demorava algum tempo até alguém caguetar que ele estava ilegal e outro tempo para ser mandado embora. Diz que você paga uma multa por dia a mais que fica na ilha, mas geralmente quem fazia isso era bicho grilo sem patrimônio, se fosse botar ela para pagar multa ia dar um trabalho danado e acabava que simplesmente se contentavam em expulsar o cara e sumir com o processo dele. Apesar do caráter restritivo dessas normas, segundo os servidores que mergulharam com a gente, a população da ilha havia triplicado em 15 anos.
Conversei com alguns “forasteiros” que estava morando lá de forma temporária, trabalhando na ilha, e eles me relatavam os mesmo problemas dos moradores em relação a baixos salários e várias restrições. Apesar disso, todos gostavam de morar lá, ainda que em caráter temporário.
Outra forma de dar um jeito de estar sempre indo lá é abrindo um negócio em Noronha ao se associar com um noronhense, da forma que expliquei nesse post aqui. Quem fez isso foi aquele ator global Bruno Gagliasso que tem uma pousada em Noronha e sempre tá por lá.
Agência dos Correios em Noronha
Você reclama do preço da gasolina em sua cidade? É porque nunca foi a Noronha. Na época em que fui a gasolina de Brasília, uma das mais caras do Brasil, era três reais o litro. Se liga quanto era lá
Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila

Perambulando pela Argélia – Obras de Niemeyer na Argélia

Mano, tive uma experiência muito legal com os argelinos. Eles eram gente boa demais e, por onde eu andava, eu parecia chamar bastante a atenção, eles realmente não são muito acostumados com turistas. Quando percebiam que eu era estrangeiro, um ou outro argelino vinha na rua querer falar comigo no pouco inglês que sabia falar. Isso quando não eles não começavam a gritar que nem uns loucos no meio da rua para chamar a minha atenção e eu achava que tinha feito alguma coisa errada! Mas não, era só para conversar comigo mesmo. E, rapaz, quando eu dizia que era brasileiro. Aí ferrava!
Tou até hoje impressionado com esse cara com essa camisa do Sport Recife que encontrei no meio de Argel
Os caras se danavam a falar de futebol! Eles são simplesmente apaixonados por futebol. Mas não era falar aquilo tipo “Neymar é bom demais!”. Não, mano! Os caras vinham falar da Copa de 86, da copa de 94, da copa de 82, falavam dos jogadores brasileiros daquela época. Bicho, teve um tiozão que me falou quase a seleção brasileira de 86 inteira. E falava com muito orgulho que eles quase desclassificaram o Brasil naquela Copa! De TRINTA anos atrás. Agora, não havia orgulho maior para eles do que quando eles falavam do sufoco que foi para a Alemanha desclassificar a Argélia nas oitavas na Copa no Brasil de 2014. Mano, naquele jogo a Argélia perdeu ganhando!
Enter a caption
Outra coisa que me chamou a atenção era que havia poucos negros nas ruas e os que havia era pedindo esmolas. Mohamed depois me explicou que eles eram refugiados da guerra que tá acontecendo no Mali e encontram paz em Argel devido ao espírito acolhedor e solidário dos argelinos. Assim, toda vez que entrava uma criança no ônibus ou no VLT eu nunca via ela sair sem nada porque os argelinos ajudavam bastante! Havia alguns poucos brancos pedindo esmola se dizendo ser refugiados sírios, o que Mohamed dizia ser mentira, já que na verdade eram argelinos se fazendo passar por sírios, pois, segundo ele, os sírios nunca pedem esmola e sempre se ajudam uns aos outros.
Refugiados negros esmolando em Argel

Vi também muita gente com os olhos claros, verdes e azuis, mais do que vi na Tunísia, por exemplo.

Por último, o mais interessante. Eu lembrei que havia ouvido falar que Niemeyer tinha algumas construções na Argélia e quando tive lá pude constatar. Nada mais, nada menos, que o principal monumento da Argélia, o monumento aos mártires que homenageia os mortos na Guerra Civil da Argélia e na Guerra da Independência, foi projetado por Oscar Niemeyer e inclusive é bem parecido com a Catedral de Brasília, seguem as fotos para comparação:

Outro monumento de Niemeyer em Argel
Cara, muito louco aquilo! Além daquele monumento, Niemeyer também projetou a Mesquita de Argel e algumas universidades pelo país.
Gostou do post? Então curta nossa página no www.facebook.com/omundonumamochila para sempre receber atualizações.
Quer entrar em contato direto com o autor ou comprar um livro? Clique aqui e tenha acesso ao nosso formulário de contato!
Quer receber as atualizações direto no seu e-mail? Cadastre-se na nossa mala direta clicando na caixa “Quero Receber” na direita do blog
Se gostou das fotos, visite e siga nosso Instagram para sempre receber fotos e causos de viagens: www.instagram.com/omundonumamochila